Menu
2020-10-07T11:03:31-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
AUTORIDADE MONETÁRIA

‘Ruído fiscal’ é responsável pela desvalorização do real, diz Campos Neto

Presidente do BC defende que controle das contas públicas é importante para garantir a imagem de credibilidade do Brasil no exterior

7 de outubro de 2020
9:21 - atualizado às 11:03
Roberto Campos Neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento da Câmara dos Deputados. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (7) que um dos fatores para a perda de valor da moeda brasileira é o "ruído todo que vem do fiscal".

Em entrevista à rádio Jovem Pan, o responsável pela política monetária do País defendeu em vários momentos a ideia de que o controle fiscal é importante para garantir a imagem de credibilidade do Brasil no exterior.

"O Brasil tem capacidade enorme de se reinventar e crescer", afirmou. "O que nós precisamos é de credibilidade. Há estrangeiros que querem investir no País."



Ao analisar os movimentos mais recentes do câmbio no Brasil, Campos Neto lembrou que, com a queda da Selic (a taxa básica de juros), muitas empresas decidiram trocar dívidas no exterior por compromissos no Brasil.

Isso gerou um movimento de pagamento de dívidas em outros países - o que o BC vinha qualificando como "pré-pagamentos" -, o que contribuiu para elevar o dólar ante o real. Este fenômeno foi perceptível no segundo semestre de 2019.

Depois disso, conforme Campos Neto, surgiu um período em que todas as moedas de países emergentes se desvalorizaram, sendo que "o real um pouco mais".

O terceiro ponto citado por Campos Neto foi justamente a questão fiscal, que coloca em dúvida a sustentabilidade da dívida no longo prazo e acaba por impactar o câmbio. Em 2020, sob os efeitos da pandemia do novo coronavírus, o dólar à vista acumula uma alta de quase 40% ante o real.

Retomada

O presidente do Banco Central disse também que a retomada econômica após a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus será feita "com tecnologia". Segundo ele, era importante acelerar no Brasil o processo tecnológico.

Em função disso, o BC optou por não adiar projetos importantes na área, como o lançamento do PIX – o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos - e do open banking – o sistema de compartilhamento de informações bancárias de clientes. Ambos serão lançados neste fim de 2020.

"O PIX é um avanço importante", disse Campos Neto. "A pessoa passará a ter uma identidade digital."

Questionado sobre a possibilidade de o governo adotar um imposto que recaia sobre as transações financeiras, o que poderia englobar o PIX, Campos Neto lembrou que costuma evitar comentários sobre temas tributários. "Impostos sobre transações financeiras independem do PIX", afirmou.

Segundo ele, caso um tributo deste tipo seja adotado, ele iria incidir sobre quaisquer transações financeiras - e não apenas sobre as instantâneas.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,5%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Realização brusca?

Com uma alta de mais de 800% no ano, ações da Fertilizantes Heringer recuam 40% em um único dia

A companhia, que se encontra em recuperação judicial, já subiu mais de 800% só neste ano

Oscar do jornalismo

Victor Aguiar, repórter do Seu Dinheiro, é indicado ao prêmio Comunique-se; saiba como votar

O repórter Victor Aguiar, do Seu Dinheiro, é um dos dez indicados na categoria “Economia- mídia escrita” do prêmio Comunique-se

Nova rodada

Auxílio emergencial será prorrogado por mais três meses, afirma Guedes

O benefício será estendido até outubro nos mesmos valores atuais, com parcelas de R$ 150 a R$ 375 que contemplam cerca de 39 milhões de brasileiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies