⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-07-31T20:34:27-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Ainda no vermelho

Vale segue com despesas bilionárias por Brumadinho e tem prejuízo de US$ 133 milhões no trimestre

A Vale registrou provisões bilionárias no resultado do segundo trimestre, ainda relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho. Com isso, a mineradora teve mais um balanço com prejuízo líquido

31 de julho de 2019
19:54 - atualizado às 20:34
Barragem da Vale desaba em Brumadinho (MG)
O rompimento da barragem de Brumadinho continua impactando os resultados financeiros da Vale - Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O rompimento da barragem I na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, segue trazendo impactos financeiros à Vale. A mineradora reportou, na noite desta quarta-feira (31), seu balanço referente ao segundo trimestre deste ano — e os números ainda refletem os efeitos da tragédia.

A Vale reportou uma provisão total de US$ 1,374 bilhão entre abril e junho, montante ainda referente ao rompimento da barragem em Brumadinho. Esse montante está dividido em três frentes:

  • Ações e acordos ambientais, no montante de US$ 1,19 bilhão;
  • Descomissionamento de estruturas não consideradas no primeiro trimestre, na cifra de US$ 98 milhões;
  • Revisão de provisões ligadas aos termos e acordos com autoridades, no total de US$ 86 milhões;

Essas provisões impactaram diretamente o resultado financeiro da Vale e foram determinantes para que a mineradora encerrasse o trimestre com prejuízo líquido de US$ 133 milhões — no mesmo período do ano passado, a companhia teve lucro de US$ 76 milhões.

A receita líquida da Vale, por outro lado, chegou a US$ 9,186 bilhões no segundo trimestre deste ano, um avanço de 6,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — caiu 20% na mesma base de comparação, para US$ 3,098 bilhões.

Com os números contabilizados entre abril e junho deste ano, a Vale teve o segundo trimestre consecutivo de perdas: nos três primeiros meses deste ano, a mineradora contabilizou prejuízo de US$ 1,642 bilhão. Na ocasião, a empresa fez um provisionamento de US$ 4,5 bilhões por causa de Brumadinho.

Provisões e despesas

Além do US$ 1,374 bilhão provisionado, a Vale ainda teve uma despesa de US$ 158 milhões no trimestre, ligada às reparações ainda em andamento em Brumadinho — a empresa não dá maores detalhes quanto ao teor dessas medidas.

A mineradora ainda diz ter entrado em negociações com autoridades ambientais, atuando para "remediar os danos ambientais causados". Segundo a Vale, foram pagos pouco mais de 104 mil indenizações de emergência, assinados 263 acordos trabalhistas para indenizar familiares de funcionários mortos na tragédia de Brumadinho e reconhecidos 188 acordos de indenização individuais.

Crescimento da receita

A evolução na receita operacional líquida da Vale no trimestre se deve, principalmente, ao bom desempenho da unidade de minerais ferrosos. Sozinha, a divisão respondeu por US$ 7,315 bilhões da receita, um avanço de 15,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em mensagem aos acionistas, a companhia afirma que o preço médio de referência do minério de ferro foi 53% maior que o verificado entre abril e junho do ano passado — esse salto se deve à maior produção de aço na China e à diminuição dos estoques globais da commodity.

"Olhando para frente, dados do mercado imobiliário chinês no primeiro semestre de 2019 sugerem que a demanda por metais permanecerá alta, com a expectativa do governo chinês anunciar estímulos ao longo do resto do ano", diz a Vale, ponderado que essa situação daria suporte ao consumo de commodities no país em meio à guerra comercial entre China e EUA.

Além disso, a Vale ainda pondera que os preços do aço nos EUA e em outras regiões estão se recuperando, com sinais de tendência a permanecer em patamares elevados no segundo semestre — o que cria perspectivas animadoras para a divisão de minerais ferrosos para o restante do ano.

Dívida em queda

A mineradora registrou uma geração de caixa de US$ 2,2 bilhões no segundo trimestre deste ano, o que fez com que a dívida líquida da Vale recuasse de US$ 12 bilhões ao fim de março para US$ 9,7 bilhões no término de junho — uma redução de cerca de 19,2% em três meses.

Com isso, a alavancagem da Vale, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado nos últimos 12 meses, ficou em 0,9 vez no segundo trimestre — ligeiramente inferior ao nível visto nos três primeiros meses do ano, de uma vez.

E os investimentos?

Ao todo, a companhia investiu US$ 730 milhões entre abril e junho deste ano, cifra 3,5% maior que a reportada no mesmo intervalo de 2018. Desse montante, US$ 130 milhões foram utilizados para a execução de projetos e outros US$ 600 milhões foram aplicados na manutenção das operações.

Entre os US$ 600 milhões investidos em manutenção, a maior parte — US$ 358 milhões — foi usada para promover melhorias nas operações. A lista de aplicações ainda inclui projetos de reposição (US$ 67 milhões), saúde e segurança (US$ 50 milhões), investimentos em barragens e pilhas de estéril (US$ 39 milhões), gestão de barragens (US$ 33 milhões), administrativo (US$ 30 milhões ) e investimentos sociais e proteção ambiental (US$ 23 milhões).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

FOTOGRAFIA FINAL

Ipespe: Lula (PT) segue estável e Bolsonaro (PL) oscila dois pontos — saiba o que a pesquisa traz de novo na véspera da eleição

1 de outubro de 2022 - 13:32

A última pesquisa Ipespe antes do primeiro turno das eleições presidenciais, aponta que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera com 46% dos votos válidos contra 33% de Bolsonaro

APESAR DAS DIVERGÊNCIAS

“Efeito Meirelles” nas eleições? Saiba por que o ex-presidente do BC declara voto em Lula (PT)

1 de outubro de 2022 - 12:25

O economista defende que o eventual governo do petista poderia “recuperar a economia”, além da responsabilidade fiscal nas contas públicas

VERSÃO DIGITAL

e-Título: Prazo para baixar o título digital termina neste sábado (1); saiba como usar o aplicativo na hora de votar

1 de outubro de 2022 - 11:27

O título de eleitor digital pode ser baixado nas lojas de aplicativos do celular até as 23h59 e pode ser apresentado como documento oficial

SEGUNDO TURNO VEM AÍ?

Distância entre Lula e Bolsonaro continua de 8 pontos, segundo CNT/MDA — confira os detalhes da nova pesquisa

1 de outubro de 2022 - 10:28

Segundo o levantamento, o petista tem 44,2% das intenções de voto, enquanto o presidente que tenta a reeleição subiu dois pontos, para 36,3%

Conteúdo exclusivo

Dividendos em perigo? Bolsonaro, Lula e outros candidatos querem taxar seus proventos e podem atacar sua estratégia de renda extra em 2023

1 de outubro de 2022 - 10:00

Analista avalia que comportamento das boas pagadoras de dividendos pode mudar – e 4 ações se destacam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies