Menu
2020-03-31T19:55:49-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Quase tudo no vermelho

Não vai subir ninguém! (Quer dizer, só o dólar.) Veja o balanço dos investimentos no mês de março

Neste histórico mês de março, quase todos os ativos caíram. Só o dólar e a renda fixa mais conservadora se salvaram

31 de março de 2020
19:53 - atualizado às 19:55
Coronavírus derruba países
Imagem: Shutterstock

Se fevereiro já foi um mês difícil para os investimentos, março foi um verdadeiro banho de sangue, dada a quantidade de ativos que tiveram desempenho "no vermelho".

No mês em que a bolsa brasileira teve suas negociações paralisadas seis vezes por conta da forte volatilidade provocada pelo avanço rápido do coronavírus pelo mundo - acionando o mecanismo conhecido como circuit breaker -, a forte aversão a risco dos investidores de todo o planeta levou praticamente todos os ativos de risco a caírem em bloco.

O dólar, porto seguro nesses momentos de crise e grandes incertezas, foi o único ativo que realmente se valorizou - e que valorização! Foi uma alta de nada menos que 16,03% no mercado à vista e 15,58% se considerada a taxa PTAX do Banco Central, levando a divisa para perto dos R$ 5,20. No ano, a valorização da moeda americana já ronda os 30%.

Por outro lado, o Ibovespa apareceu em último lugar, com uma forte queda de 29,84% - pior desempenho mensal desde 1998. O índice perdeu a marca histórica dos 100 mil pontos, terminando o mês aos 73.076 pontos e acumulando uma perda de 36,81% no ano. Nenhuma ação do Ibovespa - eu disse NENHUMA ação do Ibovespa - teve alta neste mês.

Mesmo os ativos menos voláteis, mas que também têm um componente de risco, levaram tombos em março: fundos imobiliários, debêntures e títulos públicos prefixados ou atrelados à inflação. Até o ouro, outra proteção clássica, amargou uma pequena perda em dólar. Quem ainda conseguiu algum ganho foi a renda fixa conservadora (incluindo a poupança).

Os melhores e piores investimentos de março

Um mês histórico

Março de 2020 já entrou para a história do mercado financeiro brasileiro. Foi um mês repleto de grandes marcos, todos infelizmente negativos. Para começar, o Ibovespa viu tanta volatilidade, que acionou o circuit breaker - o botão de pânico da bolsa - seis vezes.

O mecanismo de paralisação das negociações é acionado toda vez que o índice cai demais - o primeiro acionamento em um pregão ocorre após uma queda de 10%, e o segundo, após uma queda de 15%.

Foi a primeira vez desde 2008 que o circuit breaker foi acionado tantas vezes num mesmo ano. Mas foi a primeira vez na história que todas as seis vezes ocorreram no mesmo mês.

Também foi em março que o dólar ultrapassou os R$ 5 pela primeira vez - e acima dessa marca se firmou. Ainda vimos um corte da taxa Selic pelo Banco Central para 3,75% ao ano, uma nova mínima histórica, e abaixo dos 4% pela primeira vez.

Finalmente, vimos o Ibovespa perder a marca dos 100 mil pontos arduamente conquistada um ano atrás. Em 23 de janeiro deste ano, o índice atingiu sua máxima nominal histórica de 119.527 pontos.

Desde então, já despencou quase 40%, entrando oficialmente num bear market (mercado de baixa) e pondo fim ao bull market (mercado de alta) que vivíamos desde 2016.

Em março, o Ibovespa também marcou a mínima do ano (até agora): 63.569 pontos, uma queda de quase 47% em relação à máxima histórica.

Volatilidade a mil

A principal característica do mês de março certamente foi sua ampla volatilidade em todos os mercados. Oscilações percentuais diárias de dois dígitos nos mercados de bolsa, juros e commodities foram comuns.

O índice de volatilidade VIX, conhecido como "índice do medo", que vinha oscilando entre 10 e 20 pontos nos primeiros meses do ano, saltou para 40, 50, 60, 70, 80 em março - patamares similares aos atingidos na crise de 2008.

Tudo isso reflete uma forte aversão a risco que se formou nos mercados ao longo do mês, e uma perda completa das referências de preço pelo mercado. O motivo é simples: o avanço mais forte do coronavírus pelo mundo, que começou na semana do Carnaval, levou boa parte do planeta a simplesmente "desligar as máquinas".

O vírus que deixou o mundo de joelhos

Em todo o mundo, e inclusive no Brasil, governos nacionais e regionais decretaram políticas de distanciamento social, com a suspensão obrigatória de atividades não essenciais, e fazendo campanha para que as pessoas fiquem em casa sempre que possível. Eventos foram cancelados, o comércio fechou as portas e as economias foram desacelerando até quase parar.

Tudo isso para que o coronavírus, que se espalha muito rapidamente por meio do contato humano, não levasse a uma onda tão grande de contaminados que os sistemas de saúde ficassem sobrecarregados. Afinal, as taxas de hospitalização e letalidade da Covid-19, a doença causada pelo vírus, são altas.

Recessão à vista

O problema é que não sabemos direito o que vai acontecer daqui para frente. Sabemos que o combate ao vírus vai inevitavelmente levar a uma desaceleração ou até muito provavelmente a uma recessão econômica. E, de fato, diversas instituições financeiras vêm revisando para baixo suas projeções. Mas ainda não sabemos, ao certo, o tamanho do tombo.

A incerteza quanto à evolução da doença em diferentes países é muito grande. Logo, não sabemos por quanto tempo as economias vão andar devagar quase parando, nem qual o impacto exato da pandemia nos resultados das empresas e no Produto Interno Bruto (PIB) de cada país.

Busca desenfreada por liquidez

Assim, na falta de dados e referências para fazer projeções mais concretas, os preços acabaram ficando malucos. Os investidores começaram a vender tudo a qualquer preço e correr para liquidez - seja por segurança, seja para honrar suas obrigações com perdas em outros mercados.

Dessa forma, vimos uma corrida para o dólar e uma venda massiva de ações, títulos públicos ou privados, fundos imobiliários e até mesmo bitcoins. Uma troca do duvidoso pelo certo - ou o que os investidores julgam como certo.

Aqui no Brasil, ainda vimos uma fuga massiva de recursos estrangeiros, pois aos olhos do mundo, os ativos de países emergentes são os mais arriscados dentre os ativos de risco.

Só pra contrariar

Só para complicar ainda mais um cenário já complicado, Arábia Saudita e Rússia resolveram começar uma guerra de preços em março, adicionando ainda mais risco ao cenário.

As duas potências na produção de petróleo não conseguiram chegar a um acordo sobre cortes na produção para adequá-la à menor demanda, agora que o mundo está mais parado por conta do coronavírus.

Assim, para "ensinar uma lição" à Rússia, os sauditas resolveram abrir a torneirinha e despejar petróleo no mercado mundial, o que derrubou o preço da commodity para o patamar dos US$ 25, US$ 30 o barril - lembrando que, no ano passado, o petróleo tinha chegado a bater US$ 70.

A ideia é que o preço baixo "desse um certo calor" à Rússia e a obrigasse a negociar um corte na produção, como era defendido pelos sauditas. Só que, até agora, o imbróglio não foi resolvido.

Juros na montanha-russa

Governos do mundo todo estão lançando mão de pacotes de estímulo para segurar a economia, que incluem a derrubada das taxas básicas de juros e a liberação de recursos para que empresas não demitam e não fiquem sem recursos para pagar salários, e para que trabalhadores autônomos e informais não fiquem totalmente sem renda.

O Federal Reserve (Fed), o banco central americano, realizou dois cortes extraordinários de juros neste mês. No segundo, zerou a taxa. Diversos bancos centrais ao redor do mundo também cortaram seus juros, inclusive o brasileiro, que derrubou a Selic para 3,75% ao ano.

Com isso, os juros futuros de curto prazo fecharam o mês em queda, justamente precificando um período de afrouxamento monetário para lidarmos com a crise.

Isso fez com que títulos prefixados com vencimentos em 2021 e 2022 tivessem um pequeno ganho. Afinal, esses papéis se valorizam quando os juros futuros caem.

Porém, os juros com vencimentos em prazos médios ou longos viram uma disparada em março, fortemente alinhada com o movimento generalizado de aversão a risco.

Com isso, todos os títulos prefixados e atrelados à inflação de prazos um pouco mais longos viram quedas, já que esses títulos se desvalorizam quando os juros futuros sobem. E quanto mais longo o prazo, maior o tombo.

Futuro ainda mais incerto

Além de um forte movimento vendedor de títulos por parte de investidores em busca de liquidez, vimos também um aumento da incerteza em relação ao futuro, o que costuma fazer os juros de prazos mais longos subirem.

No caso específico do Brasil, nosso risco-país disparou em março, o que contribuiu para levar nossos juros mais longos lá para cima. Juros de longo prazo estão menos ligados à política monetária e mais ligados à percepção de risco que os investidores têm em relação àquela economia.

Porém, o sobe e desce dos títulos foi intenso ao longo do mês - até mesmo os juros curtos apontaram para cima em alguns momentos, o que não faz nenhum sentido em um ambiente de recessão.

Essa volatilidade levou o Tesouro Direto a ficar fora do ar diversas vezes ao longo do mês. A plataforma on-line de negociação de títulos públicos tem suas negociações paralisadas em momentos de forte oscilação dos juros, para que preços e taxas possam ser atualizados.

O desempenho das empresas e a ameaça da crise de crédito

As empresas que mais estão sofrendo com a paralisação das economias até agora são aquelas ligadas às viagens, uma vez que fronteiras foram fechadas e rotas aéreas, bloqueadas. Assim, fabricantes de aeronaves, companhias aéreas, agências de turismo e hotéis estão passando por momentos verdadeiramente terríveis.

Economicamente, o maior risco desta crise é justamente uma quebradeira em massa das empresas. As mais ameaçadas são, é claro, as pequenas e médias. Mas a quebra de empresas de menor porte pode levar a um efeito em cascata nas cadeias de produção, podendo machucar até mesmo as grandes.

Esse cenário nos coloca de frente para a possibilidade de uma crise de crédito que, mesmo que não leve a uma quebradeira de bancos - hoje muito melhor capitalizados do que, por exemplo, na crise de 2008 -, pode causar efeitos prolongados na economia.

A própria manutenção do petróleo em patamares tão baixos de preço pode contribuir para tal crise. Além de pesar para a nossa Petrobras - e consequentemente, para o Ibovespa - pode inviabilizar negócios da área de energia que haviam sido concebidos para cenários de preços mais altos, tornando-se inviáveis com o preço da commodity nos níveis atuais.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Ações do mês

Vale, Magazine Luiza, Petrobras e JBS: como se comportaram as principais indicações das corretoras em maio?

As ações mais indicadas pelas corretoras tinham um perfil comum: resiliência e capacidade de adaptação. Elas foram muito testadas durante os últimos 30 dias, mas passaram com louvor

CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Direto ao ponto: comprar ou não comprar dólar?

A verdade é que ninguém sabe se o dólar vai cair, subir, andar de lado, dar cambalhota ou mortal carpado. Diante disso, quando me perguntam “comprar ou não comprar dólar”; eu devolvo com um segunda questionamento: “depende, você já tem dólar?”

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements