Menu
2020-02-13T08:35:35-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Mercados hoje

Fala de Guedes e avanço do coronavírus ecoam no mercado

Para o ministro da Economia, R$ 4 é o novo normal para a moeda americana. As falas de Guedes se somam aos novos números do coronavírus que chegam da China

13 de fevereiro de 2020
8:01 - atualizado às 8:35
Entrevista coletiva do ministro da economia, Paulo Guedes
Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Tudo parecia estar se acomodando com relação nos mercados.

As noticías de que a propagação do coronavírus estava diminuindo de ritmo e deveria chegar a seu ápice no fim de fevereiro acomodaram o mercado acionário global no campo positivo nos últimos dias.

Mas, em mais uma reviravolta digna do ano de 2020, o cenário mudou da noite para o dia.

A província de Hubei, epicentro da epidemia do novo coronavírus, relatou um grande aumento nos números de novos casos após um ajuste na metodologia de contagem. Foram mais de 14 mil casos confirmados somente ontem.

A doença já foi responsável por 1.367 mortes e mais de 59 mil casos confirmados.

A situação aumenta a desconfiança dos investidores quanto a real gravidade da situação e do impacto que o surto da doença pode ter na economia chinesa.

Reação

A reviravolta no boletim médico fez as bolsas asiáticas interromperem a sequência de alta e fecharem em baixa generalizada.

Wall Street foi protagonista de mais um dia positivo para os mercados acionários globais, registrando mais um recorde triplo. Mas a situação deve seguir outro caminho hoje, com os índices futuros das bolsas americanas indicando um dia negativo.

Na toada de Nova York, o Ibovespa teve alta de 1,13%, aos 116.674,13 pontos e reverteu as perdas do ano.

Alta pressão

Se o dia foi de alívio para a bolsa, que reverteu as perdas do mês, o dólar não pode dizer a mesma coisa.

A moeda americana emplacou o quinto recorde consecutivo de fechamento, após alta de 0,57%, chegando a R$ 4,3510. O dólar já acumula ganhos de 8,46% em 2020.

Enquanto outras moedas emergentes tiveram um dia de valorização, o dólar destoou da tendência geral. É que os dados do varejo de dezembro vieram mais fracos do que o esperado, aumentando a desconfiança dos investidores quanto à recuperação da atividade doméstica.

Ontem a noite, o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou sobre a nova realidade do câmbio e defendeu o dólar a R$ 4 e o juro a 4%. Para o ministro, "“é melhor um dólar a R$ 4 e um juro a 4%, do que um câmbio a R$ 1,80 e o juro de 14%”."

A fala de Guedes pode afetar o humor do câmbio hoje e se junta às novas declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que uma aversão global ao risco, ocasionado pelo avanço do coronavírus, pode fazer a moeda americana escalar ainda mais.

Reforma tributária

Além de discorrer sobre a situação do câmbio, Guedes também aproveitou para dizer que a equipe econômica enviará a proposta de reforma tributária ao Congresso nas próximas duas semanas.

O texto trata da primeira parte da proposta, a que regulamenta a criação do IVA (Imposto sobre Valor Agregado) dual.

Balanços

Hoje o Banco do Brasil divulgou o seu resultado pela manhã. O banco estatal reportou um lucro de R$ 17,8 bilhões no ano passado - um aumento de 32%.

Confira alguns dos resultados divulgados ontem:

  • Lucro da Suzano caiu 60,7% no 4º trimestre e foi de R$ 1,175 bilhão. A receita líquida somou R$ 7,049 bilhões no período, uma queda de 3%.
  • O lucro recorrente da Duratex atingiu R$ 157,7 milhões no último trimestre de 2019, avanço de 4,3%. A receita cresceu 9,1% e totalizou R$ 1,378 bilhão
  • A Totvs reverteu o seu prejuízo e informou um lucro líquido de R$ 65,3 milhões no último trimestre.O Ebitda teve alta de 40,5%, indoa a R$ 109,263 milhões.
  • O Banco Inter reportou um crescimento de 16,4% no seu lucro líquido, indo a R$ 81,6 milhões em 2019.

Notícias do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro convidou o general Walter Braga Netto para assumir a posição de Onyx Lorenzoni na Casa Civil.

O ministério da Cidadania irá acomododar a nova posição de Lorenzoni.

Fique de olho

  • Unipar aprovou o cancelamento de ações mantidas em tesouraria. Os papéis representam 4% do total de ações.
  • Justiça proibiu voto de bancos com garantias na recuperação judicial da Odebrecht.
  • A Caixa Econômica Federal anunciou nova taxa mínima de crédito imobiliário para Pessoa Jurídica
  • Assembleia Geral da Totvs irá deliberar sobre desdobramento de ações de 1 em 3
  • Conselho de administração da Duratex aprouvou pagamento de R$ 0,37 por ação por juros sobre capital próprio.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies