Menu
2020-01-09T08:15:57-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O que mexe com os mercados hoje?

Pronunciamento de Trump alivia os mercados e abre espaço para retomada do risco

Reação positiva ao pronunciamento de Trump deve influenciar os mercados. Por aqui, os investidores seguem cautelosos com o rumo que a Petrobras pode tomar com sua política de preços

9 de janeiro de 2020
7:58 - atualizado às 8:15
Donald Trump
Imagem: Shutterstock

Quem olha isoladamente a reação positiva dos índices futuros das bolsas de Nova York e o fechamento positivo das bolsas asiáticas na manhã desta quinta-feira (09) tem trabalho para imaginar o pânico que tomou conta dos mercados nos últimos dias com a escalada de tensão entre Estados Unidos e Irã.

Parece que os dois países não estão dispostos a travarem um conflito armado, e depois de dias de perdas no mercado acionário e a disparada de ativos de segurança como o ouro e o petróleo, os investidores voltam a ter estímulos para apostar no risco.

Ontem o que trouxe alívio aos mercados depois de uma madrugada agitada foi o tão aguardado pronunciamento do presidente americano e o aparente desejo dos países de evitar uma escalada militar na região.

Durante o pronunciamento, Trump evitou abrir espaço para uma nova ofensiva iraniana e anunciou novas sanções econômicas ao país, mas sem entrar em maiores detalhes.

O presidente americano também confirmou que o ataque não deixou mortos e apelou para que Reino Unido, Alemanha, Rússia e China se unam aos EUA para liquidar as ambições nucleares do Irã e auxiliar na busca da paz no Oriente Médio, mas não falou em um novo ataque bélico ao país persa.

A fala de Trump apaziguou os mercados, mas, mesmo diminuindo as perdas, o Ibovespa não conseguiu sair do campo negativo e fechou o dia o quarto dia seguido no vermelho, com em queda de 0,36%, aos 116.247,03 pontos. Já o dólar teve a primeira queda em quatro dias, recundo para a casa ds R$ 4,0518

Ruídos

As bolsas de Nova York ficaram próximas de fechar o dia nas máximas ontem, mas mísseis disparados na região da embaixada americana em Bagdá trouxe cautela aos investidores. Com a confirmação de que não houveram vítimas e que os países estão longe de quererem uma guerra, a situação se apaziguou.

Mudança de foco

Com a situação no Oriente Médio sob aparente controle, os investidores voltam a ficar de olho no desenrolar dos preparativos da cerimônia de assinatura do acordo de primeira fase entre Estados Unidos e China.

O Ministério de Comércio da China anunciou que a delegação será liderada pelo vice-ministro Liu He. A expectativa é de que o ministro do Comércio, o presidente do BC chinês, o Banco do Povo da China, e os vice-ministros de Finanças, de Agricultura e de Tecnologia da Informação também se unam à delegação que visitará a capital americana entre 13 e 15 de janeiro.

O acordo preliminar será assinado na próxima quarta-feira (15), às 9h30 do horário de Brasília.

Sob controle

Enquanto as bolsas voltam a subir e encostar nas máximas, commodities como o petróleo e o ouro se retraem.

Mesmo com uma acomodoção do preço do barril, a Petrobras continua sendo um foco de tensão. O ministro de Minas e Energia prometeu apresentar até março um mecanismo permanente que possa ser utilizado em casos de escalada no preço do petróleo para diminuir o impacto ao consumidor. O projeto começou a ser desenhado após o ataque de drones às refinarias da Saudi Aramco, em setembro.

Mas no mercado a dúvida que paira sobre o caminho a ser seguido pela estatal. A suspeita de intervenção estatal no valor do combustível continua causando desconforto nos investidores.

A queda no preço do petróleo beneficia o setor aéreo e fizeram Gol e Azul apresentarem avanços expressivos no pregão de ontem.

Agenda

Aqui no Brasil o dia é marcado pela divulgação da produção industrial de novembro e a primeira entrevista coletiva do ano de Roberto Campos Neto, presidete do Banco Central.

Lá fora, destaque para os discursos de três diretores do Federal Reserve com direito a voto: Richard Clarida, Neel Kashkari e John Williams. Ainda nos EUA serão conhecidos os números do auxílio-desemprego.

Fique de olho

  • Natura teve rating diminuido de BB para BB- pela agência S&P.
  • Magazine Luiza foi notificado pelo Procon após consumidores apresentarem queixas sobre o mega-saldão da varejista, chamado nas redes de #OutletMagalu
  • Consultoria Letter pediu a falência da Gafisa após a construtora não realizar pagamento de R$ 72 mil.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

No país do juro baixo

BTG, XP ou B3? Goldman Sachs aponta ação favorita para surfar crescimento do mercado de capitais

As três empresas estão entre as vencedoras do processo de desenvolvimento do mercado de investimentos no país. Mas a ação favorita dos analistas do banco norte-americano é a do BTG. Saiba por quê

balanço da crise

Abertura de novas empresas cai 23% no 2º trimestre, diz Boa Vista

Por setores, a pesquisa mostra que as empresas de serviços representaram 61,5% do total de novos negócios criados no segundo trimestre

Expansão recorde

PMI industrial sobe para 58,2% em julho ante 51,6 em junho, diz IHS Markit

O resultado ficou quase seis pontos acima do nível de junho, quando havia atingido 51,6, na série com ajuste sazonal

ajuste da estatal

Petrobras reduz preço de gás para distribuidoras em 48% em dólar e 35% em reais

Redução no preço reflete os novos contratos de venda com as distribuidoras em que o preço da molécula de gás está atrelado à variação do preço do petróleo no mercado internacional

novidades na bolsa

Eztec e PetroRio são novidades no Ibovespa, mostra prévia; Magazine Luiza aumenta participação

B3 ainda divulga mais duas prévias; renovação da carteira com as maiores ações do Ibovespa é válida entre setembro e dezembro, levando em conta os papéis mais negociados nos últimos 12 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements