Menu
2020-01-23T08:18:07-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Prévia da inflação calibra expectativas por novo corte na Selic

Antes da pausa para o feriado, as bolsas chinesas fecharam em baixa acentuada, refletindo o temor com o surto do novo vírus no país

23 de janeiro de 2020
7:52 - atualizado às 8:18
Inflação
Imagem: Shutterstock

Mesmo com os investidores ainda acompanhando de perto o desenrolar da situação envolvendo o coronavírus na China, a agenda econômica volta a ficar em destaque no Brasil, com a divulgação do IPCA-15.

A prévia da inflação oficial ajuda o mercado a recalibrar as expectativas pelas decisões do Copom. Os analistas esperam que o IPCA-15 desacelere de 1,05% a 0,70%.

O inflação e a atividade doméstica com uma recuperação mais lenta do que o esperado faz os investidores reverem suas apostas para a Selic. Muitos acreditam que o BC pode deixar de lado a 'cautela' e realizar mais um corte da taxa básica de juros em fevereiro. Os possíveis impactos de uma epidemia na China também devem ser levados em conta.

Agenda

O ministro da Economia Paulo Guedes segue com a sua participação no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Enquanto isso, no Brasil, o governo divulga a arrecadação de dezembro.

Lá fora, o Banco Central Europeu (BCE) divulga hoje sua política monetária. A expectativa é de que o juros se mantenha no atual patamar, mas que Christine Lagarde sinalize mudanças na estratégia de condução do órgão.

Nos Estados Unidos, o dia é marcado pela divulgação dos números da atividade industrial.

Boletim médico

E o mercado continua monitorando com atenção os desdobramentos do surto de coronavírus na China. O vírus, que se originou na cidade de Wuhan já infectou mais de 570 pessoas. Ao menos 17 mortes foram registradas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) decide hoje se será declarado situação de emergência. A transparência e rapidez da China em atuar no caso tem servido como tranquilizante e chegou a injetar ânimo nas bolsas ontem.

Amanhã começam as celebrações do feriado do Ano Novo Lunar, que vão manter os mercados chineses fechados por uma semana. A expectativa é de que milhões de pessoas viajem , aumento os temores de disseminação da doença.

Na véspera da pausa, o principal índice do país, o Xangai Composto, caiu 2,75%. Já o Shenzen Composto teve queda de 3,45%. O restanta do mercado asiático também encerraram o pregão com perdas fortes.

As preocupações com o vírus também deixam as bolsas europeias no vermelho. Os índices futuros em Nova York rondam a estabilidade.

Dia de recuperação

Ontem os mercados viveram um dia de correção depois das perdas acumuladas na semana. Impulsionado pelo noticiário corporativo, o Ibovespa fechou em alta forte de 1,17%, aos 118.391,36 pontos. O dólar também teve um dia mais calmo e caiu 0,71%, a R$ 4,1753.

Caminhando

O Brexit já tem data para acontecer. O Parlamento Britânico finalmente deu o seu aval e a saída do Reino Unido da União Europeia está marcada para o dia 31 de janeiro.

Agora, eles aguardam a sanção da Rainha Elizabeth II e a aprovação no Parlamento Europeu, que deve votar a matéria na próxima quarta-feira.

Noticías do Planalto

Rodrigo Maia está otimista e acredita que a Comissão Mista para a reforma tributária deve ser instalada na primeria semana de fevereiro, com a aprovação da matéria ainda no primeiro semestre.

No STF, o ministro Fux suspendeu a criação do juiz de garantias por tempo indeterminado. O veto vai contra as decisões do presidente Jair Bolsonaro e derruba a determinação do presidente do Supremo.

Fique de olho

  • Eletrobras iniciou emissão de até US$ 1,75 bilhões de titulos no exterior.
  • A Odebrecht deve adiar por mais 30 dias a sua assembleia de credores para aprovação do plano de recuperação judicial. O motivo seria um impasse envolvendo o BNDES, maior credor entre os bancos públicos.
  • A Verde Asset passou a deter 3,30% de ações da Cia Hering.
  • Carrefour registrou vendas consolidadas de R$ 17,6 bilhões no 4º trimestre. Vendas brutas cresceram 11,4%.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Meta ambiental

Vale triplica para até US$ 6 bi previsão de investimentos para reduzir emissões de carbono

O objetivo da empresa é reduzir 33% das emissões diretas e indiretas de carbono até 2030

Conheça a proposta

Biden anuncia acordo com republicanos para investir US$ 1,2 trilhão em infraestrutura

O valor final é menor do que a soma proposta pelo presidente democrata, mas marcará o maior investimento de longo prazo em infraestrutura em quase um século

novo sistema operacional

Microsoft apresenta o Windows 11 — aqui estão 7 novidades que você precisa conhecer

Nova versão do sistema operacional para computadores tem aplicativos de Android, novo design e Microsoft Teams melhorado; confira

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies