Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-07T18:35:49-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Fundo Verde volta a aumentar posição em bolsa

Em carta aos cotistas, gestora de Luis Stuhlberger também demonstra preocupação com os fantasmas da guerra comercial global

7 de agosto de 2019
18:35

A carta de gestão do Fundo Verde, de Luis Stuhlberger, referente ao mês de julho veio bem mais enxuta em comparação com a do mês anterior, quando foram dedicadas algumas páginas a justificar postura positiva com o Brasil, de uma casa conhecida pela cautela. Mas a mensagem principal, que vem sendo construída desde maio, é esta: “o fundo voltou a aumentar sua posição em ações brasileiras”.

Ainda na parte de estratégia, o Verde afirma que a posição vendida em bolsa global via opções foi incrementada, como hedge (proteção) do portfólio. A posição aplicada em juro real foi parcialmente alongada e foi mantida a posição tomada em inclinação de juros nos EUA.

A carta é referente ao mês de julho, quanto o fundo rendeu 0,44%, contra 0,57% do CDI, mas há um comentário sobre esses primeiros dias de agosto que “reavivaram os fantasmas da guerra comercial global, com o presidente Trump impondo nova rodada de tarifas na China, e os chineses respondendo com desvalorização do Renminbi”.

“Embora bastante positivos com as perspectivas para a economia brasileira, esse recrudescimento nos preocupa na medida em que põe em risco o crescimento global. Na margem, também aumenta a probabilidade de mais acomodação monetária por parte dos Bancos Centrais”, diz o documento.

Ainda de acordo com o Verde, a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno “foi melhor do que o mais otimista dos prognósticos” e coloca o país em trajetória fiscal mais saudável, permitindo taxas de juros estruturalmente mais baixas. O primeiro sinal desse quadro foi o corte de meio ponto na Selic, para 6% ao ano, pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Além disso, o Verde destaca que até o fim de julho, o mercado brasileiro passava pelo processo de digerir mais de R$ 24 bilhões de reais em ofertas de ações, “com uma acomodação bastante saudável dos preços”.

Em tempo, no acumulado de 2019 até julho o fundo tem rendimento de 8,6%, contra 3,66% do CDI.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disposta a competir com as gigantes, Infracommerce (IFCM3) pode ver salto de mais de 70% nas suas ações, diz BofA; papéis sobem mais de 4%

Banco iniciou a cobertura dos papéis da fornecedora de infraestrutura de e-commerce para outras empresas com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 25 por ação

AMPLIANDO A BASE

Em busca do pequeno investidor, BR Partners (BRBI11) fecha preço de oferta de ações; papéis sobem

Banco havia realizado IPO em junho do ano passado em operação que permitia a compra dos papéis nos primeiros 18 meses apenas por investidores que tivessem mais de R$ 1 milhão em aplicações, os chamados investidores qualificados

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 38 mil antes da decisão de política monetária do Fed, mas semana ainda é difícil para mercado de criptomoedas

Investidores aguardam maiores informações sobre a retirada de estímulos e alta nos juros por parte do Banco Central americano

EXILE ON WALL STREET

Para triunfar, antes é preciso atravessar: confira três dicas importantes para seguir antes de investir

Antes de tomar qualquer decisão no calor do momento, seja pelo excesso de otimismo ou por um receio em demasia, é necessário ter em mente três lições para investir bem e com prudência

FOME POR EXPANSÃO

BTG Pactual (BPAC11) compra 100% da carteira da Planner Investimentos e acirra disputa com XP por agentes autônomos

Com o negócio, a corretora Planner vai deixar de atuar na corretagem e assessoria de investimentos para pessoas físicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies