Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-09T08:48:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Com inflação no radar, recuperação das bolsas internacionais dita ritmo dos negócios

Alta do preço dos alimentos se tornou um problema para o governo, que tenta encontrar uma solução

9 de setembro de 2020
8:15 - atualizado às 8:48
A primeira onda de valorização da bolsa já passou, mas ainda dá tempo de surfar na segunda
Imagem: Shutterstock

Depois de três pregões negativos, marcados pela correção no preço das ações das empresas de tecnologia, os índices futuros em Nova York parecem ter se firmado em um movimento de recuperação das perdas recentes. O tom positivo dos negócios deixa de lado a frustração com o desenvolvimento de uma vacina para a covid-19 e impulsiona as bolsas europeias.

No Brasil, a grande pauta do dia é a inflação. Pela manhã temos a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial (9h). De olho na alta dos preços dos alimentos, o presidente Jair Bolsonaro deve se encontrar com o presidente da Associação Brasileira de Supermercados para discutir o problema.

Techs no controle

Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos a quarta-feira foi de volta do feriadão. Assim como na semana passada, o que pautou os mercados foi a queda das ações do setor de tecnologia em Nova York.

Pelo terceiro pregão consecutivo, a correção nos preços dos papéis das gigantes tecnologia arrastou os mercados globais para o vermelho. Desde quinta-feira, o índice Nasdaq já se desvalorizou cerca de 10%.

Por aqui, também pesou a queda do petróleo nos mercados internacionais. Com o cenário predominantemente negativo no exterior, o Ibovespa fechou o dia em queda de 1,18%, aos 100.050,43 pontos. O dólar encerrou a sessão em alta de 1,77%, a R$ 5,3650.

Inflação em pauta

A divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, é o destaque da agenda de divulgaçções do dia (9h). Segundo o Projeções Broadcast, a expectativa dos analistas é de um avanço de 0,25% em agosto. Em julho, o índice avançou 0,36%.

Nas redes sociais não se fala em outra coisa: a alta expressiva do preço dos alimentos nos supermercados. E é por isso que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro devem se encontrar hoje, às 14 horas, com o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), para discutir a alta dos preços dos alimentos. O governo estuda medidas para facilitar a importação de arroz e o presidente chegou a pedir que o lucro de alimentos seja 'próximo de zero'.

Frustração fica de lado

O novo tombo das bolsas americanas influenciou os negócios na Ásia, onde os principais índices do continente também recuaram.

Nesta manhã, no entanto, os índices futuros em Nova York indicam uma recuperação, com o Nasdaq chegando a subir mais de 2%, aparentemente deixando em segundo plano a notícia de que a vacina estudada pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, teve o seu teste paralisado para estudar um caso de reação adversa grave. As ações da farmacêutica, no entanto, caem quase 2%.

A recuperação em Wall Street também empolga os negócios na Europa. As principais bolsas do continente se recuperaram a medida que os índices em Nova York se firmaram no campo positivo.

Os investidores europeus estão atentos às negociações comerciais do Reino Unido com a União Europeia. Segundo o Financial Times, o governo britânico deve publicar uma legislação se se sobrepões ao acordo do Brexit. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, espera que o Reino Unido cumpra o acordo firmado em janeiro.

Agenda

Nos Estados Unidos, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, participa de evento virtual (12h). Antes, serão conhecidos os números do relatório de empregos Jolts (11h).

Fique de olho

Fique de olho

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior mantém fôlego mesmo com ‘Super Quarta’ e bolsa brasileira deve ficar de olho em precatórios e reforma do Imposto de Renda

A divulgação da política monetária do BC americano deve movimentar os negócios, enquanto no cenário local, a autoridade brasileira pode elevar ainda mais a Selic

Portfólio integrado

Vitreo vai permitir importação de investimentos de fundos para aplicativo de consolidação da carteiras e Real Valor

A corretora será a primeira a disponibilizar a integração automática com o aplicativo de sincronização de ativos

NO ÚLTIMO MINUTO

Unidade da Evergrande promete pagar em dia juros devidos para amanhã

Anúncio proporciona alívio em meio a temores de calote, mas ações da incorporadora seguem em queda na bolsa de Hong Kong

AINDA SEM ACORDO COM REPUBLICANOS

Na Câmara, democratas aprovam suspensão de teto de dívida nos EUA

Projeto segue agora para o Senado; aprovação é fundamental para evitar o chamado fechamento do governo, mas impasse coloca medida em risco

nova selic hoje

BC deve manter “plano de voo” e elevar taxa básica de juros em 1 ponto, para 6,25% ao ano; saiba o que esperar do Copom

Declaração recente de Campos Neto conteve apostas maiores que a de um ponto; crise hídrica e desaceleração da China podem aparecer em comunicado de decisão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies