Menu
Rodolfo Amstalden
Exile on Wall Street
Rodolfo Amstalden
Sócio-fundador da Empiricus e autor do Programa de Riqueza Permanente
2020-03-26T17:17:09-03:00
Exile on Wall Street

O sofrer que advém da vida que não vivemos (ainda)

Estamos aprendendo a sofrer, uns sofrendo mais que os outros, uns aprendendo mais que os outros

26 de março de 2020
10:59 - atualizado às 17:17
sofrimento
Imagem: Shutterstock

Depois de duas disparadas dificilmente explicadas pela razão, provavelmente teremos um ajuste de ânimos nesta quinta-feira.

Tudo conforme o plano, sem motivos para surpresa. 

Estamos aprendendo a sofrer, uns sofrendo mais que os outros, uns aprendendo mais que os outros.

Há dois tipos de sofrimento no mundo.

Há o sofrimento estúpido, injustificável, fruto da ignorância e da maldade.

E há o sofrimento que é o custo a se pagar em busca de uma causa nobre, também conhecido como sacrifício.

Esse segundo sofrimento é parte inerente ao ofício do investidor — e também do empresário, do esportista, do educador, etc. —, de modo que não é possível viver sem ele.

Simplesmente não é possível investir por cinco, dez, vinte ou trinta anos sem arcar com alguns episódios de sofrimento da pior espécie.

Se alguém lhe contou que a jornada do investidor era um conto de fadas, você foi enganado. O coronavírus é apenas o sofrimento escolhido para este momento. Esteja certo de que outros virão. Esteja preparado.

Bem, se não é possível investir sem sofrer, precisamos encontrar um jeito de tolerar esse sofrimento, e até mesmo regozijá-lo.

Como não somos pessoas penitentes, masoquistas, resta apenas a seguinte solução: transformar o sofrimento em outra coisa, que faça mais sentido e seja útil.

Vamos transformá-lo em uma história.

Do ponto de vista do investidor, a história é bastante simples, para quem sobrevive. A história é sempre contada do ponto de vista dos sobreviventes, ainda que sejam uma minoria.

Quando a Bolsa cai, desaba, estamos arcando com um enorme sacrifício emocional e financeiro (marcado a mercado), em troca da raríssima oportunidade de comprar ações de qualidade a preço de banana.

Por tempo indeterminado (o tempo da crise), pagamos um custo altíssimo em troca da chance pontual de multiplicarmos por duas, três ou quatro vezes o capital investido perto de um momento de máximo estresse.

Note que essa é uma troca "justa", pois decisões que nos façam enriquecer várias vezes nunca serão fáceis, por definição.

É justa porque:

(i) Primeiro você deve sofrer, para depois se beneficiar. A sobremesa só chega depois da salada.

(ii) Enquanto você sofre por um tempo longo e indefinido, a virada de mão se oferece em uma janela curta, que demanda grande sensibilidade. Não falo aqui de um timing perfeito, pois isso não existe. Mas falo de um timing imperfeito, cuja implantação é suficientemente difícil e valiosíssima.

(iii) Durante praticamente todo o tempo, você se sente um completo idiota. Enquanto o mercado cai e todos estão desovando posições, você é o idiota que não se deixa dominar pelo pânico. Você corre o risco de ser o idiota que perde a virada de mão depois de sofrer tanto. E se candidata ao cargo do idiota que confunde um suspiro do mercado com o primeiro sinal confiável de recuperação secular. 

Tudo isso parece terrível, e é mesmo. Para nós que vivemos o dia a dia de uma crise, nenhum controle emocional é o bastante. A cada minuto, você terá suas convicções testadas, e deverá se relembrar de quem verdadeiramente é.

Mas esse é o jogo, não adianta lamentar. É um jogo justo. 

Ou você queria receber a chance de transformar R$ 500 mil em R$ 1 milhão (ou mais) sem sacrifício algum?

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Jogo franco

Não há condições para fazer com segurança nova projeção para 2020, diz Anfavea

Anfavea critica restrição de bancos em relação a crédito e cobra atuação do governo federal

efeito coronavírus

PIB do Brasil deve cair 2% em 2020, diz Fitch; América Latina deve encolher 2,6%

Projeção de queda para o PIB da América Latina é maior do que a observada durante a crise financeira global de 2008/2009

medida de prevenção

Doria estende em 15 dias quarentena em São Paulo

Segundo o governo, contágio já chegou a cem cidades paulistas; recomendação é que as pessoas fiquem em casa; serviços considerados essenciais continuam em funcionamento

país contra o coronavírus

Plano contra coronavírus não inclui socorro a grandes empresas e bancos no México

Programa do governo é calcado na ampliação de programas sociais e em investimento público para fomentar o emprego.

medida anticrise

CMN aumenta valor máximo de depósitos a prazo com garantia especial (DPGE)

Limite por titular passou de R$ 20 milhões para R$ 40 milhões; autorizado no dia 26, o DPGE também foi utilizado para dar liquidez ao mercado

de olho na recuperação

BC cria linha de crédito especial com recursos de fundos constitucionais

Segundo fontes, a estimativa é de que cerca de R$ 6 bilhões poderão ser disponibilizados pelos bancos às empresas que estão nas regiões atendidas por esses fundos

Situação de emergência

Argentina posterga pagamento de até US$ 10 bilhões da dívida pública para 2021

Texto do decreto cita a declaração de emergência nacional, em meio ao avanço da covid-19, para justificar a medida.

movimento global

BC de Israel corta taxa básica de juros de 0,25% para 0,1%

Para autoridade monetária do país, há uma excepcional volatilidade na taxa de câmbio, considerando as dificuldades da liquidez em dólar

olho no indicador

Investimentos sobem 1,2% em fevereiro ante janeiro, diz Ipea

Resultado sucedeu um avanço de 7,9%, deixando um carry-over de 5,4% para o primeiro trimestre de 2020

ficou para amanhã

Câmara adia sessão com plano Mansueto desta segunda para a terça-feira

Na sexta-feira, o plenário aprovou a urgência do projeto por 440 votos a favor e 15 contra

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu