Menu
2020-08-25T09:06:53-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Possível adiamento do pacote ‘big bang’ e trégua entre Estados Unidos e China dividem atenção do mercado

A cautela local deve se chocar com o bom humor visto nos mercados externos. Sinais de que Estados Unidos e China estão dispostos a cumprir o acordo comercial firmado em janeiro anima os investidores e impulsionam as bolsas europeias e os índices futuros em Nova York nesta manhã.

25 de agosto de 2020
8:21 - atualizado às 9:06
29/08/2019 Cafe? da Manha? com Deputado Jose? Medeiros (PODE-
Ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O aguardado pacote de medidas econômicas e sociais prometido pelo governo pode ficar para depois. Segundo informações do jornal O Globo, o 'big bang', composto por diversos projetos, não está concluído e existe um impasse entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes sobre pontos do projeto.

Em meio à grande preocupação com a situação das contas públicas, os investidores ficam atentos ao desenrolar das negociações. A expectativa é que Guedes atenda as demandas do Planalto sem agravar a situação fiscal do país e que as medidas sejam anunciadas ainda nesta semana.

A cautela local deve se chocar com o bom humor visto nos mercados externos. Sinais de que Estados Unidos e China estão dispostos a cumprir o acordo comercial firmado em janeiro anima os investidores e impulsionam as bolsas europeias e os índices futuros em Nova York nesta manhã.

Ficou para depois

O dia começa com uma boa dose de frustração para os investidores locais. O ministro Paulo Guedes havia prometido para esta terça-feira o 'Big Bang' - pacote de medidas econômicas e sociais que deve trazer detalhes sobre o aguardado Renda Brasil, programa que deve substituir o auxílio-emergencial e o bolsa-família - mas, segundo informações do jornal O Globo, o pacote não está concluído e as medidas devem ser divulgadas separadamente. No momento, o programa está orçado em R$ 52 bilhões.

Segundo o Estadão, o motivo para o atraso da divulgação é um impasse sobre o valor do benefício do Renda Brasil. De acordo com a publicação, o presidente Jair Bolsonaro não aceitaria um valor menor do que R$ 300.

Com o mercado preocupado com a situação das contas públicas, os agentes financeiros estão atentos aos desdobramentos do programa. A expectativa é que o ministro Paulo Guedes consiga atender as demandas sociais sem a necessidade de furar o teto de gastos e comprometer ainda mais a situação fiscal brasileira.

Um dos itens do pacote deve ser oficializado hoje: a reformulação do programa Minha Casa, Minha Vida.

Corrida pela vacina

Ontem, a grande pauta do dia nos mercados foi a notícia que o presidente americano Donald Trump tem planos para acelerar a aprovação da vacina produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

No Brasil, a alta foi limitada pela expectativa pelo pacote 'Big Bang'e a repercussão do adiamento da divulgação da proposta. O Ibovespa fechou o dia com alta de 0,77%, aos 102.297,95 pontos. O dólar encerrou a sessão com queda de 0,26%, a R$ 5,5918.

Animação continua

A alta patrocinada pelo plano de Trump de adiantar a regulação da vacina tem tendência a continuar nesta terça-feira. Dessa vez, o otimismo dos investidores está concentrado no cenário comercial.

Em reunião virtual na noite de ontem, o representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lightizer, e o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, se reuniram com o vice-premiê da China, Liu Hu. O encontro foi marcado pela discussão do acordo comercial de fase 1 firmado em janeiro.

Segundo o governo americano, houve avanços na discussão e os países estão comprometidos na garantia do sucesso do pacto.

A notícia impulsionou as bolsas asiáticas, que fecharam majoritariamente em alta, com exceção do Xangai Composto na China e dos negócios em Hong Kong.

A 'trégua' no cenário comercial também reflete de forma positiva na Europa. Além disso, dados da economia alemã divulgados durante a madrugada também animaram os negócios no continente.

A segunda estimativa do PIB da Alemanha indicou uma queda menor do que a medida anteriormente, pasasndo de 10,1% a 9,7%. O aumento do índice de sentimento Ifo das empresas alemãs superou expectativas e alimenta a leitura de que o país está seguindo o caminho correto para a recuperação econômica.

Agenda

A divulgação do IPCA-15 (9h) é um dos destaques do dia, junto com as contas externas (9h30).

Fique de olho

  • Cade aprovou a aquisição do Grupo Santa Mônica, de Minas Gerais, pela Notre Dame Intermédica.
  • Follow on da Rumo captou R$ 6,9 bilhões, com ações precificadas a R$ 21,75.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Aviação regional

Governo quer licitar cinco blocos de aeroportos na Amazônia Legal

Pontapé inicial será no Amazonas, onde o governo espera transferir para uma empresa a operação de oito aeroportos regionais em 2022

Reforma Tributária

Cresce resistência a “nova CPMF”

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, avisou a interlocutores que a criação do imposto dificilmente passará no Congresso

Reforma Tributária

Dúvida é adotar desoneração da folha horizontal ou vertical

Há consenso sobre desonerar as empresas de tributos sobre os salários de quem ganha até um salário mínimo, mas forma ainda está em discussão no Executivo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements