Menu
2020-03-18T08:19:50-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Mercados ficam no vermelho em dia de decisão do Copom

Atuação emergencial dos governos não sustenta recuperação dos mercados por muito tempo e as bolsas globais voltam ao campo negativo

18 de março de 2020
8:06 - atualizado às 8:19
Ibovespa mercados em queda
Imagem: Shutterstock

Hoje é dia de saber se o Banco Central brasileiro será o próximo BC a agir em uma tentativa de conter o avanço do coronavírus na economia.

O coronavírus no horizonte e as atuações extraordinárias do Federal Reserve nas últimas duas semanas fizeram o juros DI afundar. Os analistas estão divididos sobre quais devem ser os próximos passos do BC para estimular a economia e proteger o câmbio

Uma série de instituições já revisam o crescimento da economia brasileira cada vez mais para baixo. Resta saber se um novo corte na Selic será a medida escolhida para estimular a atividade local.

Os investidores seguem observando de perto os desdobramentos do coronavírus, que parece longe de estar controlado.

A atuação do Federal Reserve, que reservou um um pacote emergencial cerca de US$ 1 trilhão para a economia, ajudou as bolsas globais a se recuperarem. Em Nova York, Dow Jones, S&P e Nasdaq subiram mais de 5%.

Além disso, no Brasil, o governo também se movimentou. O ministro Paulo Guedes anunciou um pacote de até R$ 147,3 bilhões para conter os impactos da doença. No Brasil, o Ibovespa também teve uma breve recuperação e fechou em alta de 4,85%, aos 74.617,24 pontos.

No Brasil, já são 291 casos e duas mortes confirmadas - 162 deles no estado de São Paulo. No mundo todo já são quase 82 mil infectados. O governo pederal vai pedir que se decrete estado de calamidade pública no país. Assim, a União fica dispensada de cumprir a meta fiscal.

Durou pouco

A tendência de altos e baixos vista nas últimas semanas continua e temos mais um dia que promete ser difícil para os investidores.

Em mais um pregão de forte turbulência, as bolsas asiáticas fecharam em baixa, após terem iniciado o pregão no campo positivo, acompanhando o desempenho de Wall Street - tanto o pregão de ganhos expressivos, quanto a virada dos índices futuros para o campo negativo.

No Japão, o destaque ficou com os papéis da companhia Fujifilm Holdings, após uma autoridade chinesa declarar que um dos medicamentos da empresa, o Avigan, poderia ajudar pacientes com coronavírus. Mas, o índice Nikkei renovou a mínima de novembro de 2016.

Mesmo com pacotes de medidas liberados por diversos países europeus, as bolsas do velho continente também não conseguem manter a estabilidade e operam no negativo.

O medo dos investidores é que os pacotes de medidas anunciadas pelos governos sejam insuficientes para lidar com os estragos causados pelo Covid-19.

Em Nova York, a tendência de alta foi revertida durante a madrugada e os índices futuros amargam fortes perdas. Os índices chegaram a atingir o limite de baixa e as negociações foram interrompidas.

Descendo mais

O petróleo enfrenta mais um dia de forte queda. Por volta das 7h40, o Brent era negociado a US$ 27,84, uma queda de 3,50% que fez o barril ser cotado ao valor mais baixo desde 2003. O WTI tem queda de 5,96%

Assim, os ADRs da Petrobras registravam forte queda em Nova York pela manhã, caindo cerca de 8,52%.

Agenda

Além do olho no Copom, que será divulgado 18h30, os investidores também possuem outros indicadores e eventos para analisar.

O Banco Central fará um novo leilão de linha, em uma oferta de US$ 2 bilhões. A entidade também divulga o fluxo cambial semanal (14h30).

Lá fora, temos a balança comercial da zona do euro de janeiro e o CPI de fevereiro.

SOS

Com as empresas aéreas sofrendo pesadas baixas no meio da crise gerada pelo coronavírus, o presidente informou que medidas para auxiliar as empresas estão 'na pauta'. A fala surge após o ministro Paulo Guedes afirmar em entrevista à CNN que o governo não tem obrigação de ajudar as companhias.

Dinheiro no bolso

Diversas empresas anunciaram o pagamento de juros sobre capital próprio. Confira

  • Romi irá pagar juros sobre capital próprio de R$ 0,50 por ação, cerca de R$ 31,428 milhões.
  • Weg aprovou pagamento no valor de R$ 63,420 milhões, cerca de R$ 0,030 por ação.
  • Sul América fará pagamento no valor de R$ 0,68 por ação ordinária.

Fique de olho

  • Hidrovias do Brasil adiou a sua oferta de ações devido ao cenário incerto do mercado.
  • Ex-diretor de RI da Marfrig, José Eduardo Miron, irá pagar R$ 300 mil à CVM em decorrência de processo sobre a falta de informação sobre a venda da Keystone.
  • BR Properties é mais uma empresa que aprovou plano de aquisição de ações. A quantida deve ser de 4 milhões de ações ordinárias, a preço de mercado.
  • Shoppings procuram alternativas para conter o avanço do coronavírus. A Alshop recomendou que os estabelecimentos reduzam o horário de funcionamento. Alliansce Sonae também seguiu a mesma instrução e sugeriu diminuir a capacidade dos restaurantes para cerca de 30%. A Multiplan também quer que os horários sejam reduzidos.
  • Ambev irá produzir e distribuir 500 mil unidades de álcool em gel nos hospitais de SP, DF e Rio de Janeiro
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, melhor do que o esperado

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Balanço

Bradesco supera projeções e tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre

O resultado do segundo maior banco privado brasileiro ainda é 23,1% menor que o do mesmo período de 2019, mas representa um avanço de 29,9% no trimestre

de olho na retomada

Para secretário, inflação não preocupa, é problema concentrado e transitório

Adolfo Sachsida reafirmou que a regra do teto de gastos será respeitada pelo governo

manutenção

Banco Central mantém Selic em 2% ao ano e continua a indicar juros parados no futuro

Apesar de deterioração do ambiente de reformas e alta da inflação no curto prazo, BC ainda não avalia necessidade de alta de juros. Um novo corte, no entanto, é difícil. Enquanto isso, mensagem sobre risco fiscal ganha força, segundo economista

NOS EUA

Queda das bolsas poderia levar Trump a negociar pacote, diz Nancy Pelosi

Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos voltou a demonstrar otimismo sobre a perspectiva de mais estímulos fiscais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies