Menu
2020-03-18T19:09:37-03:00
Felipe Saturnino
Selic parada?

Banco Central sinaliza pausa, mas coronavírus deve forçar outro corte, diz Mizuho

Banco Central poderá cortar Selic novamente se verificar impacto maior que o estimado do coronavírus na economia, diz o banco Mizuho. Retomada da agenda de reformas e deterioração de ativos financeiros, no entanto, são obstáculos

18 de março de 2020
19:06 - atualizado às 19:09
Roberto Campos Neto – presidente do BC
O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Banco Central sinalizou, a princípio, que não pretende voltar a cortar a Selic, mas ao mesmo tempo reconheceu haver incertezas no horizonte, deixando a porta aberta para alteração no plano de voo. O autor da análise é o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno.

"A razão do corte de 0,5 ponto sem dúvida é o impacto do coronavírus na economia, que deve levar a uma desaceleração acentuada. BC agiu pra tentar minimizar o impacto", afirmou Rostagno, que também disse que a redução do juro se deu para atender as expectativas do mercado.

Segundo o economista, a autoridade buscou preservar os graus de liberdade da política monetária ao sinalizar que não quer realizar um corte na próxima reunião do Copom, em maio.

Rostagno menciona que o comunicado reconhece que outro corte pode ser negativo para ativos — como o real — em um ambiente de grande deterioração das condições financeiras e elevação de prêmios de risco, além das incertezas acerca da continuidade da agenda de reformas.

"Acho que o BC também reforçou a necessidade de retomar a agenda de reformas e de perseverar um ajuste fiscal", disse ele. "É uma mensagem que BC deu para indicar que seriam condições importantes para abrir espaço para novos cortes."

Flexibilização adicional da taxa de juros virá também se a autoridade reavaliar a evolução do cenário e reparar que os efeitos da pandemia são mais profundos do que os estimados atualmente, disse Rostagno.

O desempenho da atividade econômica futura, e não a perspectiva de inflação para 2021 (de 3,6%), bem próxima do centro da meta de inflação (de 3,75%), será o determinante para outro corte, afirmou ele. A aposta dele é que a Selic termine 2020 em 3,5% ao ano.

"Nas próximas semanas vai haver piora substancial do problema do coronavírus no país", disse ele. "Com esse cenário de crescimento prospectivo, a tendência é do BC continuar a cortar."

Para a abertura dos mercados amanhã, o economista espera que o movimento do dólar seja ditado pelos rumos externos, o mesmo valendo para os juros futuros. "Vai ser assim, porque o mercado já tinha precificado esse corte", disse Rostagno.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Funcionários com covid-19

Secretaria do Espírito Santo confirma 53 infectados na plataforma Macaé da Petrobras

Segundo a Sesa, a comunicação da Petrobras sobre a ocorrência aconteceu nesta quarta-feira. Estatal disse mais cedo ao Broadcast que a plataforma era da SBM

Seu Dinheiro na sua noite

Sobe no tuíte, cai no (quase) fato

Você já deve ter ouvido alguma vez a expressão “sobe no boato, cai no fato”. Alguém se lembra dela toda vez que a bolsa sobe diante de algum rumor e cai logo depois da confirmação. Isso acontece porque o tal mercado sempre tenta se antecipar aos acontecimentos. Quando eles se materializam, os preços em geral […]

Atualização sobre covid-19

Brasil registra 941 mortes por coronavírus desde início de pandemia

O resultado marca um aumento de 17% de mortes no Brasil em relação a ontem, quando foram registrados 800 óbitos

Alívio intenso

Ibovespa fecha em queda, mas ainda acumula ganhos de mais de 11% na semana; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve a melhor semana desde março de 2016, sustentado pelo viés mais otimista visto no exterior nos últimos dias. O dólar à vista também passou por um alívio importante, recuando mais de 5% na semana

Socorro financeiro

Maia acusa equipe econômica de dar informações falsas em projeto para estados

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) acusou a equipe econômica de dar informações falsas no projeto de socorro emergencial a Estados e relacionou o impasse em torno da proposta à disputa do presidente Jair Bolsonaro com governadores

Crédito contra covid-19

Boa parte do valor liberado ainda não foi usada pelos bancos, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira, 9, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que a instituição já anunciou a liberação de cerca de R$ 1,2 trilhão para os bancos, para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: um presente de Páscoa para os mercados

O podcast de hoje faz o balanço de uma semana positiva para os mercados, mesmo em meio à crise do coronavírus

Prontos para auxiliar

Bancos estão sólidos para ajudar a preservar empregos e empresas, diz presidente da Febraban

presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, garantiu nesta quinta-feira, 9, que o setor bancário está pronto para ajudar as empresas a preservar empregos

Recessão pior que 2008

IIF prevê que PIB global cairá 2,8% em 2020, e do Brasil, 4,1%

IIF revisou para baixo sua projeção para o PIB global e passou a prever contração de 2,8% em 2020

Títulos privados

BCs de emergentes podem necessitar ser comprador de última instância, diz Campos Neto

Roberto Campos Neto fez nesta quinta-feira, 9, em reunião com senadores, uma defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 10, que permite que o BC compre títulos privados durante o período de crise

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements