2019-10-14T14:10:32-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
vai mudar

Via Varejo tira executivo de dona do iFood e ex-Mercado Livre

Helisson Lemos assumirá cargo responsável por consolidar a transformação digital da Via Varejo, que planeja ser uma plataforma 100% multicanal

15 de julho de 2019
11:03 - atualizado às 14:10
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via (ex-Via Varejo) - Imagem: Shutterstock

Em processo de reformulação no seu alto escalão desde a retomada da gestão pela família Klein, a Via Varejo comunicou a contratação de Helisson Lemos, até então diretor de operações da Móvile, empresa de tecnologia que investe e opera aplicativos como o iFood e Sympla.

E a notícia foi bem recebida pelos mercados: as ações ON da empresa (VVAR3) fecharam a sessão desta segunda-feira (15) em forte alta de 7,82%, a R$ 7,03% —  somente em julho, os papéis da Via Varejo já acumulam ganhos de mais de 35%, apresentando o melhor desempenho do Ibovespa no período.

Segundo a companhia, Lemos assumirá o posto de Chief Digital Officer (CDO). A responsabilidade do executivo será consolidar a transformação digital da companhia, que planeja ser uma plataforma 100% multicanal. Lemos também trabalhou por 17 anos no Mercado Livre - os últimos sete anos na função de presidente.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

A contratação de Lemos não é a primeira ofensiva da Via Varejo sobre outras gigantes. No início do mês, a empresa demitiu 12 executivos do alto escalão e contratou, entre outros, Ilca Sierra, que estava no Magazine havia 10 anos e comandava a área de marketing multicanais da varejista.

As mudanças na estrutura da Via Varejo começaram a ser feitas após o empresário Michael Klein retomar o controle da empresa - seu pai foi o fundador da Casas Bahia, que hoje faz parte da companhia. Até então, a Via Varejo tinha como principal acionista o Grupo Pão de Açúcar (GPA).

Agora na gestão de Klein, a varejista deve resolver problemas internos e melhorar sua operação online - vista hoje como ponto fundamental para o sucesso de uma rede focada em eletrodomésticos. A companhia terá o desafio de correr atrás da concorrente Magazine Luiza.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DOR NO BOLSO

IPVA 2022 encarecerá 30%, em média, em São Paulo; descubra quanto você vai pagar de imposto

E a notícia doí ainda mais no bolso porque a data de pagamento do IPVA está bem próxima: quem quiser desconto tem de quitar a soma já no próximo mês

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin e ethereum despencam hoje, e principal criptomoeda do mundo se afunda ainda mais no ‘bear market’

Após uma semana que terminou com ganhos, as duas maiores moedas digitais do mercado sofreram na virada de sexta-feira para sábado

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

IPO do Nubank, como driblar os impostos e onde investir o 13º salário: confira os destaques da semana

Nada é pior para um ansioso do que a incerteza. E o mercado, ultimamente, vem sendo marcado por uma forte onda de incertezas, vindas de todos os lados. Os preços dos ativos respondem a isso com volatilidade, e não há muito o que fazer a não ser manter a calma, focar nos fundamentos e aguardar […]

Clube anti-cripto

China acertou ao banir o bitcoin? Braço direito de Warren Buffett diz que as criptomoedas nunca deveriam ter sido inventadas

A aversão de Charlie Munger pelo bitcoin cresceu ainda mais durante a pandemia; para o bilionário, o criptoativo é “repugnante”