Menu
2020-06-25T09:52:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
relatório trimestral

IPCA em 2020 no cenário com câmbio e juros constantes permanece em 1,9%, diz BC

Porcentual é o mesmo que constou na ata e no comunicado do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom). No RTI anterior, de março, a projeção era de 3,0%

25 de junho de 2020
9:25 - atualizado às 9:52
coronavírus mercado inflação
Imagem: Shutterstock

O Banco Central manteve sua estimativa de inflação para 2020 no cenário de referência, que utiliza câmbio e juros constantes para o horizonte de projeções. Segundo o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado nesta quinta-feira, este cenário indica um IPCA de 1,9% para este ano.

O porcentual é o mesmo que constou na ata e no comunicado do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom). No RTI anterior, de março, a projeção era de 3,0%.

Para 2021, o cenário de referência indica que o IPCA ficará em 3,0%, também igual à ata e ao comunicado. No RTI de março, o porcentual era de 3,6%. Já a projeção para o IPCA de 2022, pelo cenário de referência, está em 3,6%. No RTI anterior, o porcentual calculado era de 3,8%.

Nos cálculos do cenário de referência, o BC considerou uma Selic de 3,00% ao ano e um dólar a R$ 4,95.

Para 2020, a meta de inflação perseguida pelo BC é de 4,0%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 2,5% a 5,5%). Para 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 (taxa de 2,25% a 5,25%). Para 2022, a meta é de 3,50%, com margem de 1,5 (taxa de 2,00 a 5,00%).

Cenário de Mercado

Na esteira da pandemia do novo coronavírus, o Banco Central alterou sua projeção de inflação para 2020 no cenário de mercado, de 2,6% para 2,4%. Para 2021, a projeção no cenário de mercado permaneceu em 3,2%. No caso de 2022, a projeção foi de 3,3% para 3,2%.

O cenário de mercado utiliza como parâmetros as previsões dos analistas, contidas no Relatório de Mercado Focus, para a taxa de câmbio e os juros no horizonte da previsão.

Cenário híbrido

O BC divulgou também, no RTI, projeções para o IPCA em dois cenários híbridos - que combinam hipóteses dos cenários de referência e de mercado. Os porcentuais projetados levam em conta impactos da pandemia do novo coronavírus na economia.

No primeiro cenário híbrido - que considera a taxa de câmbio constante em R$ 4,95 e a evolução da Selic (a taxa básica de juros) conforme as projeções do boletim Focus -, a projeção de inflação para 2020 está em 2,0%. No caso de 2021, está em 3,2%. Estes são os mesmos porcentuais publicados no comunicado e na ata do último encontro do Copom. No caso de 2022, a projeção continua em 3,5%.

No segundo cenário híbrido - que considera a taxa de câmbio do Focus e a Selic estável -, a projeção de inflação para 2020 passou de 2,6% para 2,3%. Para 2021, foi de 3,2% para 3,0% e, para 2022, passou de 3,6% para 3,3%. Os porcentuais anteriores constaram no RTI de março.

Saldo total de crédito

A pandemia do novo coronavírus, que traz impactos profundos para a economia brasileira, levou o Banco Central a promover ajustes em suas projeções para o mercado de crédito em 2020. A instituição alterou, no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o saldo total de crédito este ano de alta de 4,8% para alta de 7,6%.

Dentro do crédito total, a projeção do saldo de operações com pessoas físicas passou de alta de 7,8% para elevação de 5,8%. No caso das empresas, a expectativa foi de alta de 0,6% para crescimento de 10%.

Já a projeção para o saldo de crédito livre, aquele que não utiliza recursos da poupança ou do BNDES, passou de alta de 8,2% para elevação de 10,6%. Dentro do crédito livre, a projeção para o crédito às pessoas físicas foi de alta de 10,0% para alta de 6,5%. No caso das pessoas jurídicas, passou de elevação de 6,0% para avanço de 15,6%.

A projeção do BC para o saldo de crédito direcionado, que utiliza recursos da poupança e do BNDES, passou de zero para alta de 3,5%. Dentro do crédito direcionado, a projeção do saldo para as pessoas físicas foi mantida em alta de 5,0%. No caso das pessoas jurídicas, a projeção passou de retração de 8,0% para queda de 10,0%.

Desde o início da pandemia, o BC e o Ministério da Economia vêm adotando medidas para estimular o crédito a famílias e empresas neste momento de maior demanda. Na última terça-feira, o BC lançou um segundo pacote, com seis medidas, para impulsionar o crédito, com foco principal nas micro, pequenas e médias empresas.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements