Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-17T18:11:29-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Leve alívio

Ibovespa sobe com ações mais enérgicas dos governos, mas não consegue ultrapassar os 75 mil pontos

O Ibovespa e as bolsas globais fecharam em alta, de olho nas iniciativas globais para barrar o avanço do coronavírus e conter os impactos à economia. A situação, contudo, segue preocupante

17 de março de 2020
18:01 - atualizado às 18:11
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Quando li o livro "1929: Quebra da bolsa de Nova York", escrito pelo mestre Ivan Sant'Anna, uma análise do comportamento de Wall Street nos meses anteriores ao crash me chamou a atenção. Os mercados americanos entraram numa tendência de 'lower highs, higher lows' — algo como 'máximas menores, mínimas maiores'.

Ou seja: mesmo quando as bolsas começaram a cair, essa baixa não ocorria em linha reta, com quedas firmes sendo sucedidas por sessões mais tranquilas e otimistas.

No entanto, para cada dia ligeiramente positivo, havia uma sessão com baixas expressivas, de modo que os pregões de recuperação nunca apagavam as perdas do passado — e o saldo final ia ficando cada vez pior.

Veja bem: eu não estou tentando comparar o momento atual com a crise de 1929. A dinâmica do surto de coronavírus, a estrutura de organização da economia global, a maturidade dos mercados financeiros — tudo é absolutamente diferente do cenário visto no crash.

Mas é impossível não notar que o Ibovespa está repetindo esse comportamento de 'lower highs, higher lows'. Há sessões de alta — como a desta terça-feira (17), em que o índice subiu 4,85%, aos 74.617,24 pontos —, mas elas nem de longe conseguem interromper o viés de baixa.

Para entender melhor o conceito, eu fiz um gráfico mostrando o comportamento do Ibovespa desde o início de março. Veja que as altas nunca o recolocam no patamar anterior, apenas ficando pelo caminho; as baixas, contudo, vão empurrando o índice cada vez mais para baixo:

Os mercados globais também têm mostrado comportamento semelhante. A sessão de hoje foi marcada por uma recuperação dos índices da Europa e dos Estados Unidos — o Dow Jones subiu 5,20%, o S&P 500 avançou 5,99% e o Nasdaq teve alta de 6,23%. São ganhos que, em condições normais, encheriam os olhos.

No entanto, as condições estão muito longe da normalidade: vale lembrar que, apenas ontem, o Dow Jones caiu 12,93%, o S&P 500 teve perda de 11,98% e o Nasdaq fechou em baixa de 12,32%.

Novamente: não estou prenunciando qualquer tipo de colapso ainda mais acentuado dos mercados no futuro. Apenas estou alertando que a alta vista hoje não necessariamente sinaliza o início de uma retomada — especialmente em circunstâncias tão incertas quanto as atuais.

E o próprio mestre Ivan Sant'Anna — que infelizmente está confinado após retornar de uma viagem do exterior — também alerta para algo semelhante. Leia aqui a análise dele.

Ações enérgicas

Os investidores recebem bem as últimas iniciativas dos governos mundiais para tentar conter o avanço do coronavírus. Nos Estados Unidos, por exemplo, o governo Trump tem anunciado desde ontem pacotes de estímulo econômico e iniciativas para fortalecer o sistema de saúde do país.

Obviamente, a percepção de que a economia global será afetada fortemente não se dissipou com essas medidas, mas a postura diferente dos EUA — até agora, o alto escalão da Casa Branca mostrava certo desdém com o coronavírus — foi bem recebida pelo mercado.

Nesta terça-feira, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deu mais um passo em direção ao auxílio da economia, anunciando um programa de US$ 10 bilhões para reforçar a disponibilidade de crédito para famílias e empresas.

  • Eu gravei um vídeo para comentar esse movimento de recuperação visto nas bolsas globais. Veja abaixo:

No Brasil, também tivemos o lançamento de medidas de estímulo econômico. Ontem, o ministro Paulo Guedes anunciou um pacote de até R$ 147,3 bilhões para conter os impactos da doença, dos quais R$ 83,4 bilhões serão destinados à população mais vulnerável aos efeitos da crise.

Vale ressaltar que, dadas as fortes quedas vistas nas bolsas globais desde a semana passada, os níveis de preços de muitas ações caíram muito, o que naturalmente atrai investidores. E, considerando o noticiário mais animador, há quem opte por aumentar ligeiramente a posição em bolsa, apostando numa recuperação mais adiante.

No entanto, o bom desempenho visto nas bolsas globais nesta terça-feira não neutraliza as perdas relevantes contabilizadas ontem e na semana passada. Apenas no pregão de segunda-feira (16), o Ibovespa despencou quase 14%.

Mesmo com esse viés mais otimista visto hoje, a pandemia de coronavírus continua em primeiro plano para os mercados globais e ainda gera enorme preocupação. No mundo todo, já são mais de 7,8 mil mortos e cerca de 195 mil contaminados.

Além disso, tivemos hoje a confirmação da primeira morte por causa da doença no Brasil. Assim que a informação foi veiculada, a bolsa passou por um momento de instabilidade e chegou, inclusive, a aparecer no campo negativo. No entanto, levando em consideração o tom mais ameno visto lá fora, o Ibovespa conseguiu se recuperar.

Alívio no dólar, mas nem tanto

Após disparar quase 5% na sessão passada, o dólar à vista conseguiu algum alívio nesta terça-feira (17). A moeda americana até chegou a aparecer abaixo do nível dos R$ 5,00 no momento de maior calmaria, mas não conseguiu se sustentar nesses patamares.

Ao longo da sessão, a moeda americana oscilou entre os R$ 4,9610 (-1,81%) e os R$ 5,0857 (+0,66%) — um novo recorde nominal, em termos intradiários. Ao fim do dia, a divisa era negociada a R$ 5,0087, em baixa de 0,86%.

Analistas e operadores de câmbio destacam que houve uma certa correção no mercado de dólar, considerando a forte valorização da moeda americana na sessão passada e nos últimos dias. E esses ajustes foram desencadeados pela postura mais enérgica dos governos no combate ao surto de coronavírus.

Vale lembrar, ainda, que o BC promoveu um leilão de linha de até US$ 2 bilhões mais cedo, de modo a trazer algum alívio à moeda americana — iniciativa que foi eficaz para conter uma nova escalada da divisa americana.

Indecisão

Por aqui, os investidores continuaram apreensivos quanto ao futuro da Selic, em meio à postura agressiva do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Desde o início do mês, a autoridade dos EUA cortou os juros do país de maneira extraordinária em duas ocasiões, derrubando as taxas ao nível entre 0% e 0,25% ao ano.

Dada a influência do BC americano e de movimentos recentes por parte de outras autoridades monetárias do mundo, há a expectativa quanto a um corte semelhante por parte do Copom — a reunião que decidirá o futuro da Selic ocorrerá amanhã (18).

Muitos, inclusive, apostavam que o Copom também mexeria na Selic de forma extraordinária, o que não se concretizou. O argumento global para esse novo ciclo de alívio nos juros é o fornecimento de estímulo à economia, num esforço para reduzir os impactos do surto da doença.

No entanto, há quem acredite que mais cortes de juros não surtirão o efeito desejado, uma vez que a crise do coronavírus cria um gargalo na oferta, e não na demanda. Além disso, há a questão da cotação do dólar: mais reduções na Selic fatalmente trarão ainda mais pressão ao câmbio.

No front das curvas de juros, os vencimentos mais curtos continuaram em baixa, evidenciando que o mercado está convencido de que o BC irá sim cortar a Selic. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 3,84% para 3,60%;
  • Janeiro/2022: de 4,92% para 4,45%;
  • Janeiro/2023: de 5,93% para 5,38%;
  • Janeiro/2025: de 7,08% para 6,59%.

Top 5

Saiba quais foram as cinco maiores altas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
RAIL3Rumo ON16,60+14,01%
CRFB3Carrefour Brasil ON19,80+12,50%
COGN3Cogna ON5,91+11,72%
NTCO3Natura ON27,84+11,36%
BBSE3BB Seguridade ON26,67+10,76%

Confira também as maiores baixas do índice no momento:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
SMLS3Smiles ON16,56-7,74%
VVAR3Via Varejo ON7,04-6,88%
CVCB3CVC ON9,95-4,33%
SULA11SulAmérica units30,58-3,69%
GOLL4Gol PN7,78-3,24%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mais uma na lista

Fila de espera da B3 volta a crescer com registro de pedido de IPO da Ammo Varejo na CVM

A empresa, especializada em produtos de cama, mesa e banho, possui licença de uso da Artex, além de deter as marcas MMartan e Casa Moysés

Olimpíadas da bolsa

Ibovespa acima dos 140 mil pontos? Para a maioria dos assessores da XP, isso deverá ocorrer ainda em 2021

A pesquisa entrevistou profissionais do ramo para obter a visão dos assessores e, principalmente, dos seus clientes sobre os rumos da bolsa brasileira

Um olho no peixe...

EUA: Casa Branca comemora avanço do PIB no 2º trimestre, mas alerta para incertezas econômicas

O governo defendeu sua proposta de investimentos em infraestrutura como instrumento importante para manter o ritmo de crescimento

roxinho com mais crédito

Nubank promete aumentar limite em cartão de crédito de 35 milhões de clientes

Segundo a companhia, até o final de 2021, 10 milhões de clientes serão impactados pela novidade do cartão; três milhões em agosto

A vida depois da pandemia?

Ações da Multiplan sobem 5% após balanço que mostra recuperação dos shoppings

Resultados mostram avanço nas vendas e nas receitas de aluguel, à medida que a vacinação avança e os shoppings reabrem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies