Menu
2020-01-23T08:18:07-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Prévia da inflação calibra expectativas por novo corte na Selic

Antes da pausa para o feriado, as bolsas chinesas fecharam em baixa acentuada, refletindo o temor com o surto do novo vírus no país

23 de janeiro de 2020
7:52 - atualizado às 8:18
Inflação
Imagem: Shutterstock

Mesmo com os investidores ainda acompanhando de perto o desenrolar da situação envolvendo o coronavírus na China, a agenda econômica volta a ficar em destaque no Brasil, com a divulgação do IPCA-15.

A prévia da inflação oficial ajuda o mercado a recalibrar as expectativas pelas decisões do Copom. Os analistas esperam que o IPCA-15 desacelere de 1,05% a 0,70%.

O inflação e a atividade doméstica com uma recuperação mais lenta do que o esperado faz os investidores reverem suas apostas para a Selic. Muitos acreditam que o BC pode deixar de lado a 'cautela' e realizar mais um corte da taxa básica de juros em fevereiro. Os possíveis impactos de uma epidemia na China também devem ser levados em conta.

Agenda

O ministro da Economia Paulo Guedes segue com a sua participação no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Enquanto isso, no Brasil, o governo divulga a arrecadação de dezembro.

Lá fora, o Banco Central Europeu (BCE) divulga hoje sua política monetária. A expectativa é de que o juros se mantenha no atual patamar, mas que Christine Lagarde sinalize mudanças na estratégia de condução do órgão.

Nos Estados Unidos, o dia é marcado pela divulgação dos números da atividade industrial.

Boletim médico

E o mercado continua monitorando com atenção os desdobramentos do surto de coronavírus na China. O vírus, que se originou na cidade de Wuhan já infectou mais de 570 pessoas. Ao menos 17 mortes foram registradas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) decide hoje se será declarado situação de emergência. A transparência e rapidez da China em atuar no caso tem servido como tranquilizante e chegou a injetar ânimo nas bolsas ontem.

Amanhã começam as celebrações do feriado do Ano Novo Lunar, que vão manter os mercados chineses fechados por uma semana. A expectativa é de que milhões de pessoas viajem , aumento os temores de disseminação da doença.

Na véspera da pausa, o principal índice do país, o Xangai Composto, caiu 2,75%. Já o Shenzen Composto teve queda de 3,45%. O restanta do mercado asiático também encerraram o pregão com perdas fortes.

As preocupações com o vírus também deixam as bolsas europeias no vermelho. Os índices futuros em Nova York rondam a estabilidade.

Dia de recuperação

Ontem os mercados viveram um dia de correção depois das perdas acumuladas na semana. Impulsionado pelo noticiário corporativo, o Ibovespa fechou em alta forte de 1,17%, aos 118.391,36 pontos. O dólar também teve um dia mais calmo e caiu 0,71%, a R$ 4,1753.

Caminhando

O Brexit já tem data para acontecer. O Parlamento Britânico finalmente deu o seu aval e a saída do Reino Unido da União Europeia está marcada para o dia 31 de janeiro.

Agora, eles aguardam a sanção da Rainha Elizabeth II e a aprovação no Parlamento Europeu, que deve votar a matéria na próxima quarta-feira.

Noticías do Planalto

Rodrigo Maia está otimista e acredita que a Comissão Mista para a reforma tributária deve ser instalada na primeria semana de fevereiro, com a aprovação da matéria ainda no primeiro semestre.

No STF, o ministro Fux suspendeu a criação do juiz de garantias por tempo indeterminado. O veto vai contra as decisões do presidente Jair Bolsonaro e derruba a determinação do presidente do Supremo.

Fique de olho

  • Eletrobras iniciou emissão de até US$ 1,75 bilhões de titulos no exterior.
  • A Odebrecht deve adiar por mais 30 dias a sua assembleia de credores para aprovação do plano de recuperação judicial. O motivo seria um impasse envolvendo o BNDES, maior credor entre os bancos públicos.
  • A Verde Asset passou a deter 3,30% de ações da Cia Hering.
  • Carrefour registrou vendas consolidadas de R$ 17,6 bilhões no 4º trimestre. Vendas brutas cresceram 11,4%.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

VAREJO COMPETITIVO

Fast Shop aposta em conceito ‘luxo’ contra gigantes

Segundo presidente da empresa, expansão em 2020 deve ser de 15% a 20%, elevando a receita do negócio para próximo (ou além) de R$ 5 bilhões

Exile on Wall Street

Tempos modernos, vícios antigos

A indústria ainda tem muito a evoluir no sentido de democratizar produtos eficientes e boas práticas que permitam ao investidor comum internacionalizar sua carteira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies