Menu
2020-01-08T17:40:31-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dólar saindo

Fluxo cambial no Brasil fica negativo em R$ 44,768 bilhões em 2019

Dados do Banco Central também mostram que, no mês de dezembro, o fluxo cambial foi negativo em US$ 17,612 bilhões

8 de janeiro de 2020
15:42 - atualizado às 17:40
Dólar balão
Imagem: Shutterstock

O Brasil fechou 2019 com fluxo cambial negativo em US$ 44,768 bilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (8) pelo Banco Central e mostram um crescimento do saldo negativo em relação a 2018, quando o fluxo cambial havia sido de US$ 995 milhões negativos.

A saída líquida de dólares pelo canal financeiro no ano passado foi de US$ 62,244 bilhões. Este resultado é fruto de aportes no valor de US$ 560,740 bilhões e de envios no total de US$ 622,984 bilhões.

No comércio exterior, o saldo anual acumulado ficou positivo em US$ 17,475 bilhões, com importações de US$ 178,915 bilhões e exportações de US$ 196,391 bilhões. Nas exportações estão incluídos US$ 32,020 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio, US$ 57,560 bilhões em Pagamento Antecipado e US$ 106,811 bilhões em outras entradas.

Saldo de dezembro

Depois de registrar saídas líquidas de US$ 5,691 bilhões em novembro, o País fechou o mês de dezembro com fluxo cambial negativo de US$ 17,612 bilhões.

Tradicionalmente, o último mês do ano é marcado por saídas maiores de recursos, em função das remessas de lucros e dividendos feitas por fundos e multinacionais ao exterior.

No canal financeiro, houve saída líquida de US$ 19,907 bilhões no mês passado, resultado de aportes no valor de US$ 61,569 bilhões e de retiradas no total de US$ 81,476 bilhões. Este segmento reúne investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

No comércio exterior, o saldo de dezembro ficou positivo em US$ 2,295 bilhões, com importações de US$ 16,154 bilhões e exportações de US$ 18,449 bilhões. Nas exportações, estão incluídos US$ 2,251 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 8,097 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 8,101 bilhões em outras entradas.

Semana de 30/12 a 03/01

De acordo com o BC, o fluxo cambial da semana passada (de 30 de dezembro a 3 de janeiro) ficou negativo em US$ 2,371 bilhões. São considerados no período apenas três dias úteis, já que em 31 de dezembro e 1º de janeiro não houve registros de operações.

Na semana, ocorreu saída líquida pelo canal financeiro de US$ 2,084 bilhões, resultado de aportes no valor de US$ 7,886 bilhões e de envios no total de US$ 9,970 bilhões.

No comércio exterior, o saldo ficou negativo em US$ 286 milhões no período, com importações de US$ 1,809 bilhão e exportações de US$ 1,523 bilhão. Nas exportações, estão incluídos US$ 111 milhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio, US$ 572 milhões em Pagamento Antecipado e US$ 839 milhões em outras entradas.

2020

Com apenas dois dias úteis contabilizados (2 e 3 de janeiro), o fluxo cambial total acumulado em 2020 está negativo em US$ 855 milhões. O valor é resultado de fluxo financeiro negativo de US$ 994 milhões e fluxo comercial positivo de US$ 139 milhões nos dois dias.

Venda à vista

O Banco Central informou também que a venda à vista de dólares ao mercado financeiro no mês de dezembro somou US$ 9,585 bilhões.

Quando promove um leilão, o BC liquida efetivamente a venda em D+2 - ou seja, dois dias após a operação. O total de US$ 9,585 bilhões de dezembro leva em conta todas as operações liquidadas ao longo do mês.

Em novembro, o BC havia vendido US$ 4,461 bilhões em operações à vista e, em outubro, US$ 8,675 bilhões.

Entre 2013 e 2018, o BC não promoveu nenhuma operação com dólar à vista.

Leilões de linha

Para atender à demanda por moeda no fim de ano, quando multinacionais e fundos intensificam remessas ao exterior, o BC vendeu em dezembro um total de US$ 1,750 bilhão por meio de leilões de linha (venda de dólares com compromisso de recompra no futuro).

Reserva de resultado

O BC informou ainda que encerrou o segundo semestre de 2019 com lucro de US$ 42,643 bilhões em suas operações cambiais. Este valor será transferido agora para a chamada "reserva de resultado cambial", criada no ano passado.

Esta dinâmica faz parte da nova relação estabelecida entre o Banco Central e o Tesouro Nacional, através da Lei nº 13.820. Por meio da reserva de resultado cambial, a cada seis meses, o BC fará o ajuste de sua relação com o Tesouro. Sempre que o BC obtiver lucro na conta cambial, estes recursos serão transferidos para a reserva de resultado. Já a parcela do lucro do BC não ligada ao câmbio continuará sendo transferida normalmente para o Tesouro.

Por sua vez, em momentos de prejuízo do BC com o câmbio, a reserva de resultado servirá para cobrir o rombo, sem que o Tesouro precise emitir títulos públicos para o BC, como ocorria antes. A expectativa é de que esta nova dinâmica, também adotada por outros países, favoreça o controle da dívida pública, já que a emissão de títulos deixará de ser feita.

O segundo semestre de 2019 foi o primeiro período de seis meses de funcionamento da nova relação. Como o BC obteve lucro em suas operações cambiais no semestre - considerando a equalização das reservas internacionais e os swaps cambiais -, o valor será transferido para a reserva de resultado. Ao final do primeiro semestre de 2020 ocorrerá novo ajuste.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

futuro começou

Redes 5G começam a chegar ao Brasil, mas conexão ficará aquém do potencial

Popularização do acesso à nova tecnologia ainda vai levar de dois a três anos. Para isso se tornar realidade, é necessário acontecer o leilão de frequências da Anatel

Resultados da pandemia

Pandemia do coronavírus fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades, diz IBGE

Entre os setores, os serviços tiveram a maior proporção de empresas encerradas em definitivo

Mercado de juro futuro

Estrangeiro diminui posição ‘comprada’ em taxa de juro futuro

Posições líquidas são reduzidas pelo segundo dia seguido, segundo a B3

Exile on Wall Street

Café da Manhã dos Campeões: vá de carona nas Big Techs

Enquanto investidores, podemos ser deixados para trás ou podemos pegar uma belíssima carona exponencial, investindo nas Big Techs.

agora vai?

Appy diz acreditar que há ambiente político para aprovação de reforma tributária

Para o economista, o mais importante seria conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamento, considerada por ele “completamente injustificável”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements