Menu
2020-01-18T14:50:51-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

18 de janeiro de 2020
14:50
Prédio em construção MRV Cyrela Tenda EZTec Even Direcional
Imagem: Shutterstock

Os mais recentes dados econômicos do Brasil passam sinais mistos quanto ao estado da atividade doméstica: por um lado, a produção industrial e as vendas no varejo decepcionaram os analistas, mas, por outro, o IBC-Br surpreendeu positivamente.

Em meio à contradição dos indicadores, uma leitura ganha força nos mercados: a de que o ritmo de recuperação da economia brasileira segue lento — um choque de realidade para quem apostava numa retomada intensa já no início de 2020.

As hesitações, no entanto, parecem não atingir o setor de construção: desde o meio de 2019, o segmento começou a dar indícios de que estava prestes a entrar num ciclo de crescimento — e, ao menos por enquanto, não há sinais de que esse cenário tenha mudado.

Nos últimos dias, diversas empresas do setor divulgaram as prévias de seus resultados operacionais no quarto trimestre de 2019, revelando resultados majoritariamente positivos. A animação também é grande entre os analistas: o segmento de construção é visto com bons olhos pelo mercado.

É o caso do Bradesco BBI, que aposta num crescimento ainda mais robusto do setor ao longo de 2020. Em relatório, a equipe liderada pelo analista Victor Tapia diz ver boas perspectivas para a construção como um todo, incluindo as áreas residencial, comercial e de infraestrutura.

O Bradesco combina uma série de dados relacionados ao segmento, como vendas, nível de emprego e horas trabalhadas, de modo a chegar num índice de atividade da construção. E, no segundo semestre de 2019, esse indicador mostrou que o setor está ganhando força.

PMI do setor de construção elaborado pelo Bradesco, indicando a recuperação do segmento. Resultados operacionais de Direcional, MRV e Helbor dão suporte à visão

Tapia e a equipe de análise da instituição ainda ponderam que alguns dados operacionais do setor, como o anúncio de novos projetos e lançamentos, também indicam um aquecimento nas atividades, o que dá a entender que a construção civil continuará acelerando em 2020 e nos próximos anos.

"Atualmente, o setor de construção está 30% abaixo dos níveis anteriores à crise de 2014-2016"

Otimismo

De acordo com um levantamento feito pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o PIB do setor deve crescer 2% em 2019 na comparação com 2018 — a primeira alta depois de cinco anos consecutivos em baixa.

Para 2020, as projeções são ainda mais animadoras: a expectativa é de expansão de 3% da construção civil em relação ao resultado de 2019.

Perspectiva positiva

O Bradesco BBI mostra-se otimista com as empresas do setor que estão na bolsa, independente do mercado consumidor.

Para as companhias voltadas ao segmento de média e alta renda, os analistas projetam uma taxa composta anual de crescimento no volume de lançamentos de 23% até 2022, atingindo a cifra de R$ 16 bilhões nesse ano — o aumento nos empréstimos hipotecários deve estimular as empresas a colocarem novos projetos no mercado.

Para as empresas focadas na baixa renda, a instituição acredita que os volumes de lançamentos devem permanecer fortes, embora sem muito espaço para grandes avanços, dada a capacidade limitada de subsídio via FGTS. Assim, Tapia e sua equipe ponderam que as ações de tais companhias podem ser boas opções para quem busca dividendos interessantes.

Prévias animadoras

Três empresas do setor já divulgaram suas prévias operacionais referentes ao quarto trimestre: Helbor, Direcional e MRV.

A incorporadora Helbor foi a que apresentou os números mais impressionantes: entre outubro e dezembro, as vendas contratadas da companhia chegaram a R$ 688 milhões, um crescimento de 133% na base anual; o valor lançado subiu 242% para R$ 540 milhões.

"Os resultados operacionais da Helbor foram fortes sob todos os aspectos: o ritmo de vendas foi bom, em 19%; os cancelamentos permaneceram baixos; e os lançamentos aumentaram muito", escreveram Gustavo Cambauva e Elvis Credendio, do BTG Pactual.

A Direcional também mostrou números interessantes, embora, à primeira vista, os dados pareçam fracos. As vendas contratadas caíram 13,4%, para R$ 370,6 milhões, mas vale lembrar que a empresa não tem mais unidades da faixa 1 do 'Minha Casa, Minha Vida' em seu estoque — nos três últimos meses de 2018, as vendas dessa divisão cegaram a R$ 41 milhões.

Os lançamentos da companhia — um termômetro do otimismo para o futuro — aumentaram: passaram de R$ 528 milhões no quarto trimestre de 2018 para R$ 555 milhões entre outubro e novembro de 2019, um avanço de 5% na base anual.

"A prévia operacional foi sólida, com a Direcional dando continuidade à evolução nos lançamentos, ao meso tempo em que registrou uma geração importante de caixa", escreveram Cambaúva e Credendio, do BTG.

Já a MRV apresentou dados não tão animadores. As vendas recuaram 9,9%, para R$ 1,38 bilhão, mas os lançamentos aumentaram 6,3%, para R$ 2,3 bilhões. O problema, no entanto, foi a gestão de caixa: a empresa reportou uma queima de R$ 34,1 milhões no trimestre, surpreendendo o mercado.

"As vendas caíram, apesar dos lançamentos bem mais altos. Ainda houve queima de caixa, mesmo com a produção menor", ponderaram os analistas do BTG.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Militares nas ruas

Governo federal confirma prorrogação de GLO no Ceará até dia 6 de março

Prazo original também tinha duração de uma semana e venceria nesta sexta-feira, 28

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements