Menu
2020-03-31T18:26:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Queda vertiginosa

Ibovespa desaba 29,9% em março e tem o pior desempenho mensal desde 1998

O Ibovespa saiu do nível dos 100 mil pontos e encerrou o mês perto dos 70 mil, fortemente impactado pela crise do coronavírus e pela guerra de preços do petróleo. O dólar disparou e foi a R$ 5,19, renovando mais recordes nominais

31 de março de 2020
18:26
Mercados em queda Ibovespa dólar
Imagem: Shutterstock

Como era a vida em 28 de fevereiro? Bem, o Carnaval ainda estava fresco na memória, as eleições nos EUA geravam tensão nas redes sociais, o Ibovespa marcava 104.171,57 pontos e o coronavírus começava a se espalhar pela Itália — o que desencadeou uma correção nas bolsas globais, mas sem tirar o sono dos investidores.

Um mês depois, o Carnaval é apenas uma lembrança distante, as eleições americanas sumiram do noticiário e o Ibovespa despencou numa velocidade vertiginosa: fechou o pregão desta terça-feira (31) em queda de 2,17%, aos 73.019,76 pontos. No mês, o índice acumulou incríveis 29,9% de baixa — o pior desempenho mensal desde agosto de 1998, quando caiu 39,55%.

Quanto ao coronavírus, os casos que se concentravam na China e na Itália se espalharam pelo mundo: mais de 800 mil pessoas já foram diagnosticadas com a doença, das quais 41 mil morreram; no Brasil, já são 5.717 pessoas infectadas, com 201 óbitos.

Trata-se de uma mudança de cenário poucas vezes vista na história, e eu não me refiro apenas aos mercados financeiros. Em um mês, o mundo precisou se adaptar a uma nova rotina, com isolamento social e uma paralisação quase completa das atividades econômicas.

E, com a roda da economia travada por fatores externos, a percepção de solidez das empresas desmoronou como um castelo de cartas. Sem ter qualquer visibilidade quanto ao futuro, os investidores passaram a vender ações em massa, causando um frenesi nas bolsas globais.

Basta ver a evolução do Ibovespa ao longo do mês para ter uma dimensão do estrago. No dia 6, o índice perdeu o nível dos 100 mil pontos e, no dia 9, ficou abaixo dos 90 mil. No dia 12, foi a vez de o patamar dos 80 mil ser perdido — no dia 18, a bolsa cedeu ainda mais e passou a marcar menos de 70 mil pontos.

Nesse meio tempo, tivemos pregões turbulentos e com quedas acentuadas — tão volumosas que o chamado 'circuit breaker', mecanismo que interrompe as negociações quando o Ibovespa atinge os 10% de baixa, precisou ser acionado mais de uma vez ao longo de março.

Para ser mais preciso, o botão do pânico foi apertado seis vezes no mês — marca idêntica à vista em 2008, durante a crise financeira global.

O que explica todo esse pânico?

Bem, em primeiro lugar, é preciso lembrar que o Ibovespa e as bolsas globais estavam muito perto de suas máximas históricas, em meio ao otimismo quanto aos rumos da economia global e às taxas de juros cada vez mais baixas no mundo todo.

Tanto é que muitos analistas e investidores já se mostravam um pouco incomodados com o bull market, acreditando que os níveis de preço das ações estavam esticados demais — nesse cenário, um movimento de correção não seria de todo mal.

No entanto, não tivemos um simples ajuste de preços. Com o coronavírus avançando mais e mais pelo globo — e com países inteiros entrando em quarentena para tentar conter a dissipação da doença —, a economia global foi praticamente tirada da tomada.

Assim, as projeções de crescimento da atividade em 2020, antes pujantes, se esvaziaram: a maior parte das casas de análise agora trabalha com um cenário de retração econômica global neste ano — no Brasil, as estimativas já são de PIB negativo, até mesmo no boletim Focus.

Afinal, em meio ao caos provocado pela pandemia, a prioridade é garantir que pequenas e médias empresas não quebrem e que as pessoas tenham condições de atravessar o período de crise. A máquina pública global entrou num modo de sobrevivência.

Em meio ao turbilhão do coronavírus, ainda tivemos um segundo foco de incêndio: a guerra de preços do petróleo, com Arábia Saudita e Rússia disputando o controle da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

O embate entre sauditas e russos derrubou a cotação da commodity — o barril de petróleo, que chegou a superar os US$ 70 em 2019, agora está abaixo de US$ 25. Um cenário que aumentou ainda mais a tensão dos mercados globais e afetou especialmente as petroleiras, como a Petrobras.

Dólar nas máximas

A cautela também tomou conta do mercado de câmbio — e olha que o dólar à vista já vinha numa escalada bastante intensa desde o começo do ano. Sem saber os rumos da economia global, os investidores correram para a moeda americana, em busca de proteção.

Como resultado, o dólar à vista fechou a sessão de hoje em alta de 0,31%, a R$ 5,1966 — um novo recorde nominal de encerramento. Somente em março, a divisa acumulou valorização de 16,03%; no trimestre, o salto foi de 29,53%.

Em paralelo à escalada no dólar, também tivemos um movimento de baixa nas curvas de juros. Com as incertezas geradas pelo coronavírus e a perspectiva de retração econômica, o mercado passou a apostar em mais cortes na Selic, de modo a tentar estimular o nível de atividade.

E, de fato, a estratégia de afrouxamento monetário foi colocada em prática por diversos bancos centrais do mundo: nos Estados Unidos, o Federal Reserve promoveu dois cortes extraordinários nas taxas do país, levando-as para o nível de 0% a 0,25% ao ano — ao todo, a redução foi de 1,5 ponto.

Na Europa e na Ásia, diversas outras autoridades seguiram caminhos semelhantes, o que praticamente obrigou o Copom a ir na mesma direção, com um corte de 0,5 ponto na Selic, para 3,75% ao ano.

Por mais que o BC tenha se mostrado conservador no comunicado que acompanhava a decisão de juros, os investidores continuam firmes na aposta de mais reduções na Selic. Em primeiro lugar, a ata do Copom deixou a porta aberta para novas baixas; em segundo, a baixa pressão inflacionária, mesmo em meio à alta do dólar, abre espaço para mais quedas.

Nesse sentido, veja como ficaram os principais DIs nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 3,39% para 3,27%;
  • Janeiro/2022: de 4,17% para 4,11%;
  • Janeiro/2023: de 5,38% para 5,41%;
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,85%.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies