Menu
2020-02-03T08:05:40-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Acesso liberado

Os segredos da bolsa: da China ao Copom, veja quais ações vão ser destaque na semana

O avanço do coronavírus, a reabertura dos mercados chineses, a decisão do Copom e a temporada de balanços são apenas alguns dos eventos que vão mexer com a bolsa nos próximos dias. Saiba quais ações podem apresentar as maiores oscilações e saia na frente

3 de fevereiro de 2020
5:30 - atualizado às 8:05
Segredos da bolsa ações
Imagem: Shutterstock

Janeiro ficou para trás, mas os fatores que têm mantido a bolsa em alerta — como o coronavírus ou o futuro da taxa Selic — continuam no radar em fevereiro. Mas nem tudo permanecerá como antes: importantes desdobramentos desses dois eventos ocorrerão ao longo da semana.

E, tendo isso em mente, é melhor redobrar a atenção no mercado de ações. Alguns papéis da bolsa brasileira tendem a reagir de maneira mais intensa nos próximos dias, de acordo com o desenrolar dos acontecimentos.

  • "Os segredos da bolsa" é um conteúdo exclusivo para membros do Seu Dinheiro Premium, mas, excepcionalmente hoje, estamos abrindo o texto para todos os leitores. Para continuar tendo acesso a essa coluna, basta clicar aqui para virar um assinante premium.

Em primeiro plano, aparece o noticiário vindo da China — e as ações de companhias diretamente ligadas ao país asiático, como Vale, siderúrgicas e outras exportadoras. Após uma longa paralisação, os mercados chineses voltaram a operar nesta segunda-feira (3) — e, logo na abertura, as bolsas despencaram.

Por volta de 22h40 (horário de Brasília) de domingo, o Shanghai Composite recuava impressionantes 7,89%, enquanto o Shenzhen Component caía 9,1%. O tom negativo se espalhou pela Ásia: os índices do Japão e de Taiwan recuavam 1,00% e 2,75%, respectivamente.

As bolsas da China fecharam no último dia 24, em comemoração ao Ano Novo Lunar, e originalmente reabririam no dia 31. Mas, por causa do surto de coronavírus que atinge o país, o governo de Pequim optou por prolongar o recesso.

Durante o período em que os mercados chineses estiveram paralisados, a nova doença se disseminou numa velocidade preocupante. Os dados mais recentes dão conta de 362 mortos e mais de 17 mil pessoas infectadas no mundo — além da China, outros 26 países já têm casos confirmados.

O surto do coronavírus elevou a aversão ao risco nas bolsas globais. Desde o dia 24 — quando os mercados chineses fecharam —, o Ibovespa acumulou perdas de 4,82%; nos Estados Unidos, os principais índices acionários também tiveram um desempenho amplamente negativo.

Assim, uma pressão mais intensa na abertura das bolsas da China nesta segunda-feira já era esperada — afinal, os índices precisariam se ajustar ao movimento negativo visto nos índices globais nos últimos dias. Sabendo disso, o banco central chinês anunciou a injeção de US$ 174 bilhões via operações de mercado, de modo a garantir liquidez às negociações.

Creio que você já entendeu onde eu quero chegar. A mensagem é a de que o pregão desta segunda-feira tende a ser volátil e cheio de estresse, principalmente se a onda negativa que varre as bolsas da Ásia chegar ao Ocidente.

E, para completar o quadro negativo vindo da China, um dado no front econômico traz ainda mais preocupação: o indicador de atividade industrial do país caiu de 51,5 em dezembro para 51,1 em janeiro — é a leitura mais fraca em cinco meses.

Vírus da incerteza

O surto do coronavírus disparou um efeito dominó nos mercados: a disseminação da doença gera uma dúvida quanto ao impacto na economia global, que por sua vez desencadeia uma hesitação quanto ao comércio internacional, o que, finalmente, mexe com as perspectivas de empresas que fazem negócios com a China.

E quais são essas empresas? Na linha de frente, aparecem as exportadoras de commodities — caso da Petrobras, da Vale, das siderúrgicas e das empresas do setor de papel e celulose.

A Petrobras é atingida por causa das oscilações na cotação do petróleo. O WTI com vencimento em março, por exemplo, saiu do patamar de US$ 55 para o nível de US$ 51; o Brent para abril foi de US$ 62 para US$ 56. Assim, caso a commodity siga pressionada pela tensão global, os papéis da estatal — tanto os ONs (PETR3) quanto os PNs (PETR4) tendem a sofrer.

Já Vale ON (VALE3) e as siderúrgicas, como CSN ON (CSNA3), Usiminas PNA (USIM5) e Gerdau PN (GGBR4) dependem diretamente da demanda da China por minério de ferro e aço — e um esfriamento da economia do gigante asiático afeta diretamente as perspectivas de lucro do setor.

Nesse sentido, é importante acompanhar o comportamento do minério de ferro nos próximos dias, já que a commodity é negociada no mercado chinês, que esteve fechado. Assim como ocorreu nas bolsas, é de se esperar uma forte pressão nos preços do produto nesta segunda-feira.

Por fim, as papeleiras Suzano ON (SUZB3) e Klabin units (KLBN11) também ficam nos holofotes, já que a China é uma importante consumidora global de celulose — tais ações também podem sofrer num cenário de menor demanda.

Voo para Pequim

No entanto, há outras ações que podem ser afetadas indiretamente pelo coronavírus. É o caso dos papéis de companhias ligadas ao setor de viagens, como empresas aéreas ou de turismo.

Gol PN (GOLL4) e Azul PN (AZUL4) podem ser negativamente impactadas em diversos fronts. No lado dos custos, há a preocupação com os gastos com combustível de aviação, que são altamente dependentes de dois fatores: o preço do petróleo e a cotação do dólar.

Assim, se a queda do petróleo é benéfica para as aéreas, a disparada do dólar tem o efeito contrário — e uma eventual pressão extra na moeda americana pode fazer a balança pender para o lado desfavorável para as companhias.

O surto do coronavírus, contudo, também traz um efeito no lado operacional que é difícil de ser mensurado no momento: até que ponto o medo de contágio irá diminuir as viagens corporativas e a lazer? Como esse fator irá afetar a linha de receita das aéreas?

Ok, eu sei: não há voos diretos entre Brasil e China. No entanto, ambas as companhias possuem rotas internacionais e têm acordos de parceria com outras empresas do mundo. Sendo assim, como fica a indústria aérea?

Uma preocupação semelhante atinge companhias como a CVC, cuja geração de receita depende, fundamentalmente, da disposição das pessoas em se deslocar de um lugar a outro. Caso o coronavírus diminua a demanda por viagens internacionais, qual o preço justo a se pagar pelas ações ON da empresa (CVCB3)?

O mercado já começa a mostrar desconfiança com os papéis da CVC: em janeiro, as ações da companhia amargaram perdas de 16,67%, tendo o segundo pior desempenho de todo o Ibovespa — apenas Cia Hering ON (HGTX3) ficou atrás (-27,09%).

Corta ou não corta?

Mas nem só de exterior e coronavírus vive a bolsa brasileira. Por aqui, teremos um importante evento nesta semana: a reunião do Copom que irá decidir o futuro da taxa Selic — o parecer sairá na quarta-feira (5).

Há duas opções sobre a mesa: a primeira, defendida pela maior parte do mercado, é a de corte de 0,25 ponto na taxa básica de juros, levando-a ao nível de 4,25% ao ano. A segunda, que conta com apostas bem menos volumosas, é a de manutenção da Selic em 4,5% ao ano.

Decisões de juros sempre mexem com a bolsa não por causa de algum impacto imediato para as empresas, mas, sim, por suas implicações futuras. Um corte de 0,25 ponto na Selic, afinal, não mexe com o endividamento de uma empresa ou estimula o consumo do dia para a noite.

Mas, com os juros mais baixos, esses efeitos serão sentidos em algum momento no futuro — e essa é a lógica por trás do pensamento dos investidores. Uma redução nos juros irá, em algum momento, estimular a economia e, assim, é melhor estar posicionado desde já nas ações de uma empresa que poderá se beneficiar de maneira mais nítida.

E quais seriam essas empresas? Em geral, há dois setores da bolsa que costumam reagir de maneira mais intensa aos cortes de juros: as varejistas e as construtoras.

Ambos são segmentos que dependem diretamente do consumo e do aquecimento da atividade econômica. Assim, fique atento ao comunicado do Copom na quarta-feira à noite: o corte — ou não — da Selic e as indicações para o futuro podem mexer com essas ações.

No Ibovespa, é possível citar, entre as varejistas: Magazine Luiza ON (MGLU3), Via Varejo ON (VVAR3), B2W ON (BTOW3), Lojas Americanas PN (LAME4), Lojas Renner ON (LREN3) e Cia Hering ON (HGTX3).

No setor de construção, MRV ON (MRVE3) e Cyrela ON (CYRE3) são as representantes; também é possível esperar alguma reação das operadoras de shoppings, como Iguatemi ON (IGTA3) e Multiplan ON (MULT3).

Ô balancê, balancê

E, falando em Lojas Renner, a varejista de moda divulga nesta quinta-feira (6) seu balanço referente aos três últimos meses de 2019. E os números vêm carregados de expectativa, já que, no trimestre anterior, a empresa decepcionou o mercado — algo que raramente ocorre.

A Lojas Renner reportou um lucro líquido de R$ 189,3 milhões entre julho e setembro do ano passado, uma baixa de 2,6% na base anual. Os investidores, agora, estarão de olho no desempenho operacional da companhia e na geração de receita, já que o último trimestre costuma ser sazonalmente mais forte.

Quem também reporta seus números trimestrais é o Bradesco, na quarta-feira (5) — é o segundo grande banco a divulgar o balanço na atual temporada, já que, na semana passada, o Santander Brasil divulgou lucro líquido gerencial de R$ 3,76 bilhões (+9,4% em um ano).

A comparação realmente importante, no entanto, é a do nível de rentabilidade dos bancos. No terceiro trimestre, o Bradesco reportou rentabilidade de 20,2%, contra 21,1% do rival. Nos três últimos meses do ano, o Santander melhorou, chegando a 21,3% — resta ver como será a evolução do Bradesco nesse indicador.

Entre as empresas que compõem o Ibovespa, a Klabin também reportará seu balanço nesta semana, na quinta-feira.

Agenda cheia

Acha que é muita coisa numa semana só? Pois saiba que a agenda de dados econômicos está carregada nos próximos dias, tanto no Brasil quanto no exterior. Veja abaixo uma lista dos principais eventos:

  • Terça-feira (4): Produção industrial do Brasil em dezembro
  • Sexta-feira (7): IPCA do Brasil em janeiro
  • Sexta-feira (7): Dados do mercado de trabalho dos EUA em janeiro

Todos esses dados podem mexer diretamente com os mercados, ao fornecerem informações importantes quanto ao estado da economia brasileira e americana. Assim, eventuais surpresas com os indicadores têm a capacidade de impulsionar ou frear o mercado de ações.

  • "Os segredos da bolsa" é um conteúdo exclusivo para membros do Seu Dinheiro Premium, mas, excepcionalmente hoje, estamos abrindo o texto para todos os leitores. Para continuar tendo acesso a essa coluna, basta clicar aqui para virar um assinante premium.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies