Menu
2020-09-08T18:00:00-03:00
Ricardo Gozzi
Haja sal de frutas

Da fartura à ressaca: Ibovespa cai e dólar sobe acompanhando mais um dia indigesto em Wall Street

Bolsas voltam do feriado prolongado ainda sob o peso dos questionamentos ao nível dos preços de algumas ações, em especial as do setor de tecnologia

8 de setembro de 2020
17:56 - atualizado às 18:00
Homem prestes a tomar sal de frutas
Homem prestes a tomar sal de frutas - Imagem: LightField Studios/Shutterstock

Passado o susto inicial da pandemia, os mercados financeiros globais fartaram-se na liquidez colossal despejada pelos bancos centrais a partir de março. A liquidez é tamanha que o banquete aparentemente não vai terminar tão cedo.

Diante de tanta fartura, porém, não tem antiácido que resolva. De tempos em tempos uma ressaca vai acabar cobrando a conta.

Hoje foi um pouco assim. Terminado o feriado prolongado nas bolsas de São Paulo e Nova York, o indigesto desfecho da semana passada foi sucedido por uma desagradável ressaca nesta terça-feira.

Aversão ao risco domina volta do feriado

O Ibovespa retornou do feriado para mais uma sessão na qual os temores relacionados com a velocidade da retomada da atividade econômica global e os preços dos ativos inibiram o apetite por risco.

O recuo acentuou-se depois da abertura em Nova York, mas a bolsa brasileira acomodou-se perto da faixa dos 100 mil pontos e passou a oscilar em torno dela até fechar em queda de 1,18%, aos 100.050,43 pontos, sem sucumbir aos piores momentos da NYSE.

Em Wall Street, os índices Dow Jones, S&P-500 e Nasdaq fecharam em queda acentuada (-2,25%, -2.78% e -4,11%, respectivamente) pelo terceiro pregão seguido, dando continuidade ao declínio iniciado na semana passada em meio a uma aparente correção nos preços das ações do setor de tecnologia.

O recuo em Nova York continua sendo capitaneado pelo setor de tecnologia. Na semana passada, as cinco maiores empresas do mundo - Apple, Amazon, Microsoft, Google e Facebook - perderam cerca de US$ 392 bilhões em valor de mercado em apenas cinco dias.

A correção nos preços dos papéis das gigantes de tecnologia prossegue em um momento no qual participantes do mercado questionam se esses ativos não estariam caros demais. Em princípio, porém, o movimento é visto como uma realização de lucros à qual os preços ainda estão se ajustando.

Ações ligadas a commodities sob pressão

No Ibovespa, as ações ligadas a commodities passaram o dia sob o impacto da queda pronunciada dos contratos futuros de petróleo nos mercados internacionais em meio a temores de um novo avanço da pandemia de covid-19 sobre os Estados Unidos.

Logo em sua estreia no Ibovespa, os papéis ON da PetroRio (PRIO3) amargaram o pior desempenho do índice, recuando mais de 6%.

Os papéis do setor financeiro também cederam.

Na direção oposta, as ações do setor de telefonia subiram depois de a Oi ter confirmado Tim, Claro e Vivo com principais proponentes da compra de sua rede móvel.

Os papéis da Hapvida também se descolaram da tendência de queda depois de a operadora de saúde ter anunciado um pacote bilionário de aquisições.

Confira a seguir as maiores altas e baixas do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Azul PN (AZUL4) +6,79%
  • Localiza ON (RENT4) +5,87%
  • Iguatemi ON (IGTA3) +4,55%
  • BR Malls ON (BRML3) +4,34%
  • Multiplan ON (MULT3) +4,04%

MAIORES BAIXAS

  • PetroRio ON (PRIO3) -6,08%
  • Via Varejo ON (VVAR3) -3,97%
  • Petrobras ON (PETR3) -3,47%
  • IRB Brasil ON (IRBR3) -3,31%
  • Petrobras PN (PETR4) -2,88%

Dólar e juro

O dólar subiu ante a maior parte das moedas nesta terça-feira em mais um momento de forte aversão ao risco nos mercados financeiros globais.

Em meio a este cenário, o desempenho do real ante a divisa norte-americana figurou entre os piores do dia entre as moedas emergentes.

O dólar fechou em alta de 1,77%, cotado a R$ 5,3650.

Já os contratos de juros futuros acompanharam a alta do dólar ao mesmo tempo em que refletiram a percepção deixada pelo IGP-DI de alta nos preços do atacado bem acima do registrado no restante da economia.

Na avaliação do economista-chefe da Necton Corretora, André Perfeito, tais dados reforçam a percepção de que o Banco Central deve finalmente encerrar o ciclo de cortes na taxa Selic. Atualmente, a taxa de juro oficial no Brasil encontra-se no nível mais baixo da história.

Ainda de acordo com Perfeito, a disparidade entre os preços no atacado e para o consumidor "mostram a queda generalizada das margens de lucro da economia, o que por sua vez diminui o apetite empresarial por investimentos".

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,740% para 2,830%;
  • Janeiro/2023: de 3,900% para 4,040%;
  • Janeiro/2025: de 5,690% para 5,840%;
  • Janeiro/2027: de 6,640% para 6,790%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Aviação regional

Governo quer licitar cinco blocos de aeroportos na Amazônia Legal

Pontapé inicial será no Amazonas, onde o governo espera transferir para uma empresa a operação de oito aeroportos regionais em 2022

Reforma Tributária

Cresce resistência a “nova CPMF”

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, avisou a interlocutores que a criação do imposto dificilmente passará no Congresso

Reforma Tributária

Dúvida é adotar desoneração da folha horizontal ou vertical

Há consenso sobre desonerar as empresas de tributos sobre os salários de quem ganha até um salário mínimo, mas forma ainda está em discussão no Executivo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements