Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-28T09:05:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Com coronavírus ampliando a aversão ao risco, BC entra em campo para tentar conter o dólar

Enquanto o coronavírus avança e leva tensão para os mercados, o Banco Central brasileiro tenta segurar a escalada da moeda americana, que tem um movimento de valorização em todo o mundo

28 de fevereiro de 2020
8:07 - atualizado às 9:05
Dólar subindo
Imagem: Shutterstock

A disseminação do coronavírus pelo mundo tem provocado uma onda de estresse por todo o globo. E a aversão ao risco que marcou a semana deve continuar por mais algum tempo.

Além da intensa queda da bolsa brasileira nos últimos dias, o mercado local também vê o dólar marcar recorde atrás de recorde.

A moeda americana passa por um processo de valorização global. Por aqui, o dólar já marca uma alta acumulada de 11,58% no ano.

Ontem, após alta de 0,78%, fechou o dia em R$ 4,4759, mas chegou a marcar R$ 4,5011 no meio da tarde.

O BC entrou mais uma vez em campo e anunciou novas atuações no mercado cambial, com 4 ofertas de leilões para tentar segurar a escalada da moeda. A atuação surge em dia de ptax, quando o Banco Central não costuma fazer leilões de swap.

Está previsto a injeção de US$ 4,65 bilhões para suprir a demanda por hedge.

  • Às 9h30, o BC fará um leilão de swap cambial de US$ 1 bilhão, não associado a nenhuma rolagem.
  • Às 10h20, serão duas ofertas de venda de dólares com compromisso de recompra da moeda no futuro no total de US$ 3 bilhões.
  • Às 11h30, novo leilão de swap cambial, no valor de US$ 650 milhões, para a rolagem antecipada de vencimentos programados para abril.

Banho vermelho

Sessões ruins não são exclusividade do Brasil. No exterior, as bolsas também estão marcadas pela aversão ao risco e fortalecimento do dólar.

O número de casos do novo coronavírus continua caindo na China, mas cresce de modo acelerado nos demais países do mundo.

Ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta para a possibilidade do surto se tornar uma pandemia, mas disse também que a doença pode ser contida. No Brasil, o número de casos suspeitos já é de 132, com apenas 1 confirmado.

As preocupações dos investidores são quanto aos impactos da doença no médio e longo prazo, com reflexos nas empresas e economia global. Mesmo com o alerta das organizações de saúde, ainda é difícil prever até onde a doença pode chegar.

Na Ásia, o mercado ficou marcado com mais um dia de perdas acentuadas, com as bolsas chinesas caindo mais de 3,5% - pior mês desde maio do ano passado. O país ainda surfava na cola das atuações do Banco Central para conter os impactos do coronavírus na economia, por isso ainda performa acima de outras bolsas pelo mundo.

Tanto nos Estados Unidos como o índice pan-europeu Stoxx 600 continuam uma onda intensa de correção nos mercados. Enquanto a queda na Europa foi de mais de 3%, as bolsas americanas tiveram uma queda forte de 4%.

Hoje, os índices futuros em Wall Street sinalizam mais um dia de aversão ao risco e apresentam queda firme. Na Europa, o Stoxx-600 pode ter a sua pior semana em mais de uma década.

O Ibovespa teve mais um dia fortemente pressionado e caiu mais 2,59% e fechou aos 112.9832,54 pontos. No mês, o principal índice da bolsa brasileira acumula uma queda de 9,47%.

Petróleo também em queda

O Petróleo também opera no vermelho pela sexta sessão consecutiva. Por volta das 07h30, o petróleo WTI para abril tinha queda de 3,57% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 45,41 o barril. Já o Brent para maio recuava 2,93% na ICE, a US$ 50,65.

Risco extra

Por aqui, os investidores também monitoram o clima em Brasília, com o atrito entre governo e a classe política.

O presidente Jair Bolsonaro convocou pessoas para uma manifestação no próximo dia 15 e uma das pautas seria a "defesa do governo contra o Congresso". O mercado teme um desgaste entre o governo e o congresso, o que poderia atrasar a agenda de reformas econômicas.

Agenda

No Brasil, temos a divulgação dos dados de desemprego (9h) e a resultado consolidado do setor público (14h).

No exterior a sexta-feira também é de agenda cheia. Nos Estados Unidos temos o índice de inflação, que pode renovar as apostas pela queda de juros no país. Já na China, é grande a expectativa pelo PMI oficial industrial de fevereiro.

Fique de olho

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

em busca de recursos

B3 levanta US$ 700 milhões e revisa projeção de alavancagem

Segundo operadora da bolsa brasileira, a emissão faz parte da gestão ordinária dos negócios da companhia e visa diversificar as fontes de captação a condições atrativas de financiamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies