Menu
2020-02-27T14:14:00-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Efeito coronavírus

Gestores de fundos multimercados reduziram posições mais otimistas, diz pesquisa da XP

Dos gestores consultados pela corretora, 71% tomaram alguma medida de redução de exposição ou aumento de hedge (proteção) após o agravamento do surto do coronavírus

27 de fevereiro de 2020
14:13 - atualizado às 14:14
Coronavírus mercados bolsa
Imagem: Shutterstock

Os gestores de fundos multimercados reduziram as posições mais otimistas das carteiras ou aumentaram as proteções diante do agravamento do surto do coronavírus, de acordo com um levantamento realizado pela XP Investimentos.

Dos gestores consultados pela corretora, 71% tomaram alguma medida de redução de exposição ou aumento de hedge (proteção) até que o cenário fique mais claro. Outros 7% fizeram as duas coisas, ou seja, diminuíram as posições mais otimistas da carteira e ainda adicionaram proteções.

O grupo dos mais otimistas responde por apenas 22% do levantamento, dos quais 15% decidiram manter as posições mais otimistas e 7% aproveitaram o princípio de pânico que se instalou ontem nos mercados para aumentar a exposição.

Como diz o nome, os fundos multimercados podem adotar posições compradas ou vendidas em diferentes ativos, o que permite, em tese, lucrar em qualquer cenário.

Mas boa parte deles vinha aumentando as posições em bolsa diante da redução dos ganhos com a renda fixa. Algumas gestoras de peso, como a SPX Capital, carregam posição comprada em dólar desde antes da epidemia.

A compra da moeda norte-americana, aliás, está entre as principais proteções adotada pelos gestores de fundos multimercados, de acordo com o levantamento da XP. Mas a principal opção de hedge dos fundos é a posição vendida em índices internacionais de ações como o S&P 500, da bolsa de Nova York.

Embora estejam mais cautelosos, 59% dos gestores de fundos multimercados consultados esperam que a epidemia do coronavírus tenha um impacto levemente negativo para a economia.

Outros 30% consideram que o fenômeno ainda é imprevisível e estão preocupados. Um grupo menor, de 7%, espera um impacto bastante negativo do coronavírus na economia e os demais 4% também consideram os efeitos imprevisíveis, embora não se revelem preocupados com esse fato isoladamente.

Bolsa ainda atrativa

A redução nas posições mais otimistas e a busca por proteção nos fundos não significa que a visão positiva dos gestores para a bolsa tenha mudado.

Para 78% dos entrevistados pela XP, o coronavírus deve terá impacto levemente negativo para o mercado de ações, mas a bolsa segue atrativa.

Outros 18% avaliam que ainda não é possível prever os efeitos e apenas 4% revelaram que a posição em renda variável deixou de valer a pena em consequência dos impactos potenciais da epidemia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Combinação promete

Aura Minerals (AURA33): ouro e dividendos no mesmo investimento

Max Bohm, sócio e analista de Empiricus, enxerga um potencial enorme de crescimento na combinação oferecida pela mineradora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies