Menu
2020-04-27T07:55:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Plano pró-Brasil pegou mal

Brasil pode perder uma segunda década consecutiva de crescimento com medidas atuais, diz ex-BC

O ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que o governo deve assegurar que os recursos estão chegando aos mais necessitados e que não é o momento de grandes obras públicas

27 de abril de 2020
7:47 - atualizado às 7:55
Ilan-Goldfajn-BC-Nov 2018
Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. - Imagem: Beto Nociti/BCB

O ex-presidente do Banco Central Ilan Goldfajn acredita que o Brasil pode perder uma segunda década de crescimento caso o governo siga o plano traçado até agora - com aumento dos planos de investimento em obras públicas enquanto deveria prestar socorro aos vulneráveis e a ampliação da tensão política em Brasília.

Na semana passada, o governo anunciou o programa Pró-Brasil, que prevê investimentos de até R$ 30 bilhões em 3 anos. O plano foi apelidado de 'Dilma 3' pela equipe econômica do governo, que não participou do lançamento da iniciativa e demonstra grande insatisfação da área.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Goldfajn disse que a medida não cabe dentro das possibilidades brasileiras no momento e que o governo de Jair Bolsonaro flerta com o voluntarismo.

Além disso, a defesa de algumas outras ideias, como a venda de reservas internacionais, destruiram avanços institucionais no país. Para o economista, sem as políticas corretas no momento de crise corremos o risco de transformar algo temporário em 'algo que passaremos décadas tentando resolver', já que o Brasil herdará uma dívida 'impagável', destruirá instituições e o teto de gastos.

"Já está claro que nossa dívida vai aumentar. Só que tem um detalhe: quem vai pagar no futuro somos nós mesmos, 95% da dívida é retido por nós. A classe média, que detém fundos, quem tem dinheiro no banco".

Ainda segundo o economista, o governo foi na direção correta ao anunciar medidas de proteção para setores mais vulneráveis e pequenas empresas. Agora, a preocupação deveria ser em assegurar que os recursos cheguem aos mais necessitados.

O ex-presidente do Banco Central também comentou as mudanças no comando de ministérios e a crise política que cresce em Brasília. Para Goldfajn, não há como isolar a economia da instabilidade institucional e uma possível troca na economia seria ruim, passando a percepção de falta de liderança. "Se além dessas crises se somam conflitos desnecessários, a economia vai sofrer".

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novos dados

Brasil tem 374.898 casos confirmados e 23.473 óbitos de covid-19

Até o momento, 153.833 pacientes estão recuperados da covid-19

seu dinheiro na sua noite

Descompressão geral

Caro leitor, Hoje foi dia de alívio geral nos mercados brasileiros, em continuidade ao movimento iniciado no mercado futuro na última sexta-feira, após a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. O entendimento do mercado é de que não havia fatos novos no vídeo que pudessem trazer mais preocupações à governabilidade, e […]

Olho no balanço

Magazine Luiza tem lucro líquido de R$ 30,8 milhões no 1T, em queda de 77%

Empresa estima que as lojas físicas deixaram de vender cerca de R$ 500 milhões nos últimos dias de março com o fechamento pelas medidas de isolamento social

Concessões rodoviárias

Ministro volta a afastar prorrogação de rodovias perto de fim da concessão

Aumentar o prazo de concessão é uma das formas de o governo reequilibrar contratos que foram afetados pela pandemia do novo coronavírus

Mudança de foco

Após 3 anos, CPFL deixa mercado de geração distribuída solar residencial

Grupo, controlado pela estatal chinesa State Grid, optou por focar os seus esforços no mercado de GD solar para grandes consumidores por meio da CPFL Soluções

Ex-ministro da Fazenda

Reabertura da economia não está para ser anunciada na Grande SP, diz Meirelles

O secretário da Fazenda e do Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira, 25, que o governo estadual “não está para anunciar” uma reabertura da economia na Região Metropolitana de São Paulo

Mercados tranquilos

Alívio generalizado: Ibovespa dispara e dólar cai a R$ 5,45 na sessão pós-vídeo

O Ibovespa foi às máximas desde 10 de março e o dólar à vista chegou à menor cotação em maio. Os investidores aproveitaram o feriado nos EUA para focar nas questões domésticas — com destaque para o vídeo da reunião ministerial, divulgado no fim da tarde de sexta

Presidente falou hoje

Bolsonaro atribui imagem ruim à ‘imprensa mundial de esquerda’

A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira, 25, a uma apoiadora que o recomendou usar a Secretaria Especial de Comunicação para fazer propaganda positiva

otimismo apesar de covid-19

Vamos arrebentar na venda de aeroportos, vamos conseguir vender todos, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, demonstrou nesta segunda-feira, 25, otimismo com os próximos leilões de aeroportos, mesmo diante da pandemia, que afeta bruscamente a aviação civil

Dados de hoje

Déficit da balança brasileira na 3ª semana de maio foi de US$ 701 milhões

A balança comercial brasileira registrou déficit comercial de US$ 701 milhões na terceira semana de maio (de 18 a 24), de acordo com dados divulgados hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements