Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-24T14:36:34-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Armadilhas

Não seja um idiota na hora de investir para a sua aposentadoria: veja os 5 erros mais comuns na previdência privada

Previdência privada só é cilada se você não souber como usar. Conheça os erros mais comuns de quem entra num plano desavisado

24 de novembro de 2021
5:30 - atualizado às 14:36
Ilustração de homem que cometeu uma série de erros ao tentar acertar flechas em um alvo
A escolha de um plano caro ou inadequado ao seu perfil pode tornar a previdência privada muito desvantajosa. Imagem: Shutterstock

Os planos de previdência estão entre os produtos mais mal comercializados do mercado financeiro. Tanto que viraram sinônimo de roubada. O que tem de gente por aí que investiu em previdência privada sem saber do que se tratava, porque algum gerente de banco empurrou, e depois descobriu que teria que pagar uma alíquota absurda de IR para sacar o dinheiro não é brincadeira.

Mas se você sabe do que se trata, escolhe um bom plano e o utiliza da maneira correta no seu planejamento financeiro, a previdência privada pode ser uma arma poderosa no seu processo de acumulação de patrimônio e na poupança para a aposentadoria.

Nesta outra matéria, eu já expliquei, em linhas gerais, o que é um plano de previdência privada, como funciona e quais seus benefícios para a poupança de longo prazo.

A seguir, eu listo alguns dos principais erros cometidos por quem contrata previdência privada sem estar devidamente informado, para que você evite essas armadilhas:

1. Contratar um plano de previdência para um objetivo de curto prazo

Planos de previdência privada contam com benefícios tributários para quem pretende investir para objetivos de longo prazo, mas são punitivos para quem resgata os recursos no curto prazo. O propósito disso é justamente estimular o investimento de longo prazo.

Aplicações financeiras convencionais, como títulos de renda fixa, fundos de investimento, ações e fundos imobiliários, costumam ter seus rendimentos tributados a uma alíquota que varia de 15% a 22,5%, dependendo do tipo de investimento e do prazo de aplicação. Isso fora aqueles investimentos isentos de imposto de renda.

Além disso, investimentos sujeitos à tabela regressiva (a seguir), como os fundos abertos (exceto os de ações) e as aplicações tributadas de renda fixa, atingem a menor alíquota de IR, 15%, depois de apenas dois anos de aplicação.

Prazo da aplicaçãoAlíquota de IR
Até 180 dias22,5%
De 181 a 360 dias20%
De 361 a 720 dias17,5%
Acima de 720 dias15%

A previdência privada, por sua vez, pode ter alíquotas de IR muito maiores. Caso você escolha a tabela progressiva - a mesma que incide sobre rendimentos como salários e aluguéis -, a alíquota pode chegar a 27,5%, dependendo do valor resgatado.

Na tabela progressiva, quanto maior o valor recebido pelo beneficiário do plano, maior a tributação. Veja a tabela válida em 2021:

Tabela mensal

Base de cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 1.903,98--
De 1.903,99 até 2.826,657,5%142,80
De 2.826,66 até 3.751,0515%354,80
De 3.751,06 até 4.664,6822,5%636,13
Acima de 4.664,6827,5%869,36

Tabela anual

Base de cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 22.847,76--
De 22.847,77 até 33.919,807,5%1.713,58
De 33.919,81 até 45.012,6015%4.257,57
De 45.012,61 até 55.976,1622,5%7.633,51
Acima de 55.976,1627,5%10.432,32

Já se você escolher a tabela regressiva, que na previdência privada ganha uma roupagem especial, a menor alíquota de IR é de 10%, mas apenas após 10 anos de investimento.

Até seis anos de aplicação, as alíquotas por sinal são maiores do que as dos investimentos comuns, não previdenciários. Observe:

Prazo da aplicaçãoAlíquota de IR
Até 2 anos35%
Acima de 2 anos e até 4 anos30%
Acima de 4 anos e até 6 anos25%
Acima de 6 anos e até 8 anos20%
Acima de 8 anos e até 10 anos15%
Acima de 10 anos10%

Ou seja, se você resgatar antes de completar seis anos de aplicação, pode vir a pagar 25%, 30% ou até 35% de IR, quando numa aplicação financeira “normal”, mais apropriada para prazos médios e curtos, o imposto seria bem menor.

Além disso, planos de previdência privada podem ser excessivamente conservadores, pois eles normalmente precisam respeitar limites de risco específicos - afinal, são investimentos com o objetivo de gerar renda para a aposentadoria do investidor.

Assim, dependendo do seu perfil e objetivo, pode ser que eles não tenham o potencial de retorno adequado, uma vez que a possibilidade de correr risco é limitada.

2. Escolher um plano caro

Um dos fatores que mais transformam planos de previdência em “roubada” são os custos. Normalmente, os planos que são empurrados para os desavisados são os mais caros possíveis. E pior: ultraconservadores.

Ou seja, o investidor paga caro para investir em um produto cuja gestão na verdade é bastante simples, não exigindo um grande trabalho por parte do gestor.

No fim, acaba obtendo um retorno ainda pior que o da renda fixa mais conservadora, uma vez que os custos acabam comendo boa parte da sua rentabilidade.

Os planos de previdência têm tipicamente dois tipos de custos, mas um deles está caindo em desuso.

O primeiro é a taxa de administração, presente também nos fundos de investimento comuns. Ela remunera o trabalho de gestão e administração profissional do fundo no qual o plano de previdência investe. Desta não tem como fugir. É o preço a se pagar pela gestão profissional dos investimentos.

O investidor só precisa ficar atento para não acabar pagando uma taxa demasiado alta. Planos mais conservadores devem ter uma taxa mais perto de 1% ao ano, enquanto os moderados ou arrojados podem ter uma taxa superior a 2% ao ano.

Uma forma de verificar se a taxa está alta demais é comparar a taxa do plano de previdência analisado com a taxa de um fundo de investimento comum que invista de forma semelhante (por exemplo, que tenha a mesma classificação e invista nos mesmos tipos de ativos).

A outra taxa, que está caindo em desuso, é a taxa de carregamento. A dica aqui é bem simples. Não invista em planos com taxa de carregamento. Fim. Hoje em dia são comuns os bons planos que não cobram essa taxa, então não tem por que pagá-la.

A taxa de carregamento corresponde a um percentual de cada aporte feito no plano de previdência. Ou seja, se a taxa de carregamento é de 1%, isso significa que a cada R$ 100 investidos no plano, um será destinado a pagar a taxa de carregamento, e apenas R$ 99 serão realmente investidos.

Por fim, se o fundo tiver taxa de saída - percentual incidente sobre os valores resgatados e cobrado na hora do resgate -, também convém evitá-lo. A menos que essa taxa seja zerada para resgates efetuados após algum tempo de aplicação. Nesse caso, se você estiver realmente investindo para o longo prazo, a taxa de saída não vai te afetar.

3. Escolher o plano errado para seu tipo de declaração de IR

Outro erro clássico e muito desastroso para quem investe em previdência privada é escolher o tipo de plano errado para a modalidade de declaração de imposto de renda que costuma entregar.

Como eu já mostrei nesta outra matéria sobre previdência privada, os planos tipo PGBL só são indicados para quem entrega a declaração completa de imposto de renda, aquela capaz de aproveitar todas as deduções.

É que os PGBLs permitem a dedução das contribuições feitas ao plano na declaração, até um limite de 12% da renda bruta tributável anual.

Portanto, quem entrega a declaração simplificada - aquela que aplica um desconto único de 20% na base de cálculo do IR - não consegue aproveitar o benefício.

Só que isso é um problema. A dedução permite ao investidor postergar o pagamento do imposto de renda para o momento em que ele for usufruir do plano (resgatar ou receber a renda).

Porém, se não aproveitar o abatimento, o investidor acaba pagando IR duas vezes, uma vez que não deixa de pagar o imposto no presente, e depois tem todo o valor recebido no futuro tributado.

O tipo certo de plano para quem entrega a declaração simplificada é o VGBL, que também só é tributado na hora do resgate ou do recebimento da renda, mas apenas sobre a rentabilidade, e não sobre todo o valor recebido.

Entregar a declaração completa e fazer apenas um VGBL também não é jogo. Embora o investidor, neste caso, não pague IR duas vezes, ele deixa de aproveitar o benefício da dedução, que é algo que costuma turbinar os ganhos dos planos de previdência, conforme você pode ver nesta matéria.

O ideal é que pessoas que sempre entregam a declaração completa façam PGBL; pessoas que sempre entregam a simplificada façam VGBL; e que pessoas que ora entregam uma modalidade, ora entregam outra mantenham os dois tipos de plano e só façam a contribuição no fim do ano, depois de simular a sua declaração do ano seguinte.

Isso pode ser feito no programa da Receita do ano corrente, apenas como um esboço. Depois de verificar qual a modalidade mais provável de declaração no ano seguinte, o investidor pode direcionar suas contribuições ao tipo de plano mais vantajoso.

Pessoas que entregam a declaração completa e desejam contribuir com mais de 12% da renda bruta tributável anual para previdência também devem manter os dois tipos de plano, destinando ao PGBL apenas os valores que estiverem dentro dos limites de dedução, e direcionando o resto ao VGBL.

4. Escolher o tipo errado de tabela de tributação para o seu objetivo

A escolha da tabela de tributação também requer algum cuidado. Como vimos anteriormente neste texto, a tabela regressiva é indicada para quem pretende investir por mais de oito anos em previdência privada e pretende resgatar grandes somas, que poderiam ser tributadas em mais de 15% caso a tabela fosse a progressiva.

A tabela progressiva pode ser mais interessante para quem pretende usufruir do plano num prazo mais curto (embora talvez curto demais para justificar o investimento em um plano de previdência) ou para quem planeja fazer resgates ou receber uma renda que se enquadre na faixa de isenção ou na de 7,5%, no futuro.

O problema é que a tabela progressiva mantém os rendimentos do plano de previdência sujeitos ao ajuste anual. Isto é, se você tiver outras rendas tributáveis e sujeitas a essa tabela (como aposentadoria pelo INSS ou aluguéis de imóveis), todos os seus rendimentos se somarão na hora de preencher a declaração de IR, e a alíquota será aplicada novamente.

Ou seja, é bem possível que os seus rendimentos sejam tributados a alíquotas mais altas no ajuste anual, depois de somados.

A tabela regressiva, por sua vez, tem tributação exclusiva na fonte. Ou seja, independentemente de quanto você receber, você só será tributado conforme o prazo e na hora de receber os recursos. Os valores recebidos não se somarão às suas demais rendas tributáveis.

Também é preciso lembrar que a opção pela tabela regressiva é irretratável. Assim, ao escolher essa modalidade, você não consegue voltar para a progressiva, que é a opção padrão quando se contrata um plano de previdência.

Além disso, o prazo para a tabela regressiva só começa a contar a partir do momento em que ela é escolhida. Assim, quanto mais cedo você a escolher, melhor. De nada adianta optar pela tabela regressiva perto da aposentadoria; você vai acabar caindo nas maiores alíquotas.

Finalmente, é importante planejar a forma de receber os recursos: se serão feitos resgates esporádicos, resgates regulares, um único resgate de todos os recursos de uma vez ou a opção por uma das modalidades de renda.

Embora todas essas opções respeitem a tabela escolhida, cada uma delas é tributada de uma maneira diferente, o que pode resultar num pagamento maior ou menor de imposto.

Nesta outra matéria, eu apresento essas regras, mostro como escolher a alternativa mais adequada para o seu perfil, além de te ajudar a escolher entre a tabela progressiva e a regressiva.

5. Escolher um plano muito conservador quando você ainda tem um prazo longo pela frente

Se você ainda tem mais de cinco ou dez anos até se aposentar, não tem porque investir num plano ultraconservador. O problema é que muitos dos planos que são empurrados para os investidores desavisados são excessivamente conservadores.

Este fator, somado às altas taxas que esses planos costumam cobrar, é a receita pronta para uma rentabilidade muito abaixo do que poderia ser.

A possibilidade de correr um pouco mais de risco traz um potencial de maiores retornos; e se você tem um prazo longo pela frente, eventuais perdas pontuais da carteira de investimentos do plano podem ser compensadas.

Assim, quanto maior o prazo de que você dispõe até a aposentadoria, maior a sua possibilidade de correr risco para obter retornos maiores.

Quando você estiver mais perto da aposentadoria, você pode migrar para um plano mais conservador, por meio da portabilidade, que permite fazer essa mudança sem necessidade de resgatar e pagar impostos.

Ou então você pode procurar desde já um plano que faça essa migração dentro da própria carteira, sem que seja necessário mudar de plano no futuro.

Se você quiser saber mais sobre previdência privada e como planejar a aposentadoria, este guia traz todas as informações de que você precisa.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Pílulas do Mercado

Bitcoin levou ‘rasteira’: com até 200.000% no ano, criptos DeFi estão mudando o sistema financeiro – e podem te ajudar a enriquecer em 2022

Quem deixou de investir nas tecnologias que revolucionaram o planeta até hoje, ficou ‘chupando o dedo’ enquanto os espertos enriqueciam; agora, existe uma lista de criptoativos DeFi que está transformando as transações financeiras e que pode transformar R$ 500 em R$ 100 mil, R$ 5 mil em 1 milhão – conheça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies