Menu
2020-01-08T07:34:57-03:00
Tensão nos mercados

Bolsas da Ásia caem e petróleo sobe após ataque do Irã a bases militares dos EUA

A confirmação de um ataque militar promovido pelo exército iraniano contra uma base militar dos EUA no Iraque traz apreensão aos mercados. Temendo que as tensões no Oriente Médio atinjam um novo patamar, os investidores preferem ficar na defensiva – e a cautela já é sentida na sessão asiática

7 de janeiro de 2020
22:22 - atualizado às 7:34
Irã e Estados Unidos
Imagem: Shutterstock

Os mais recentes desdobramentos das tensões no Oriente Médio, com o Irã assumindo a autoria de ataques aéreos contra bases militares dos EUA no Iraque, trazem apreensão aos mercados financeiros.

As bolsas da Ásia fecharam o pregão em queda generalizada. O índice Nikkei, do Japão, caiu 1,57%, amenizando as perdas registradas ao longo do dia; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 1,11%; na China continental, o Xangai Composto recuou 1,22%.

Na Oceania, os índices da Austrália e da Nova Zelândia registraram quedas também, enquanto nos Estados Unidos os índices futuros amanhecem no negativo.

O mercado de commodities também mostra reações intensas ao noticiário. O petróleo WTI, depois de subir mais de 4%, por volta das 7h30 (horário de Brasília), avançava 0,16%.

No início da noite, duas bases americanas no território do Iraque foram atacadas por foguetes e mísseis. Pouco tempo depois, a TV estatal iraniana afirmou que a ação foi orquestrada pelo exército do país, numa retaliação à morte do general Qassim Suleimani.

Até agora, não há confirmações oficiais quanto a possíveis mortes em decorrência dos ataques. O Pentágono soltou apenas uma nota oficial, reconhecendo a ofensiva militar dos iranianos:

"O Irã lançou mais de uma dúzia de mísseis balísticos contra o exército americano e as forças de coalizão no Iraque", diz Jonathan Hoffman, representante do ministério da Defesa dos EUA, em nota oficial, afirmando que o Pentágono ainda está avaliando os danos e as medidas a serem tomadas daqui para frente.

Nesta terça-feira, os mercados assumiram um tom mais ameno em relação às tensões EUA-Irã, avaliando que, até o momento, os atritos mantinham-se apenas no campo da retórica.

No entanto, a ofensiva iraniana muda o panorama no Oriente Médio. O presidente americano, Donald Trump, prometeu reagir com força caso o Irã fizesse alguma movimentação militar – agora, resta saber qual será a reação do republicano. Trump deve fazer um pronunciamento ainda hoje.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements