Menu
2020-05-22T13:03:44-03:00
ECONOMIA

BC cita cautela em novos cortes a partir de determinado limite mínimo da Selic

O desafio, de acordo com o diretor Fábio Kanczuk, é equilibrar o “trade-off” entre o patamar de juros e os efeitos do câmbio na economia.

22 de maio de 2020
13:03
Banco Central Copom Selic
Fachada da sede do Banco Central (BC) em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fábio Kanczuk, disse nesta sexta-feira, 22, que a mensagem do Comitê de Política Monetária (Copom) é que, a partir de um determinado limite mínimo da Selic, é necessário cautela em eventuais novos cortes.

"No último Copom, fazia sentido estímulo maior do que o corte de 0,75 p.p, mas temos que botar a estabilidade financeira na conta. A principal mensagem do Copom é que, a partir de um ponto, tenho que testar limites de forma mais suave" afirmou, em live organizada pelo UBS com investidores institucionais.

O desafio, de acordo com o diretor, é equilibrar o "trade-off" entre o patamar de juros e os efeitos do câmbio na economia. "Há uma questão de riscos, de questionar se os juros, a partir de certo ponto, gera malefícios para a economia. No caso do Brasil, pensamos que, se for baixando juros, continua tendo efeito de elevar inflação via câmbio", afirmou.

Kanczuk disse que o comitê está "todo unido e pensando da mesma forma" e tem indicações praticas de política monetária. Ele afirmou, porém, que cada membro tem sua "intuição" e sua própria conta a respeito do limite para a taxa de juros.

Ele reforçou que algumas empresas podem colocar em risco a estabilidade financeira quando há uma variação cambial abrupta, mas que o Banco Central está acompanhando e não vê problemas. "O BC monitora a estabilidade das empresas em relação a câmbio e não está vendo problema, parece ótimo", completou.

'Effective lower bound'

Sobre a discussão dos limites para a redução da Selic, o diretor disse que "não é riscado na areia", são contas indicativas e que mudam com o tempo e o comportamento do mercado. "Continuamos entendendo que juro será efetivo para gerar inflação, mas há risco via câmbio. O apetite do comitê para avançar nesse caminho é muito menor", completou.

Ele lembrou que, historicamente, o Brasil sempre teve juros muito maiores do que o patamar representado por juros internacionais mais prêmio de risco. "Será a primeira vez que limite de 'lower bound' é cruzado no Brasil, tem que ter cautela", completou.

Ele ressaltou que o CDS do Brasil, indicador que mede o risco país, tem sido mais afetado por notícias de risco fiscal, que não são ligadas à taxa Selic. "Temos que fazer uma conta de juro neutro que incorpore questão fiscal. De um lado vemos o fiscal e questionamento de reformas elevar juros neutro. De outro lado, temos consenso de que pandemia será altamente inflacionária. É um balanço", completou.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Dados atualizados

Brasil tem 26.764 mil mortes por coronavírus; casos superam 438 mil

Nas últimas 24 horas, segundo o levantamento do portal G1, houve 1.156 novas mortes causadas pelo coronavírus

ajuste tarifário

Arsesp reduz em 12,1% tarifas de gás natural para clientes industriais da Comgás

O principal fator que provocou a queda das tarifas de gás foi a diminuição dos custos da molécula e do transporte, atrelados ao preço do petróleo e à variação da taxa de câmbio

seu dinheiro na sua noite

O Brasil visto da Antártida

Por esses dias, talvez você tenha lido por aí que cientistas de um projeto financiado pela NASA teriam descoberto indícios de um universo paralelo na Antártida onde o tempo passaria ao contrário. Apesar de ser um ótimo título “caça-clique”, infelizmente (ou felizmente) não é bem isso. Não ousarei entrar em detalhes aqui sobre a física […]

Politica monetária

BC só considera “imprimir dinheiro” se esgotar ferramentas contra a crise

Roberto Campos Neto disse só pretende abrir “caixa de ferramentas” do Banco Central quando não puder atuar mais via corte da taxa básica de juros (Selic)

Presidente da Câmara

Projeto de lei das fake news pode cumprir papel muito importante, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu, nesta quinta-feira, 28, a tramitação célere do projeto de lei das fake news no Congresso, que, na visão dele, pode “cumprir um papel muito importante” para o País

Tensão em Brasília

Mourão diz que golpe está ‘fora de cogitação’, mas reconhece ‘estresse’

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou que uma eventual ruptura democrática está “fora de cogitação” e que “não existe espaço no mundo para ações dessa natureza”

Habilitação de maquininhas

Uso do auxílio em maquininhas começa com Cielo e GetNet; Rede é no dia 8

A Cielo informou que habilitou 1,5 milhão de maquininhas em todo o Brasil para aceitarem pagamentos dos beneficiários do auxílio emergencial

Devolvendo os ganhos

Risco político volta a aumentar e faz o dólar subir quase 2%; Ibovespa fecha em queda

O dólar à vista saltou mais de 10 centavos em relação ao fechamento de ontem, pressionado pelas tensões entre governo e STF. O Ibovespa caiu mais de 1% hoje, mas ainda acumula ganhos de 8% desde o começo de maio

Taxa de participação em queda

Desemprego seria de 16% com procura por vagas nos níveis de fevereiro, diz Itaú

Medidas de quarentena diminuíram nível de procura por trabalho e aumento do desemprego foi menor que o esperado, diz o banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements