🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Varejo

Ações de Lojas Americanas e B2W despencam após resultados trimestrais

Balanços das companhias trouxeram pontos que desagradaram analistas

Victor Aguiar
Victor Aguiar
21 de março de 2019
14:55 - atualizado às 17:57
Lojas Americanas Express
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Itaci Batista

A quinta-feira foi amplamente negativa para o Ibovespa, mas duas ações se destacam entre as maiores quedas do índice: Lojas Americanas PN e B2W ON. E, embora o noticiário político tenha exercido grande influência no humor do mercado como um todo, fatores corporativos foram os responsáveis pela derrocada desses papéis.

Os balanços trimestrais de ambas as companhias, divulgados na noite de ontem, não foram considerados de todo ruins por analistas. No entanto, os resultados trouxeram pontos decepcionantes — e o mercado não está deixando barato.

A Lojas Americanas encerrou o quarto trimestre de 2018 com lucro líquido de R$ 272,8 milhões, queda de 4,2% ante o mesmo período de 2017. Já a B2W viu seu prejuízo aumentar 94% nos últimos três meses de 2018, para R$ 67,7 milhões. Os números de ambas as empresas ficaram abaixo do esperado por analistas.

Como resultado, Lojas Americanas PN fechou em queda de 5,58%,  a R$ 18,27, após chegar a ser negociada a R$ 17,91 na mínima do dia. B2W ON, por sua vez, recuou 6,31%, a R$ 46,75, também perto das mínimas, a R$ 46,51.

Em relatório, o BTG Pactual classificou os resultados de Lojas Americanas como menos fortes que o esperado. Por um lado, o banco elogiou o crescimento da receita líquida — R$ 5,918 bilhões no quarto trimestre, alta de 9,7% —, mas, por outro, destacou que as margens mais fracas foram decepcionantes.

Quanto à B2W, o BTG mostrou-se mais otimista como um todo, especialmente em relação ao crescimento de 32% no GMV (gross merchandise volume). No entanto, o banco ressalta que o aumento de 36% nas despesas financeiras foi decisivo para o crescimento no prejuízo no trimestre.

Já o Itaú BBA destacou o crescimento de 7,3% da receita da Lojas Americanas no conceito "mesmas lojas" no quarto trimestre de 2018, mas também chamou a atenção para a piora nas margens brutas da empresa, que ficaram em 37,6%, queda de 0,9 ponto percentual em um ano.

"Já esperávamos uma piora da margem bruta na comparação anual, em linha com a tendência vista nos últimos trimestre. No entanto, esperávamos uma maior diluição das despesas fixas", diz o Itaú.

Quanto aos dados da B2W, o Itaú analisa que o redução de R$ 716 milhões na queima de caixa foi amplamente positiva, mas pondera que a margem Ebitda ajustada poderia ter melhorado num ritmo maior — a linha passou de 8,7% no fim do quarto trimestre de 2017 para 9,6%. Considerando os balanços, o Itaú cortou a recomendação para os papéis de Lojas Americanas e B2W para market perform — equivalente à neutro.

Compartilhe

Novela americana

Americanas (AMER3) estuda descomplicar reestruturação e ter empresa única no Novo Mercado da B3; entenda

18 de outubro de 2021 - 9:13

A decisão da Americanas de ter uma única empresa listada na B3 ainda não foi tomada, mas deve ser bem recebida pelo mercado; ações têm maior queda do Ibovespa no ano

Não deu match?

Oportunidade ou mico? Por que a ‘nova’ Americanas (AMER3) lidera as quedas do Ibovespa após fusão com a B2W

11 de outubro de 2021 - 6:21

A fusão entre Lojas Americanas e B2W era muito aguardada e considerada essencial para o processo de crescimento da empresa, mas desde que o casamento se concretizou, as ações entraram em queda livre

A bolsa como ela é

Por um lado, reabertura. Por outro, juros mais altos. Como ficam as ações das varejistas?

3 de outubro de 2021 - 8:00

Esse pano de fundo é positivo para varejistas como Marisa, Lojas Renner, Arezzo e Alpargatas. Mas não é tão bom para Via, B2W, Americanas e Magazine Luiza

Bom começo

Americanas (AMER3) mostra força em sua “estreia” nos balanços, e vem mais por aí – Veja os números

13 de agosto de 2021 - 7:31

Resultado do segundo trimestre é o primeiro depois da fusão operacional entre B2W e Lojas Americanas, que ainda trará sinergias

ESTREIA AMARGA

Fruto do casamento entre B2W e Lojas Americanas, holding Americanas S.A estreia com queda de mais de 6% na bolsa

19 de julho de 2021 - 12:36

Além da aversão ao risco, o movimento também conta com um empurrãozinho de uma realização de lucros, após os papéis da B2W subirem forte no último dia de negociações, na sexta-feira (16).

Um novo tempo

Saiba como ficam as ações da ‘nova e velha’ Americanas após fusão com B2W

11 de junho de 2021 - 12:56

Analistas explicam como devem ficar os papéis da holding de investimentos e da empresa resultante da união, aprovada pelos acionistas ontem

OOOOO

B2W sobe aposta em lives de produtos com aplicativo exclusivo para transmissões

4 de junho de 2021 - 19:52

A B2W lançou, nesta sexta, sua plataforma “social commerce”, um app em que é possível acompanhar lives e comprar produtos ao mesmo tempo

foco na geração z

B2W fecha parceria com aplicativo inglês de ‘live commerce’ e planeja acelerar o ‘Americanas ao vivo’

5 de maio de 2021 - 7:47

Acordo prevê a exclusividade do uso da tecnologia e da plataforma da OOOOO pela B2W; app tem foco em consumidores mais jovens

varejo em transformação

Por que as ações de Lojas Americanas caem e as da B2W sobem após acordo de fusão?

29 de abril de 2021 - 17:04

Mercado vê “desconto de holding” em LAME, prevê expansão das Americanas, mas diz que fusão foi feita “provavelmente” para beneficiar majoritários

Enfim, juntas

Lojas Americanas e B2W fecham acordo para combinar operações e preveem listagem nos EUA

28 de abril de 2021 - 21:30

Fusão já era esperada desde fevereiro, quando empresas iniciaram estudos. Todas as operações passam a ser desenvolvidas pela B2W, que se transformará em Americanas S.A.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar