Menu
2020-06-25T19:32:05-03:00
Estadão Conteúdo
Conselho Monetário Nacional

CMN fixa meta de inflação para 2023 em 3,25% com margem de 1,5 pp

Na prática, isso significa que a inflação de 2023 deverá ficar entre 1,75% e 4,75%

25 de junho de 2020
19:32
inflação
Imagem: Shutterstock

O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou em 3,25% a meta de inflação a ser perseguida pelo Banco Central em 2023. Em reunião ordinária na tarde desta quinta-feira, 25, o conselho também definiu uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual para o cumprimento da meta. Na prática, isso significa que a inflação de 2023 deverá ficar entre 1,75% e 4,75%.

A decisão de hoje foi divulgada por meio da Resolução nº 4.831, publicada pelo Banco Central. Ela dá continuidade a um processo, iniciado em 2017, no qual o CMN vem reduzindo a cada ano, em 0,25 ponto porcentual, a meta de inflação no Brasil. Na época, o conselho havia anunciado metas de 4,5% para 2018 e 4,25% para 2019. Na sequência, foi estabelecida meta de 4% para 2020. Em todos os casos, a margem de tolerância era de 1,5 ponto porcentual. Para os anos de 2021 e 2022, as metas são de 3,75% e 3,50%, respectivamente.

O anúncio ocorre em um contexto de preocupações em relação à capacidade do BC de entregar, de fato, a inflação nos parâmetros estabelecidos. Isso porque, com o isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, a atividade econômica despencou no Brasil, bem como os preços de produtos e serviços.

Assim, o País enfrenta, neste momento, um problema relacionado à baixa da inflação - e não à alta dos preços, como em décadas anteriores.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado na manhã de hoje, o Banco Central informou que sua projeção para a inflação em 2020 - considerando o cenário de mercado, com juros e câmbio estimados pelo mercado financeiro - é de 2,4%. Se confirmado, este porcentual ficará abaixo do piso da meta (2,5%) para o ano. No RTI de hoje, o BC projetou ainda inflação de 3,2% em 2021 e 2022. Ainda não foi informada a projeção para 2023.

Durante coletiva de imprensa virtual sobre o RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, negou que, em função da crise, a instituição possa "abandonar" a meta de 2021 para dar preferência à de 2022. "De forma alguma abandonamos a inflação. Nem abandonamos 2021 para passar para 2022", afirmou.

O CMN, que definiu as metas de inflação para os próximos anos, é formado pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

reparação histórica

MPT rejeita denúncias de racismo contra Magazine Luiza por programa para negros

Para o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica

seu dinheiro na sua noite

O Abaporu da bolsa

Tarsila do Amaral pintou em 1928 uma figura de traços relativamente simples. Com a cabeça diminuta e os pés gigantes, ela surge nua tendo por companhia apenas o sol a pino e um enorme cacto. Foi só depois da reação empolgada do marido Oswald de Andrade que a artista veio a batizar o quadro de […]

Um outro olhar

Investidores mudam o foco, dólar cai e Ibovespa vive dia de forte recuperação

Bolsa recupera terreno e fecha em alta de 1,33%; dólar retorna a R$ 5,51 com reação a sinalizações de banqueiros centrais

fintech do Mercado Livre

Mercado Pago recebe aporte de R$ 400 milhões do Goldman Sachs

Os recursos têm como destino a divisão de crédito da instituição, o Mercado Crédito, e servirão para expandir a oferta de crédito para pequenos e médios vencedores que usam o Mercado Pago e o Mercado Livre

presidente popular

Avaliação positiva de Bolsonaro sobe de 29% para 40%, diz Ibope

Após cair ao longo do primeiro ano de governo, a popularidade do presidente Jair Bolsonaro disparou agora em setembro, na comparação com dezembro do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements