Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-04-20T15:13:05-03:00

Uma tragédia para Brumadinho; nem tanto para as ações da Vale

Se, em 2015, havia o risco do desastre varrer não só o Espírito Santo, como a própria Vale do mapa, o forte balanço da companhia, já bem menos alavancada, praticamente tira esse risco do radar

25 de janeiro de 2019
19:03 - atualizado às 15:13
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

Subiram os créditos e a Gaga cantava as últimas notas de “I'll Never Love Again” para encerrar “Nasce Uma Estrela” (bem fraco, que me perdoem os “little monsters”).

Pego o celular e lá está a mensagem da Luciana: “Bem que você podia escrever uns parágrafos para falar o que vai acontecer com a Vale nos próximos dias”.

Do dramalhão mexicano que pode render um Oscar a Bradley Cooper para o drama real, que já deixou 200 desaparecidos e fez ao menos três vítimas fatais em Minas Gerais – lamentável.

Ainda é cedo para falar, mas o rompimento da barragem em Brumadinho não deve atingir as proporções do que vimos em Mariana, em novembro de 2015, um dos maiores desastres ambientais da história do planeta e, de longe, o maior da história brasileira – rendeu uma multa de R$ 4,4 bilhões sem contar os custos com reparação ambiental e indenização às vítimas.

O revés de 2019 pega a mineradora em uma situação bem melhor – em 2015 o minério de ferro estava nas mínimas e a Vale nas cordas, carregando uma dívida gigante enquanto corria para concluir seu maior projeto, em Carajás.

Hoje, certamente, há mais espaço para manobra e mais fôlego para aguentar o golpe – nos últimos trimestres, a Vale gerou um zibilhão de caixa (R$ 48 bilhões nos últimos 12 meses, para ser mais exato), melhorou sua governança e acabou, de vez, com a ingerência estatal.

Se, em 2015, havia o risco do desastre varrer não só o Espírito Santo, como a própria Vale do mapa, o forte balanço da companhia, já bem menos alavancada, praticamente tira esse risco do radar.

Leia também:

Se, nas primeiras semanas após o desastre de Mariana, as ações chegaram a registrar queda de quase 50%, em seguida à tragédia de Brumadinho elas bateram -13% nas mínimas. Poucas horas depois operavam a cerca de 10% do fechamento do dia anterior.

Com as informações que tenho agora, que são absolutamente preliminares, não acredito que teremos nada perto do visto há pouco mais de três anos – ao que tudo indica, a barragem da hidrelétrica de Retiro Baixo, a cerca de 220km do local do acidente, vai dar uma força e impedir que, mais uma vez, a Vale destrua o Espírito Santo.

Ainda não sabemos até onde vai a responsabilidade da Vale em Brumadinho, mas a companhia não é mais ré primária e, desconfio, não receberá o benefício da dúvida: se a cartilha de análise de mineradoras prega que devemos ficar de olho nos riscos ambientais, geralmente isso acaba não aparecendo nas modelagens. Não me surpreenderia se as taxas de desconto da Vale ganhassem uns bps extras daqui para frente.

De qualquer forma, a companhia terá um longo caminho pela frente para provar que, de fato, é capaz de administrar e fiscalizar a situação de suas barragens – me engane uma vez, culpa sua; me engane duas vezes...

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

auditoria da auditoria?

Bolsonaro vê ‘coisa esquisita’ no BNDES e Montezano deve ser explicar nesta quarta

Banco gastou R$ 48 milhões em auditoria; atual presidente autorizou aditivo do contrato inicial

Esquenta dos mercados

Em compasso de espera por decisão do Federal Reserve, bolsas ensaiam mais um dia de recuperação

Coronavírus continua trazendo cautela aos mercados, mas as bolsas tentam engatar mais um dia de recuperação

pode não acontecer

Auditoria em contrato com a Odebrecht pode ser abortada

Após a auditoria do BNDES nas operações da JBS apontar inexistência de indícios de irregularidade e gastar R$ 48 milhões, avaliação é que “não faz mais sentido” gastar recursos

conflito internacional

Trump revela ‘plano de paz’ para Oriente Médio; palestinos são contrários ao projeto

Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém

Vendas de iPhones aumentam e Apple supera estimativas no 4º trimestre

Vendas do produto somaram US$ 55,96 bilhões, ao passo que as estimativas eram de US$ 51,6 bilhões e o desempenho do quarto trimestre de 2018 havia sido de US$ 52 bilhões.

Bolsa

Sem Petrobras, Vale, bancos e frigoríficos, Ibovespa é índice mais caro do mundo, diz SPX

Small caps também são vistas com ressalvas por gestores de fundos, que falaram sobre as oportunidades que (ainda) veem na bolsa após a forte alta dos últimos anos

MUDANÇA DE CARGO

Marinho anuncia novo presidente do INSS e diz que cronograma está mantido

Atualmente, 1,3 milhão de solicitações de benefício estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para que o INSS dê uma resposta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que fazer diante do coronavírus

Caro leitor, A essa altura, você talvez já saiba que o coronavírus causa infecções do trato respiratório superior, cujos sintomas principais são coriza, dor de garganta e febre. A doença pode chegar ao trato respiratório inferior, o que é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos. Você também já […]

De volta aos 116 mil pontos

Dia de correção: Ibovespa se recupera e fecha em alta de mais de 1,5%; dólar cai a R$ 4,19

Após amargar perdas de mais de 3% na segunda-feira, o Ibovespa teve um dia de alívio e encerrou com ganhos firmes, acompanhando o tom de maior calmaria no exterior. O coronavírus, no entanto, segue trazendo cautela às negociações

VEM, CHINESES

Doria diz que continua estimulando chineses a comprar instalações da Ford

No ano passado, Doria tentou ajudar o grupo brasileiro Caoa a comprar a planta da Ford e chegou a convocar uma coletiva de imprensa para anunciar um acerto entre as duas empresas. No entanto, as negociações não prosperam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements