Menu
2020-05-06T16:30:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Para lidar com a moeda

BC tem perda de R$ 8,340 bilhões com swap cambial em abril

Após o prejuízo de R$ 31,259 bilhões com as operações de swap cambial em março, o Banco Central registrou perda de R$ 8,340 bilhões em abril com sua posição pelo critério caixa

6 de maio de 2020
16:30
Dólar
Imagem: Shutterstock

Após o prejuízo de R$ 31,259 bilhões com as operações de swap cambial em março, o Banco Central registrou perda de R$ 8,340 bilhões em abril com sua posição pelo critério caixa.

Pelo conceito de competência, houve prejuízo de R$ 11,418 bilhões. O resultado pelo critério de competência inclui ganhos e perdas ocorridos no mês, independentemente da data de liquidação financeira. A liquidação financeira desse resultado (caixa) ocorre no dia seguinte, em D+1.

O BC obteve ainda um lucro de R$ 91,005 bilhões com a rentabilidade na administração das reservas internacionais este ano. Entram nesse cálculo ganhos e prejuízos com a correção cambial, a marcação a mercado e os juros.

Já o resultado líquido das reservas, que é a rentabilidade menos o custo de captação, ficou positivo em R$ 82,833 bilhões em abril. O resultado das operações cambiais no período ficou positivo em R$ 71,415 bilhões.

No acumulado de 2020 até 30 de abril, o prejuízo com swaps somou R$ 54,819 bilhões pelo resultado caixa e R$ 59,502 bilhões pelo competência. Já a rentabilidade das reservas internacionais ficou positiva em R$ 557,006 bilhões, com resultado líquido positivo de R$ 516,134 bilhões e operações cambiais também positivas de R$ 456,632 bilhões.

O BC sempre destaca que, tanto em relação às operações de swap cambial quanto à administração das reservas internacionais, não visa ao lucro, mas fornecer hedge ao mercado em tempos de volatilidade e manter um colchão de liquidez para momentos de crise.

Anual

A posição cambial líquida do Banco Central atingiu US$ 303,410 bilhões no dia 30 de abril. No fim de dezembro de 2019, essa posição estava em US$ 327,801 bilhões e, em março deste ano, em US$ 314,548 bilhões.

A posição traduz o que está disponível para que o BC faça frente a alguma necessidade de moeda estrangeira - como fornecer liquidez ao mercado em momentos de crise como a atual, por exemplo.

A posição leva em conta as reservas internacionais, o estoque de operações de linha do BC (venda de dólares com compromisso de recompra), a posição da instituição em swap cambial e os Direitos Especiais de Saque (DES) do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI).

Venda de dólar no mercado à vista

Banco Central informou que a venda à vista de dólares ao mercado financeiro no mês de abril somou US$ 6,590 bilhões. Durante o período, o BC realizou atuações no mercado de câmbio para manter a disponibilidade de recursos, em meio à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Quando promove um leilão, o BC liquida efetivamente a venda em D+2 - ou seja, dois dias após a operação. O total de US$ 6,590 bilhões de abril leva em conta todas as operações liquidadas ao longo do mês.

Em janeiro e fevereiro, o BC não havia realizado operações do tipo. Em março, foram vendidos US$ 10,674 bilhões. Durante todo o ano de 2019, a venda à vista havia somado US$ 36,861 bilhões.

Leilões de linha

Para atender à demanda por moeda em abril, o BC também vendeu um total de US$ 24 milhões por meio de leilões de linha (venda de dólares com compromisso de recompra no futuro). Em março, o montante havia ficado em US$ 7,650 bilhões.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Acordo confirmado

Notre Dame Intermédica e Hapvida chegam a acordo para combinação de negócios

Ações da Notre Dame serão incorporadas pela Hapvida; acordo resultará em uma das maiores empresas de saúde do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies