Menu
2020-10-05T20:27:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mudanças no sistema

Pix registra 3,5 milhões de cadastros no primeiro dia de adesão, diz Banco Central

Avaliação da autoridade monetária é que os números representam um sucesso para o primeiro dia de cadastro de chaves

5 de outubro de 2020
20:27
pagamentos digitais pix
Imagem: Shutterstock

O Banco Central informou que registrou até as 18h30 desta segunda-feira (5) um total de 3,5 milhões de cadastros de chaves no Pix - o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos.

Hoje é o primeiro dia de cadastramento das chaves e não há prazo para terminar. A avaliação do BC é de que os números representam um sucesso para o primeiro dia de cadastro de chaves.

Desde a manhã de hoje, alguns clientes vinham reclamado nas redes sociais de dificuldades para acessar alguns aplicativos de bancos. A chave de usuário é um identificador de contas do Pix.

O cliente pode cadastrar um número de celular, e-mail, CPF, CNPJ ou um EVP (uma sequência de 32 dígitos a ser solicitada no banco). Por meio da chave, será possível receber pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano. O sistema começará a funcionar em 16 de novembro.

Instabilidade

Bradesco e Itaú Unibanco tiveram instabilidade em seus aplicativos. Nenhum dos dois bancos, contudo, relacionaram a intermitência a uma maior procura dos clientes para cadastrarem suas chaves.

O Bradesco informou que as equipes do banco estavam trabalhando para normalização total dos serviços. Já o Itaú Unibanco disse que o acesso ao aplicativo estava sendo restabelecido e que segue trabalhando para "eliminar qualquer instabilidade que ainda possa ocorrer".

O BC habilitou 677 bancos, fintechs e cooperativas para o lançamento do Pix. Até o início da noite da última quinta-feira (1º), o BC havia publicado o aval para apenas 11 instituições começarem a operar o novo sistema de pagamentos. O salto do número de instituições habilitadas ocorreu na reta final, no fim da última semana.

Dentre os cinco maiores bancos do País, o Bradesco recebeu o aval na quarta-feira (30) para operar o Pix, enquanto Banco do Brasil, Itaú e Santander foram autorizados na quinta-feira à noite. A Caixa Econômica Federal foi a última a entrar na lista, na sexta-feira passada.

Essas instituições já vinham trabalhando para atender às exigências do BC e passar por testes de estresse, que buscam avaliar se elas estão preparadas para suportar determinado volume de pagamentos por segundo. Esses testes são importantes para garantir a efetividade e a segurança do Pix.

O sistema, que tem similares em outros países, vai ser usado para permitir pagamentos e transferências bancárias em tempo real. Os grandes agentes financeiros são obrigados a aderir, mas a ferramenta atraiu um número expressivo de cooperativas, fintechs e financeiras.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies