Menu
2020-06-24T11:53:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
segundo bc

Contas externas têm saldo positivo de US$ 1,3 bilhão em maio

Dados refletem os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que reduziu o volume de importações de produtos

24 de junho de 2020
11:53
dinheiro real
Imagem: Shutterstock

Após o superávit de US$ 3,840 bilhões em abril, o resultado das transações correntes ficou novamente positivo em maio deste ano, em US$ 1,326 bilhão, informou nesta quarta-feira, 24, o Banco Central.

Os dados refletem os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que a partir de março se intensificou no Brasil, reduzindo o volume de importações de produtos. A autarquia projetava para o mês passado superávit de US$ 3,1 bilhões na conta corrente.

O número de maio ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de superávit de US$ 1,000 bilhão a superávit de US$ 4,500 bilhões (mediana positiva de US$ 1,930 bilhão).

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 4,205 bilhões em maio, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 1,717 bilhão. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 1,303 bilhão. No caso da conta financeira, o resultado ficou positivo em US$ 1,449 bilhão.

No acumulado do ano até maio, o rombo nas contas externas soma US$ 11,334 bilhões. A estimativa atual do BC é de déficit em conta corrente de US$ 41,0 bilhões em 2020. Esta estimativa, no entanto, foi divulgada no fim de março, quando os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia ainda não eram claros. O dado será atualizado nesta quinta-feira, 25, na divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Nos 12 meses até maio deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 42,447 bilhões, o que representa 2,54% do Produto Interno Bruto (PIB). Este é o menor porcentual desde setembro de 2019 (2,53%).

Lucros e dividendos

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de apenas US$ 32 milhões em maio, informou o Banco Central.

A saída líquida representa um volume bastante inferior aos US$ 2,431 bilhões que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado do ano até maio, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 6,175 bilhões. A expectativa do BC é de que a remessa de lucros e dividendos de 2020 some US$ 25,0 bilhões. Esta projeção, no entanto, havia sido divulgada no fim de março.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 1,274 bilhão em maio, ante US$ 997 milhões em igual mês do ano passado. No acumulado do ano até maio, essas despesas alcançaram US$ 9,065 bilhões.

Viagens internacionais

Sob os efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia, a conta de viagens internacionais registrou déficit de apenas US$ 87 milhões em maio, informou o Banco Central.

O valor reflete a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil no período. Em maio de 2019, o déficit nessa conta foi de US$ 1,053 bilhão.

Na prática, com o dólar mais elevado e o espaço aéreo fechado em vários países, os gastos líquidos dos brasileiros no exterior despencaram 91,7% em maio deste ano.

Vale lembrar que a pandemia do novo coronavírus ganhou corpo a partir de março, quando se intensificaram as restrições de deslocamento entre países. No dia 24 de maio, os Estados Unidos anunciaram a proibição de entrada de viajantes estrangeiros provenientes do Brasil.

O desempenho da conta de viagens internacionais no mês passado foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 200 milhões - queda de 86,4% em relação a maio de 2019. Já o gasto dos estrangeiros em viagem ao Brasil ficou em US$ 113 milhões no mês passado, o que representa um recuo de 72,9%.

No ano até maio, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 1,663 bilhão.

Junho

A conta de viagens internacionais registra déficit de apenas US$ 101 milhões em junho até o dia 19. O dado parcial para o mês leva em conta os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia.

Com as restrições de viagens aéreas em todo o mundo, os brasileiros gastaram no exterior apenas US$ 218 milhões em junho até o dia 19. Já os turistas em viagem ao Brasil tiveram despesas de US$ 117 milhões no período.

Dívida externa

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em maio é de US$ 313,946 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2019 terminou com uma dívida de US$ 322,985 bilhões.

A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 233,407 bilhões em maio, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 80,540 bilhões no fim do mês passado.

Investimento externo

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 2,552 bilhões em maio, segundo BC. Este é o menor montante para um mês de maio desde 2018, quando o IDP foi de US$ 2,004 bilhões.

O resultado ficou acima das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 1,100 bilhão a US$ 2,000 bilhões, com mediana de US$ 1,500 bilhão. Pelos cálculos do Banco Central, o IDP de abril indicaria entrada de US$ 1,500 bilhão.

No acumulado do ano até maio, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 20,595 bilhões.

A estimativa do BC para este ano é de IDP de US$ 60,0 bilhões. Este dado, no entanto, foi divulgado no fim de março.

No acumulado dos 12 meses até maio deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 67,495 bilhões, o que representa 4,04% do Produto Interno Bruto (PIB).

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

IR 2020

Caiu na malha fina? Veja como regularizar a situação

Saiba como regularizar a sua situação junto a Receita Federal caso a sua declaração apresente informações inconsistentes e caia na malha fina do imposto de renda

Flexibilização

Prefeitura de São Paulo assina protocolo para reabrir bares e salões de beleza

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira

Recuperação

Fundos imobiliários de tijolo subiram 6% em junho; FII de shoppings ainda caem 21% no ano

Fundos imobiliários de papel, por sua vez, valorizaram, em média, só 3% no mês passado, segundo indicadores calculados pelo Banco Inter

BNDES prorroga linha de crédito para pequena e média empresa, com mais R$ 5 bilhões

Linha para capital de giro será prorrogada até 31 de dezembro, com orçamento ampliado

Crise

Risco para investir volta a nível de 2016

Estrangeiro olha com desconfiança para o Brasil, por conta da crise do coronavírus e também pela taxa de juros nas mínimas históricas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements