Menu
2020-10-29T08:12:15-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Mercado busca recuperação tímida após dia sangrento e bateria de divulgações

Investidores devem repercutir balanços e decisão do Copom, enquanto monitoram situação fiscal, do coronavírus no exterior e a tensão provocada pela proximidade das eleições americanas.

29 de outubro de 2020
8:10 - atualizado às 8:12
Queda e alta
Imagem: Shutterstock

O mercado, que passou os últimos meses temeroso que o coronavírus voltasse a prejudicar a economia global, teve suas piores suspeitas confirmadas. Com a doença ganhando força novamento na Europa e nos Estados Unidos, França e Alemanha voltaram a adotar lockdowns e outros países podem seguir o mesmo caminho.

Muito semelhante aos vividos no auge do coronavírus, o mercado financeiro global viveu um dia sangrento, com quedas expressivas, nesta quarta-feira. Nesta manhã, no entanto, os principais índices acionários globais tentam timidamente recuperar parte das perdas do dia anterior.

No Brasil, os investidores devem repercutir os balanços de Vale, Petrobras e Bradesco, divulgados na noite de ontem, e o comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom).

Na Europa, a expectativa é pela decisão do Banco Central Europeu (BCE) e a possível sinalização de novos estímulos. Nos Estados Unidos, destaque para a leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre.

Dia sangrento

O Ibovespa, assim como o restante dos índices acionários globais, sofreu com a confirmação de que o coronavírus deve voltar a fechar a economia europeia, prejudicando a recuperação econômica.

A bolsa brasileira teve a sua maior queda percentual desde o dia 24 de abril, fechando a sessão em queda de 4,25%, aos 95.368,76 pontos.

Penalizados desde o início da pandemia, oa papéis das empresas do setor de turismo e aviação foram as que mais sofreram.

O dólar também registrou forte alta e chegou a se aproximar perigosamente da casa dos R$ 5,80 - o que fez o Banco Central atuar no câmbio ainda nos primeiros momentos do pregão. No fim do dia, a moeda americana subiu 1,39%, a R$ 5,7619.

Repercutindo as novidades

O dia também foi carregado para os investidores brasileiros após o fechamento e as novidades devem repercutir nesta quinta-feira. Vale, Petrobras e Bradesco divulgaram os seus balanços do terceiro trimestre e o Copom anunciou a sua decisão sobre a taxa básica de juros.

O Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada e, mesmo com pressão do mercado com a alta da inflação e a percepção negativa da situação das contas públicas, indicou que a Selic deve continuar em níveis baixos por um bom tempo no futuro. A instituição decidiu manter o forward guidance, no entanto, sinalizou preocupação com a situação fiscal.

Já no cenário corporativo, o Bradesco superou as expectativas - com lucro de R$ 5 bilhões no trimestre. A Vale viu o seu lucro crescer 76% na comparação anual e a Petrobras teve um prejuízo muito menor do que o projetado pelos analistas.

Sol com nuvens

O mau humor global arrastou as bolsas asiáticas para o vermelho durante a madrugada, mas aparece com força mais limitada nesta manhã.

Os focos de tensão continuam lá: o crescimento do coronavírus em escala global, a proximidade das eleições americanas e falta de novos estímulos nos Estados Unidos. Mas isso não impede que as bolsas europeias e os índices futuros em Nova York busquem uma recuperação e aparecem no azul.

Agenda gera expectativa

A leve recuperação é patrocinada pela expectativa da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que pode anunciar novos estímulos.

Além disso, a temporada de balanço segue com força no exterior. Para hoje, estão previstos os resultados de Apple, Alphabet, Facebook, Amazon e Casino.

Nos Estados Unidos, além dos pedidos de auxílio desemprego da semana anterior, temos também a leituro do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre.

A agenda doméstica conta com a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão mista que fiscaliza as ações de combate ao coronavírus (10h), divulgação da inflação do aluguel, o IGP-M (8h) e os balanços de Usiminas e B2W.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje. Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado: Início de 1900: 2º […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies