Menu
2020-05-22T13:03:44-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA

BC cita cautela em novos cortes a partir de determinado limite mínimo da Selic

O desafio, de acordo com o diretor Fábio Kanczuk, é equilibrar o “trade-off” entre o patamar de juros e os efeitos do câmbio na economia.

22 de maio de 2020
13:03
Banco Central Copom Selic Crise
Fachada da sede do Banco Central (BC) em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fábio Kanczuk, disse nesta sexta-feira, 22, que a mensagem do Comitê de Política Monetária (Copom) é que, a partir de um determinado limite mínimo da Selic, é necessário cautela em eventuais novos cortes.

"No último Copom, fazia sentido estímulo maior do que o corte de 0,75 p.p, mas temos que botar a estabilidade financeira na conta. A principal mensagem do Copom é que, a partir de um ponto, tenho que testar limites de forma mais suave" afirmou, em live organizada pelo UBS com investidores institucionais.

O desafio, de acordo com o diretor, é equilibrar o "trade-off" entre o patamar de juros e os efeitos do câmbio na economia. "Há uma questão de riscos, de questionar se os juros, a partir de certo ponto, gera malefícios para a economia. No caso do Brasil, pensamos que, se for baixando juros, continua tendo efeito de elevar inflação via câmbio", afirmou.

Kanczuk disse que o comitê está "todo unido e pensando da mesma forma" e tem indicações praticas de política monetária. Ele afirmou, porém, que cada membro tem sua "intuição" e sua própria conta a respeito do limite para a taxa de juros.

Ele reforçou que algumas empresas podem colocar em risco a estabilidade financeira quando há uma variação cambial abrupta, mas que o Banco Central está acompanhando e não vê problemas. "O BC monitora a estabilidade das empresas em relação a câmbio e não está vendo problema, parece ótimo", completou.

'Effective lower bound'

Sobre a discussão dos limites para a redução da Selic, o diretor disse que "não é riscado na areia", são contas indicativas e que mudam com o tempo e o comportamento do mercado. "Continuamos entendendo que juro será efetivo para gerar inflação, mas há risco via câmbio. O apetite do comitê para avançar nesse caminho é muito menor", completou.

Ele lembrou que, historicamente, o Brasil sempre teve juros muito maiores do que o patamar representado por juros internacionais mais prêmio de risco. "Será a primeira vez que limite de 'lower bound' é cruzado no Brasil, tem que ter cautela", completou.

Ele ressaltou que o CDS do Brasil, indicador que mede o risco país, tem sido mais afetado por notícias de risco fiscal, que não são ligadas à taxa Selic. "Temos que fazer uma conta de juro neutro que incorpore questão fiscal. De um lado vemos o fiscal e questionamento de reformas elevar juros neutro. De outro lado, temos consenso de que pandemia será altamente inflacionária. É um balanço", completou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

em encontro com investidores

Arthur Lira sinaliza que Orçamento será resolvido ‘sem rupturas’

Presidente da Câmara mencionou ainda o posterior encaminhamento da reforma administrativa e ainda o início das discussões sobre a privatização da Eletrobras

Conheça as novatas

A hora da biotecnologia: empresas do setor disparam até 78% após IPOs na Nasdaq

Três estreantes do segmento atraíram a atenção dos investidores e chegaram com tudo à bolsa norte-americana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies