Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-27T17:24:21-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Mercados hoje

Ibovespa perde 100 mil pontos em meio à cautela externa; dólar sobe com risco político e juros fecham em alta

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, acusa base do governo de obstruir reformas, alimentando risco político. Bolsas americanas fecham mistas; por aqui, ações do Santander tombam e puxam bancos, e queda de Ambev e JBS também pesam

27 de outubro de 2020
10:33 - atualizado às 17:24
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa foi arrastado para uma queda forte nesta terça-feira (27), em meio à cautela externa com falta de estímulos e novos casos de covid-19, e, também, o fim da trégua política.

A temporada de balanços corporativos locais, para a qual os investidores têm mantido expectativas positivas que fizeram o índice retomar os 100 mil pontos na semana passada, começa a ganhar força no Brasil e no exterior, mas não conseguiu se sobrepor.

As bolsas americanas fecharam com sinais mistos às vésperas das eleições, na esteira da indefinição sobre o pacote de estímulos.

O índice S&P 500 terminou caindo 0,3%, e o Dow Jones, 0,8%, refletindo balanços negativos de duas empresas componentes do índice, a Caterpillar e a 3M. Enquanto isso, o Nasdaq é o único que fechou no azul hoje, subindo 0,64%, com ajuda de ações de big techs que divulgam seus balanços nesta semana.

Em meio a este cenário misto em Nova York, o principal índice da bolsa brasileira até abriu apontando para cima, mas se firmou no campo negativo — e afundou.

Por volta das 17h05, o índice opera em queda forte de 1,43%, aos 99.567,65 pontos. Na mínima do dia, caiu 1,59%, para 99.413,93 pontos.

O dólar começou o dia também instável, tendo marcado queda de 0,3% mais cedo na mínima, para R$ 5,6005. No mesmo horário, no entanto, a moeda americana avança 1,11%, a R$ 5,6767.

Uma fala de Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, por volta das 15h20 azedou o humor dos investidores financeiros: ele acusou a base do governo Jair Bolsonaro de obstruir o andamento das reformas, reabrindo a divisão política.

Vale lembrar que o clima doméstico também é recheado de espera, já que os investidores aguardam a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros, que será anunciada amanhã, em meio à alta da inflação como indicado pelo IPCA-15 de sexta, embalada pelos preços de alimentos.

A Selic se encontra em seu piso histórico no momento, em 2% ao ano. Hoje, os juros futuros subiram, reagindo à alta do dólar e ainda às incertezas fiscais. Confira as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,96% para 1,95%
  • Janeiro/2022: de 3,39% para 3,44%
  • Janeiro/2023: de 4,84% para 4,93%
  • Janeiro/2025: de 6,57% para 6,67%

Santander arrasta bancos; Ambev, JBS e Petrobras também para baixo

O balanço do Santander local foi positivo, mas as ações têm queda forte de 4,7%, segunda maior baixa do Ibovespa.

O banco teve um lucro líquido gerencial de R$ 3,902 bilhões — uma alta de 82,7% se comparado ao trimestre anterior —, um valor muito acima da estimativa de mercado.

Os analistas que cobrem o banco, assim como o mercado, não questionam o quão positivo foram os números. No entanto, apresentam dúvidas sobre a sustentabilidade deles nos próximos trimestres.

Por isso, as ações dos bancos são arrastadas neste momento no índice: papéis ordinários (ON) e preferenciais (PN) do Bradesco caem 2,9% e 3%, e os PN do Itaú marcam perdas superiores 3%.

Os papéis ON de JBS caem 3,1%. Enquanto isso, os ON e PN de Petrobras também pesam, marcando quedas de 1,6% e 2,%, respectivamente. Ações ON da Ambev, outro peso-pesado da bolsa, também recuam fortemente, caindo 3,4% neste momento.

Os investidores também repercutem a nova aquisição anunciada pela Notre Dame Intermédica. As ações da empresa agora sobem 0,03%, enquanto as da Hapvida, do mesmo setor, têm ganhos de 0,4%.

Vale lembrar que o setor de saúde já havia se beneficiado ontem, após a mesma companhia anunciar uma outra aquisição.

Tanto Petrobras e Ambev são destaques de balanços nesta semana, já que divulgam seus resultados nos próximos dias.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda com susto de aumento de imposto e exterior negativo; dólar também recua

A medida pegou os investidores de surpresa e o vencimento de opções em Nova York coloca o exterior sob pressão

O melhor do seu dinheiro

Uma ação para lucrar com a crise hídrica, Bolsonaro eleva IOF, dividendos da Vale e outras notícias do dia

Não é de hoje que o Brasil sofre com risco de apagão e racionamento de energia. Em 2001, o país precisou recorrer a blecautes programados e obrigar famílias e empresas a economizarem energia elétrica sob pena de aumentos pesados na conta de luz. Quem viveu a época lembra bem das trocas de lâmpadas incandescentes por […]

Coluna do jojo

Bolsa hoje: dia de bruxaria nos mercados e um novo IOF para chamar de seu

Novo decreto presidencial aumentou as alíquotas do IOF sobre as operações de crédito para as pessoas físicas e jurídicas de 20 de setembro até 31 de dezembro. Se esta notícia é negativa e pode cair mal na bolsa nacional hoje, temos também a digestão da aprovação da PEC dos Precatórios

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: aumento de IOF pega investidor de surpresa e vencimento de opções no exterior deve movimentar bolsa hoje

O dia deve contar com alta volatilidade nos mercados internacionais, com o quadruple witching e o investidor fica de olho na nova medida do governo

PAPO CRIPTO #002

Por que o bitcoin (BTC) é uma coisa e as criptomoedas agora são outra, segundo o CFO da Ripio

VÍDEO: em entrevista ao Papo Cripto, o diretor financeiro da Ripio fala sobre o que ele espera das criptomoedas e os principais eventos que movimentaram o mercado esta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies