Menu
2019-03-28T14:53:34-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como a aprovação (ou não) da Reforma da Previdência pode afetar os seus investimentos?

O mercado está de olho nela, mas o que você, investidor, tem a ver com isso? Neste vídeo, eu explico tudo

13 de fevereiro de 2019
12:33 - atualizado às 14:53

O mercado financeiro acompanha com especial interesse o andamento da reforma da Previdência, cuja aprovação é considerada a medida mais crucial para o reequilíbrio das contas públicas e a retomada de um crescimento sustentável pelo país.

O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que o texto com as bases do projeto já está pronto e será apresentado ao presidente Jair Bolsonaro assim que ele tivesse alta - o que ocorreu nesta quarta-feira (13).

Para além de como vai ficar a sua aposentadoria - se é que você ainda não é aposentado - a aprovação (ou não) da reforma da Previdência promete mexer com os preços e a rentabilidade dos ativos. No vídeo a seguir eu explico como a aprovação da reforma pode mexer com os seus investimentos:

Veja a seguir a transcrição do texto do vídeo

Que uma reforma da Previdência pode afetar a sua aposentadoria, isso é meio óbvio. Mas qual seria o impacto da reforma nos investimentos? E se ela não for aprovada - ou não for suficiente? O mercado financeiro está de olho nesse tema. Mas e eu com isso?

O governo brasileiro se vê hoje numa saia justa. Ele gasta mais do que arrecada desde 2014, o que vem levando a uma escalada na dívida pública. De um lado, houve uma perda na arrecadação por conta de uma série de renúncias fiscais e da última crise econômica. Do outro, as despesas obrigatórias aumentaram. É o caso dos gastos com pessoal e da Previdência Social.

A situação da Previdência tende a piorar se nada for feito. Com o envelhecimento da população, os desembolsos do governo vão ficar cada vez maiores para fazer a conta fechar. A ausência de idade mínima para se aposentar por tempo de contribuição também torna as aposentadorias no Brasil mais precoces do que em outros países. A Previdência Social brasileira é hoje uma das menos sustentáveis do mundo, com gastos parecidos com os de países com uma proporção muito maior de idosos na população.

De todos os ajustes que o governo precisa fazer, a reforma da Previdência é o que pode causar o maior impacto positivo nas contas públicas. Mas por que isso é relevante para os seus investimentos?

Um governo deficitário e altamente endividado tem poucas condições de investir em áreas que estimulem o crescimento econômico, como infraestrutura, por exemplo. Isso pode ter um impacto negativo na geração de empregos, nos resultados das empresas e no consumo. Consequentemente, as ações das companhias na bolsa podem sofrer.

Além disso, aumenta o risco-país. Os investidores começam a ficar desconfiados de que o governo não vai ser capaz de honrar as suas obrigações e passam a exigir uma recompensa maior para continuar financiando a crescente dívida pública. Resultado: o governo se vê obrigado a aumentar os juros.

Se você parar para pensar, não é muito diferente do que acontece se você começar a gastar mais do que ganha e se encher de dívidas. As instituições financeiras vão passar a cobrar juros mais altos, e você vai ter dificuldade de conseguir empréstimos.

Juros altos desaceleram a atividade econômica, porque encarecem o crédito, não só para o governo como também para empresas e consumidores. Esse cenário não é nada bom para investimentos que se beneficiam de juros baixos, como ações, fundos imobiliários, imóveis, debêntures, CRI e CRA. Só a renda fixa tradicional, atrelada à Selic, é que fica atrativa.

Por fim, um governo que seja considerado um mau pagador tende a espantar investidores estrangeiros, que tiram os seus recursos do país. O resultado é a alta do dólar e um possível aumento da inflação. Recessão com inflação elevada não é um cenário estranho para os brasileiros, e é péssimo para o investidor e para o trabalhador.

Por outro lado, se a reforma da Previdência passar e de fato for capaz de desafogar o governo, juros, câmbio e inflação podem ser mantidos sob controle, beneficiando a bolsa, o mercado imobiliário e a renda fixa prefixada.

Gostou do vídeo? Então deixa aqui no campo de comentários as suas dúvidas e sugestões para outros vídeos, e não se esqueça de se inscrever no nosso canal de YouTube.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,72

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies