Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-30T09:02:13-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Com exterior negativo, resultados dos balanços devem guiar o Ibovespa

30 de julho de 2020
8:13 - atualizado às 9:02
Mercados juros bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

A euforia vista no mercado ontem, após o Federal Reserve manter a taxa de juros americana inalterada e assegurar estímulos para a economia, parece ter se dissipado hoje. Nesta manhã, a cautela com o ritmo de contágio do coronavírus e resultados piores do que o esperado dos balanços corporativos impera nas bolsas. Os investidores também aguardam os números do PIB dos Estados Unidos no segundo trimestre.

Com o exterior negativo, os balanços corporativos das empresas brasileiras devem limitar as perdas do Ibovespa. Na abertura, os investidores repercutem os números de Vale e Bradesco. Após o fechamento temos o resultado do 2º tri da Petrobras.

No embalo do Fed

A bolsa brasileira, assim como os negócios em Wall Street, aguardavam com grandes expectativas a decisão de política monetária do Federal Reserve. Após o banco central americano anunciar a manutenção da taxa básica de juro - na faixa entre 0% e 0,25% ao ano - o Ibovespa fechou próximo das máximas do dia. 

No comunicado oficial, além da manutenção da taxa de juros, o Fed também reiterou que as taxas se manterão no patamar atual até que a crise tenha passado e que a autoridade monetária seguirá atuando de modo a limitar danos e assegurar a recuperação forte da economia. 

O principal índice brasileiro teve alta de 1,44%, a 105.605,17. O dólar, no entanto, terminou o dia pressionado pela rolagem de contratos futuros , às vésperas da definição da PTax. A moeda americana teve alta de 0,3%, a R$ 5,1729. 

Cautela com o vírus

No entanto, o pronunciamento do Federal Reserve foi insuficiente para sustentar uma alta das bolsas asiáticas, que fecharam majoritariamente em queda. 

Na Ásia, os investidores monitoram com apreensão e cautela a disseminação do coronavírus. 

Não é só os Estados Unidos que sofrem com uma segunda onda intensa. A Espanha e a França - países que também afrouxaram os seus protocolos de isolamento - registraram novos recordes de contaminação. No mundo todo já são 16,8 milhões de infectados, com mais de 662 mil óbitos. 

O dia começa no vermelho também para as bolsas europeias. Na região, o PIB da Alemanha mostrou um recuo maior do que o previsto (-10,1% no 2º trimestre), indicando que o impacto do coronavírus ainda é incerto no restante do bloco.

Nos Estados Unidos, os índices futuros também operam no campo negativo, mas os balanços corporativos do dia devem guiar os negócios. Para hoje são aguardados os resultados de P&G, Mastercard, AB InBev, ConocoPhilips, Amazon, Apple, Alphabet, Ford, Gilead Sciences e Facebook.

Peso-pesado

A abertura do pregão brasileiro deve refletir os sentimentos dos investidores com relação ao balanço da mineradora Vale, que divulgou os seus resultados na noite de ontem. 

A mineradora, se beneficiando da retomada da economia chinesa, reverteu o prejuízo e anotou lucro de US$ 995 milhões no segundo trimestre. 

A Vale informou a retomada do pagamento de dividendos, que estavam suspensos desde a tragédia de Brumadinho, em janeiro de  2019. O pagamento será feito de acordo com a antiga prática: duas vezes ao ano, em março e setembro. 

Balanços

A temporada de balanços brasileira começa a esquentar. Para hoje, temos programado os resultados do Bradesco, Ambev e Petrobras. 

Confira alguns dos últimos números divulgados:

  • A Localiza registrou lucro líquido de R$ 89,9 milhões, queda de 52,7% na comparação com igual período de 2019.
  • O GPA registrou lucro líquido de R$ 382 milhões no segundo trimestre de 2020, uma queda de 1,5%. Grupo afirma que "o forte patamar de vendas promoveu uma diluição significativa das despesas fixas".
  • A EcoRodovias registrou lucro líquido de R$ 35,3 milhões no segundo trimestre de 2020, queda de 41,2%.
  • A TIM fechou o balanço do segundo trimestre de 2020 com lucro líquido de R$ 260 milhões, uma queda de 23,9% em relação ao mesmo período de 2019.

Agenda

No Brasil, os destaques da agenda ficam com o IGP-M de julho (8h) e dados do Governo Central de junho (9h).

Lá fora, o destaque do dia é a leitura preliminar do PIB do segundo trimestre dos Estados Unidos (9h30) e o número de pedidos do auxílio-desemprego.

Fique de olho

  • IPO do Grupo Soma movimentou R$ 1,8 bilhão, com as ações no centro da faixa indicativa, a R$ 9,90.
  • JBS afirmou ter investido R$ 100 mihões na prevenção à covid-19.
  • BTG adiou o pagamento de juros sobre capital próprio.
  • Santander deve encaminhar um pedido de incorporação da Bosan e do Banco Olé na assembleia extraordinária marcada para o dia 31 de agosto.
  • O fundo de pensão Petros e a Petrobras chegaram a um acordo. O fundo receberá R$ 950 milhões. 
  • A Petrobras estima que recuperará R$ 16,9 bilhões com exclusão de ICMS da base de cálculo de PIS/Cofins.
  • Eletrobrás pagará dividendos de R$ 2,540 bilhões.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Reconhecida no exterior

Luiza Trajano é a única brasileira entre as 25 mulheres mais influentes de 2021

Luiza é apontada como uma das empresárias e líderes sociais mais notáveis do país, além de inspiração para empreendedores de todos os lugares

VÍDEO

O metaverso numa casca de noz: os analistas do Seleção Empiricus mostram como investir nas tendências do futuro

Confuso com o metaverso? Pois saiba que é possível ganhar dinheiro com ele hoje — e os analistas do Seleção Empiricus mostram como

bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) luta para se manter nos US$ 56 mil, mas Solana (SOL) e Cardano (ADA) sobem após notícias positivas; confira

A pandemia de covid-19 pressiona os ativos de risco, como ações e criptomoedas; o bitcoin (BTC) segue em queda

O futuro é roxo?

Nubank quer ser a maior fintech do mundo, não só da América Latina, e pode vir a ser ‘muito lucrativo’, diz BTG

Analistas do BTG destacaram os principais pontos da apresentação dos fundadores do Nubank a investidores, e consideram que, para justificar o valuation de US$ 40 bi no IPO, roxinho terá de atingir um retorno de 30% em cinco anos

Metaverso

Metaverso: o que é essa tecnologia do futuro? Saiba mais sobre o mundo virtual

Analista explica que a tendência é de grandes investimentos nesse mundo paralelo nos próximos anos; confira o vídeo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies