Menu
2019-10-07T18:14:26-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
gestoras

Verde Asset: Impactos de uma Selic abaixo de 5% nem começaram a ser sentidos

Gestora afirma que Brasil continua dando sinais de melhora, mas não elevou exposição em ações como nos outros meses

7 de outubro de 2019
18:14

A carta de gestão do Fundo Verde, de Luis Stuhlberger, referente ao mês de setembro, não trouxe uma mensagem que vinha sendo repetida nas anteriores. O fundo manteve estável sua exposição em ações, depois de falar em ampliação nos meses anteriores.

Para a gestora, em meio a incerteza global, o Brasil continua dando sinais de melhora da trajetória de crescimento, razoavelmente em linha com um cenário desenhado pela casa de gestão em junho, quando avaliou que existia um excesso de pessimismo com o crescimento econômico.

A novidade recente, diz a carta, é que o estímulo monetário tem chance de ser ainda maior do que o projeto anteriormente, o que só reforça a avaliação da casa de uma retomada cíclica da atividade, liderada pela demanda doméstica.

“O país está apenas no início de um novo ciclo de crédito e os impactos de uma Selic abaixo de 5% nem começaram a ser sentidos”, diz a carta.

Em setembro, o BC cortou a Selic em meio ponto, para 5,5% ao ano e acenou que há espaço para novas reduções. No mercado, as apostas são de quão abaixo de 5% a taxa básica de juros pode ir. A mediana do Focus sugere juro em 4,75%.

No mês, o fundo teve rendimento de 1,3%, contra 0,47% do CDI. No ano, sobe 10,2%. Em setembro, os ganhos vieram as posições em ações no Brasil e no livro de juros reais. Perdas marginais nas moedas.

Além de manter a estável a posição em ações brasileiras, o fundo afirma que segue aplicado em juro real brasileiro e comprado na inclinação da curva de juros dos EUA. A posição vendida no dólar contra o real via opções foi marginalmente ampliada e uma pequena exposição comprada em libra contra euro foi retomada.

Quadro externo

Segundo a gestora, o cenário global “desanuviou” ao longo de setembro, resultando em boa performance para a maior parte dos ativos de risco. Sinais de que EUA e China caminham para um miniacordo comercial se acumularam.

Os gestores do fundo dizem que dada a incerteza associada ao processo de decisão do presidente americano, Donald Trump, têm focado tempo em entender os incentivos dos dois lados.

Assim, a desaceleração da economia chinesa e as medidas já tomadas em relação a Huawei, são forças que apontam na direção de um acordo por parte da China. Do lado americano, os sinais incrementais de fraqueza do setor industrial, com potencial contaminação do consumo e emprego, especialmente em Estados com peso desproporcional no colégio eleitoral americano (o que os analistas chamam de swing states), produzem incentivos poderosos para um presidente que almeja a reeleição buscar uma espécie de cessar-fogo na guerra comercial.

“As próximas semanas serão cruciais para sabermos se, de fato, esses incentivos influenciaram preponderantemente os tomadores de decisão dos dois lados.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

um viral que vale US$ 90 bi

Confira os 5 fatos que estão fazendo o Dogecoin subir (de novo) e passar a valer mais que a Petrobras

Valendo US$ 0,68 por unidade, o DOGE ficou próximo dos US$ 90 bilhões em valor de mercado

depois do gpa

Ações de Assaí ganham novo impulso após lucro da empresa dobrar; veja o que dizem os analistas

Lucro foi de R$ 240 milhões no primeiro trimestre, um pouco acima do esperado; mercado fala que há espaço para papéis subirem mais até o final do ano

Contribuintes atentos

Economia pede a Bolsonaro que vete o adiamento de prazo do Imposto de Renda para julho

A pasta argumenta que o novo adiamento impactaria a arrecadação da União e dos governos federais e poderia impedir até mesmo o pagamento de programas sociais de combate à pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies