Menu
2020-01-22T18:44:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

22 de janeiro de 2020
18:44
Ibovespa cartas baralho
Imagem: Shutterstock

As sessões do Ibovespa e do dólar à vista costumam ser pautadas por alguns grandes temas. Em geral, o exterior, a agenda econômica doméstica e o cenário político do país costumam ditar o ritmo das negociações — e, muitas vezes, esses assuntos se combinam num mesmo dia.

Ainda há um quarto fator, que acaba ficando meio de lado: o noticiário corporativo. Mas, em meio à relativa tranquilidade nas outras três esferas nesta quarta-feira (22), o front empresarial foi responsável por dar as cartas para a bolsa brasileira — e a mão foi positiva para os investidores.

O resultado pode ser visto no desempenho do Ibovespa: o principal índice da bolsa brasileira fechou em alta de 1,17%, aos 118.391,36 pontos — muito mais forte que o Dow Jones (-0,03%), o S&P 500 (+0,03%) e o Nasdaq (+0,14%).

O otimismo doméstico, somado à calmaria no exterior, também deu ânimo ao mercado de câmbio: após chegar a R$ 4,20 na sessão passada, o dólar à vista terminou em queda de 0,71%, a R$ 4,1753.

Foram diversos os focos de animação na bolsa. As siderúrgicas tiveram um dia particularmente agitado, reagindo ao panorama de preços para o setor; a Eletrobras reagiu à visão mais otimista de uma grande instituição financeira; os frigoríficos caíram com notícias desanimadoras vindas da China; e as construtoras continuaram em foco, com mais prévias operacionais.

Aço mais caro

O destaque positivo da sessão foi Usiminas PNA (USIM5), que disparou 13,93%, a R$ 10,88, em meio às notícias de que as siderúrgicas planejam uma nova alta de 10% nos preços dos aços longos para a rede de distribuição doméstica — e a Usiminas estaria encabeçando esse movimento.

Essa seria a segunda elevação em 2020, já que, em janeiro, as companhias do setor já haviam implantado uma alta de 10% nos aços planos. E, segundo o Bradesco BBI, há espaço para que esse novo aumento seja levado adiante, já que o produto doméstico ainda é negociado com desconto em relação aos importados.

Tal cenário mais benéfico para as siderúrgicas fez com que o Bradesco BBI mudasse seu posicionamento no setor. Agora, a instituição aponta as ações da Usiminas como 'top pick' no segmento na América Latina, superando a Gerdau, cujos papéis PN (GGBR4) avançaram "apenas" 1,24% hoje.

CSN ON (CSNA3) também teve um desempenho forte, subindo 6,96% — segundo o Valor Econômico, a empresa pretende seguir os passos da Usiminas e promover altas de 10% em março.

Quanto vale a Eletrobras?

Quem também subiu forte nesta quarta-feira foram as ações da Eletrobras: as ONs (ELET3) fecharam em alta de 5,59%, a R$ 41,78, enquanto as PNBs (ELET6) avançaram 4,28%, a R$ 42,42.

Tudo isso porque, mais cedo, o Itaú BBA reiniciou a cobertura para os papéis ON da estatal com recomendação 'outperform' (desempenho acima da média) e preço-alvo de R$ 56 para o fim do ano.

Em relatório, a equipe liderada pelo analista Marcelo Sá aponta um "balanço muito atrativo" entre o risco e o retorno, com grande potencial de ganho caso a estatal seja privatizada. Por outro lado, caso o governo federal desista da venda da companhia, a instituição diz ver pouco espaço para uma desvalorização dos papéis.

Klabin fecha parceria

Ainda no campo positivo, destaque para as units da Klabin (KLBN11), em alta de 5,29%. Nesta manhã, a companhia fechou uma parceria com uma Timber Investment Management Organization (TIMO) para explorar atividades florestais no estado do Paraná, numa área que engloba 27 mil hectares.

Também no setor de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) aproveitou o embalo e avançou 5,04%.

Preocupação nos frigoríficos

Na ponta negativa do Ibovespa, destaque para Marfrig ON (MRFG3), em baixa de 2,02%, e JBS ON (JBSS3), com perda de 0,13%. Segundo o Valor Econômico, a China renegociou contratos de importação de carne bovina brasileira, pressionando as margens de ganho das empresas.

MRV eclipsada

Outro destaque do Ibovespa foi MRV ON (MRVE3), que ainda conseguiu fechar em alta de 0,74%, após passar boa parte do pregão em baixa — parte do mercado aponta que a Direcional e a Tenda, duas de suas rivais no segmento de baixa renda, apresentaram números operacionais melhores no quarto trimestre deste ano.

Fora do índice, Tenda ON (TEND3) subiu 1,32% hoje e já acumula alta de 27,5% no ano; Direcional ON (DIRR3) caiu 2,24%, mas tem ganhos de 16,1% em 2020 — a companhia reportou seus dados operacionais na semana passada. MRV ON, por sua vez, sobe apenas 1,21% neste ano.

Juros seguem em queda

O alívio no dólar à vista deu sustentação a mais uma queda nas curvas de juros — os DIs tendem a reagir de maneira mais intensa aos números de inflação pelo IPCA-15, a serem divulgados amanhã (23), já que o dado deve calibrar as apostas num eventual novo corte da Selic.

Veja abaixo como ficaram as curvas mais líquidas nesta quarta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,39% para 4,34%;
  • Janeiro/2023: de 5,60% para 5,54%;
  • Janeiro/2025: de 6,34% para 6,30%;
  • Janeiro/2027: de 6,73% para 6,70%.

E o exterior?

Lá fora, o dia foi de relativa calmaria. Apesar de o noticiário referente à disseminação do coronavírus continuar inspirando cautela, os investidores conseguiram assumir uma postura mais calma nesta quarta-feira, corrigindo eventuais excessos cometidos no pregão anterior, em que quase todas as bolsas do mundo caíram.

Assim, os mercados acionários da Ásia terminaram o dia no azul, enquanto as bolsas dos EUA ficaram perto do zero a zero.

Top 5

Veja os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • Usiminas PNA (USIM5): +13,93%
  • CSN ON (CSNA3): +6,96%
  • B3 ON (B3SA3): +6,26%
  • Eletrobras ON (ELET3): +5,59%
  • Klabin units (KLBN11): +5,29%

Confira também as maiores quedas do índice no momento:

  • Hypera ON (HYPE3): -2,49%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,02%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): -1,69%
  • Cemig PN (CMIG4): -1,12%
  • Petrobras PN (PETR4): -1,11%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pandemia

Brasil registra 11.130 casos de coronavírus e 486 mortes

Foram mais de 800 novos casos confirmados entre sábado e domingo; em 24 horas, outras 54 mortes por causa do coronavírus foram constatadas no país

Crise do coronavírus

Bradesco oferecerá financiamento para pequenas empresas pagarem salários

O Bradesco, primeiro grande banco a anunciar a oferta do crédito emergencial, espera que a medida beneficie até 1 milhão de trabalhadores

Crise do coronavírus

O que os líderes podem fazer em meio à pandemia? Para Bill Gates, há três passos fundamentais

O bilionário Bill Gates listou algumas medidas que julga essenciais para que governos e lideranças políticas possam combater de maneira mais eficaz o surto de coronavírus

Pesquisa Datafolha

59% são contra e 37% a favor da renúncia de Bolsonaro em meio à pandemia

Um levantamento do Datafolha, divulgado neste domingo, 5, mostra que 59% dos brasileiros são contra uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia pela covid-19. Outros 37% são a favor, conforme vem sendo pedido por políticos da oposição. Outros 4% não sabem dizer. Para apenas 33% dos entrevistados, a gestão da […]

LIÇÕES PARA O SEU DINHEIRO

Recomendações de leitura para um investidor em quarentena

Três livros para você sobreviver ao isolamento e sair deste furacão como um investidor ainda melhor.

O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements