Menu
2020-06-25T19:32:05-03:00
Estadão Conteúdo
Conselho Monetário Nacional

CMN fixa meta de inflação para 2023 em 3,25% com margem de 1,5 pp

Na prática, isso significa que a inflação de 2023 deverá ficar entre 1,75% e 4,75%

25 de junho de 2020
19:32
inflação
Imagem: Shutterstock

O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou em 3,25% a meta de inflação a ser perseguida pelo Banco Central em 2023. Em reunião ordinária na tarde desta quinta-feira, 25, o conselho também definiu uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual para o cumprimento da meta. Na prática, isso significa que a inflação de 2023 deverá ficar entre 1,75% e 4,75%.

A decisão de hoje foi divulgada por meio da Resolução nº 4.831, publicada pelo Banco Central. Ela dá continuidade a um processo, iniciado em 2017, no qual o CMN vem reduzindo a cada ano, em 0,25 ponto porcentual, a meta de inflação no Brasil. Na época, o conselho havia anunciado metas de 4,5% para 2018 e 4,25% para 2019. Na sequência, foi estabelecida meta de 4% para 2020. Em todos os casos, a margem de tolerância era de 1,5 ponto porcentual. Para os anos de 2021 e 2022, as metas são de 3,75% e 3,50%, respectivamente.

O anúncio ocorre em um contexto de preocupações em relação à capacidade do BC de entregar, de fato, a inflação nos parâmetros estabelecidos. Isso porque, com o isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, a atividade econômica despencou no Brasil, bem como os preços de produtos e serviços.

Assim, o País enfrenta, neste momento, um problema relacionado à baixa da inflação - e não à alta dos preços, como em décadas anteriores.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado na manhã de hoje, o Banco Central informou que sua projeção para a inflação em 2020 - considerando o cenário de mercado, com juros e câmbio estimados pelo mercado financeiro - é de 2,4%. Se confirmado, este porcentual ficará abaixo do piso da meta (2,5%) para o ano. No RTI de hoje, o BC projetou ainda inflação de 3,2% em 2021 e 2022. Ainda não foi informada a projeção para 2023.

Durante coletiva de imprensa virtual sobre o RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, negou que, em função da crise, a instituição possa "abandonar" a meta de 2021 para dar preferência à de 2022. "De forma alguma abandonamos a inflação. Nem abandonamos 2021 para passar para 2022", afirmou.

O CMN, que definiu as metas de inflação para os próximos anos, é formado pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Orçamento em foco

Presidente da Câmara defende a desvinculação total do orçamento

Arthur Lira (PP-AL) rejeita tese segundo a qual desvinculação deixaria setores essenciais sem recursos

Liminar

Tribunal de Contas de São Paulo suspende leilão de linhas da CPTM

Leilão estava previsto para a próxima terça-feira

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies