Menu
2020-01-08T07:34:57-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Tensão nos mercados

Bolsas da Ásia caem e petróleo sobe após ataque do Irã a bases militares dos EUA

A confirmação de um ataque militar promovido pelo exército iraniano contra uma base militar dos EUA no Iraque traz apreensão aos mercados. Temendo que as tensões no Oriente Médio atinjam um novo patamar, os investidores preferem ficar na defensiva – e a cautela já é sentida na sessão asiática

7 de janeiro de 2020
22:22 - atualizado às 7:34
Irã e Estados Unidos
Imagem: Shutterstock

Os mais recentes desdobramentos das tensões no Oriente Médio, com o Irã assumindo a autoria de ataques aéreos contra bases militares dos EUA no Iraque, trazem apreensão aos mercados financeiros.

As bolsas da Ásia fecharam o pregão em queda generalizada. O índice Nikkei, do Japão, caiu 1,57%, amenizando as perdas registradas ao longo do dia; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 1,11%; na China continental, o Xangai Composto recuou 1,22%.

Na Oceania, os índices da Austrália e da Nova Zelândia registraram quedas também, enquanto nos Estados Unidos os índices futuros amanhecem no negativo.

O mercado de commodities também mostra reações intensas ao noticiário. O petróleo WTI, depois de subir mais de 4%, por volta das 7h30 (horário de Brasília), avançava 0,16%.

No início da noite, duas bases americanas no território do Iraque foram atacadas por foguetes e mísseis. Pouco tempo depois, a TV estatal iraniana afirmou que a ação foi orquestrada pelo exército do país, numa retaliação à morte do general Qassim Suleimani.

Até agora, não há confirmações oficiais quanto a possíveis mortes em decorrência dos ataques. O Pentágono soltou apenas uma nota oficial, reconhecendo a ofensiva militar dos iranianos:

"O Irã lançou mais de uma dúzia de mísseis balísticos contra o exército americano e as forças de coalizão no Iraque", diz Jonathan Hoffman, representante do ministério da Defesa dos EUA, em nota oficial, afirmando que o Pentágono ainda está avaliando os danos e as medidas a serem tomadas daqui para frente.

Nesta terça-feira, os mercados assumiram um tom mais ameno em relação às tensões EUA-Irã, avaliando que, até o momento, os atritos mantinham-se apenas no campo da retórica.

No entanto, a ofensiva iraniana muda o panorama no Oriente Médio. O presidente americano, Donald Trump, prometeu reagir com força caso o Irã fizesse alguma movimentação militar – agora, resta saber qual será a reação do republicano. Trump deve fazer um pronunciamento ainda hoje.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

futuro começou

Redes 5G começam a chegar ao Brasil, mas conexão ficará aquém do potencial

Popularização do acesso à nova tecnologia ainda vai levar de dois a três anos. Para isso se tornar realidade, é necessário acontecer o leilão de frequências da Anatel

Resultados da pandemia

Pandemia do coronavírus fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades, diz IBGE

Entre os setores, os serviços tiveram a maior proporção de empresas encerradas em definitivo

Mercado de juro futuro

Estrangeiro diminui posição ‘comprada’ em taxa de juro futuro

Posições líquidas são reduzidas pelo segundo dia seguido, segundo a B3

Exile on Wall Street

Café da Manhã dos Campeões: vá de carona nas Big Techs

Enquanto investidores, podemos ser deixados para trás ou podemos pegar uma belíssima carona exponencial, investindo nas Big Techs.

agora vai?

Appy diz acreditar que há ambiente político para aprovação de reforma tributária

Para o economista, o mais importante seria conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamento, considerada por ele “completamente injustificável”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements