Menu
2020-06-18T14:01:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
controvérsias

Brasil não pode caminhar para juro zero, diz Senna, ex-BC

Para o especialista, a economia brasileira tem risco mais elevado, principalmente por causa do desequilíbrio fiscal

18 de junho de 2020
13:58 - atualizado às 14:01
José Júlio Senna, chefe do Centro de Estudos Monetários do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (IRB-FGV)
José Júlio Senna, chefe do Centro de Estudos Monetários do Ibre-FGV - Imagem: Divulgação

O Banco Central (BC) deveria ter parado o ciclo de queda na taxa básica de juros (Selic) em 3,0% ao ano, afirmou nesta quinta-feira (18) o chefe do Centro de Política Monetária do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), José Júlio Senna.

Para o especialista, que foi diretor do BC, a economia brasileira tem risco mais elevado, principalmente por causa do desequilíbrio fiscal, o que deveria estar refletido em taxa básica de juros maior.

"O Brasil se distingue por ter prêmio de risco mais alto. Isso deveria ser incorporado na política monetária. Não podemos caminhar para (juro) zero, como os (países) desenvolvidos", afirmou Senna, em palestra durante o "II Seminário de Análise Conjuntural", que ocorre em transmissão ao vivo na internet, numa parceria com o Estadão.

Para o pesquisador do Ibre/FGV, ir abaixo de 3,0% com a Selic poderá gerar desequilíbrios no câmbio. Além disso, não há ganhos numa redução, porque os obstáculos para uma recuperação mais rápida da economia, após a crise causada pela pandemia de covid-19, com destaque para a questão fiscal - que poderá piorar, diante da necessidade de o governo gastar mais para mitigar a crise.

"O risco é muito significativo. Pode acontecer de a liquidez internacional abundante, que ajudou as bolsas (no mundo todo), não fazer o mesmo com a nossa (bolsa)", disse Senna, lembrando que, mesmo com a elevada liquidez desde a crise de 2008, os ativos no mercado brasileiro, já que a economia entraria em recessão e crise fiscal, não avançaram tanto quanto nos Estados Unidos.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies