🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
No vermelho

Governo tem déficit primário pelo quinto ano consecutivo, algo inédito desde 1988

Esforço fiscal do Tesouro Nacional é consumido pelo crescente déficit da Previdência. Zerar o déficit já em 2019, como propõe Guedes, depende de “muita receita extraordinária”

Eduardo Campos
Eduardo Campos
29 de janeiro de 2019
15:17 - atualizado às 14:12
Mansueto Almeida, Secretário do Tesouro Nacional
Imagem: Raul Junior/BTG

O déficit primário do governo central fechou 2018 em R$ 120,3 bilhões. Essa é a diferença entre receitas e despesas sem considerar o pagamento de juros. Tal resultado negativo equivale a 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB) e esse foi o quinto ano seguido de resultado deficitário.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, foi claro ao dizer que o resultado é positivo, "mas não é motivo de alegria". O quinto ano seguido de déficit marca a pior sequência desde a Constituição de 1988.

O déficit do ano ficou abaixo dos R$ 124 bilhões de 2017 ou 1,8% do PIB e a diferença decorre, basicamente, dos R$ 4,021 bilhões apropriados como receita do Fundo Soberano, que foi extinto no ano passado depois de vender as ações que ainda detinha do Banco do Brasil.

Zerando o déficit

O resultado do ano também ficou abaixo da meta estabelecida de R$ 159 bilhões. Para 2019, a meta é de R$ 139 bilhões. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já disse e reiterou que pretende zerar o déficit neste ano, com ajuda de privatizações e outras receitas extraordinárias.

Perguntado sobre essa possibilidade, Mansueto afirmou que zerar o déficit neste ano depende de "muita receita extraordinária", ter um ganho "extremamente substancial e muito forte de receita extraordinária". Segundo o secretário, o próprio Guedes destaca isso quando fala sobre o assunto.

Mansueto disse que alguns vetores podem surpreender positivamente pelo lado da receita. Primeiro, a velocidade de recuperação da economia, que está estimada em 2,5%. A velocidade do programa de concessões. E o leilão da cessão onerosa da Petrobras.

Segundo Mansueto, estão ocorrendo reuniões semanais sobre cessão onerosa e as possíveis receitas não estão no Orçamento do ano.

Composição e Previdência

Olhando a composição do resultado, vemos que o Tesouro Nacional fez um superávit de R$ 75,654 bilhões, acima dos R$ 58,950 bilhões de 2017. Mas esse esforço fiscal é, novamente, consumido pelo déficit da Previdência, que subiu de R$ 182,450 bilhões para R$ 195,197 bilhões.

O Regime de Previdência dos Servidores Públicos fechou 2018 com déficit de R$ 95,1 bilhões, sendo R$ 46,4 bilhões dos servidores civil e R$ 43,9 bilhões dos militares e outros R$ 4,8 bilhões do Fundo Constitucional do Distrito Federal. Os dados reforçam a importância de uma reforma das regras previdenciárias para todos.

Segundo Mansueto, sem reforma da Previdência, a despesa do Regime Geral sobe de 8,5% do PIB atualmente para perto de 17% do PIB em 2060.

Perguntado sobre o andamento da reforma da Previdência, Mansueto afirmou que todo mundo do governo passado e do governo novo tem destacado a importância da reforma e o processo está muito bem conduzido.

Segundo Mansueto, a equipe técnica é a mesma do governo passado acrescido de técnicos novos "e o secretário da Previdência é um político extremamente habilidoso, capaz de explicar a reformas em 15 minutos ou 20 minutos".

Para o secretário, essa capacidade de Rogério Marinho de conversar com políticos é algo importante e facilita o entendimento da reforma. Marinho, diz Mansueto, tem mapeado os pontos mais e menos polêmicos, que vão exigir esforço maior de comunicação.

Mansueto lembrou, ainda, que Marinho relatou a reforma Trabalhista, projeto que saiu mais forte do Congresso do que entrou, algo extremamente raro.

Para Mansueto, o encaminhamento da reforma está melhora agora do que na época de Michel Temer. Além disso, há um movimento por parte dos governadores eleitos a favor da reforma.

"Temos um político extremamente habilidoso, que sabe negociar e tem uma voz muito mansa. Esse grupo de técnicos liderados por Marinho conversa com acadêmicos que estudam Previdência. E tem apoio dos governadores", resumiu Mansueto, completando que o "debate está muito mais maduro" agora.

Enquanto o governo não conseguir zerar esse déficit primário e, posteriormente, gerar resultados superavitários consistentes, o endividamento não vai parar de subir. A dívida sobre o PIB  já orbita os 80% do Produto Interno Bruto (PIB) e a trajetória é de alta enquanto não houver redução de despesas – por isso da importância da reforma da Previdência.

Na sua apresentação, o Tesouro mostra que em uma janela de 10 anos houve uma redução de 1 ponto do percentual do PIB na receita, enquanto a despesa apresentou crescimento de 3,5 pontos percentuais.

“Assim, a deterioração fiscal da última década pode ser atribuída, em sua maior parte, ao crescimento persistente da despesa”, diz o Tesouro.

Apontado para o gráfico acima, Mansueto reforçou que o problema continua sendo a despesa, apesar de ouvirmos, com frequência, que o problema da União, Estados e municípios seria a queda na receita.

Segundo Mansueto, a queda da despesa é um movimento gradual, pois mais de 90% dos gastos do governo são obrigatórios. Mesmo com mudança de lei, ponderou o secretário, o que tem de acontecer é uma mudança na taxa de crescimento dessas despesas.

Compartilhe

Sem crise

Com inflação em alta, Guedes questiona: “Qual o problema de a energia ficar um pouco mais cara?”

26 de agosto de 2021 - 6:54

Ministro afirma que economia está e vai continuar crescendo, mas admite que existem “algumas nuvens no horizonte” para o próximo ano

Economia na economia

Teto de gastos e Previdência já geraram economia de R$ 900 bi em juros, diz estudo do Ministério da Economia

8 de abril de 2021 - 12:11

Essa economia de quase R$ 1 trilhão em juros é equivalente a 28,12 vezes a despesa anual do programa Bolsa Família (de cerca de R$ 32 bilhões)

Difícil crescer

‘Foco é somar esforços para agenda de reformas’, diz presidente do Itaú Unibanco

2 de fevereiro de 2021 - 11:50

Para ele, o principal fator de atraso para a retomada econômica é a falta de um plano de vacinação e comentou o último balanço da empresa

ministro pistola

Guedes renova esperança com avanço de reformas e critica Maia

26 de janeiro de 2021 - 10:50

Ministro critica “disfuncionalidade” do sistema político por permitir que centro-esquerda domine votações, apesar da vitória da centro-direita nas eleições

entrevista exclusiva

Reformas podem voltar à pauta do Congresso em até dois meses, diz Sachsida

22 de junho de 2020 - 6:01

Em entrevista ao Seu Dinheiro, o Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia conta que o governo pretende retomar agenda pró-mercado “fraterna” no pós-crise

INSS

Como pedir concessão e prorrogação do auxílio-doença durante pandemia

3 de junho de 2020 - 13:30

Previdência seleciona perguntas mais frequentes feitas pelos segurados.

Confusão na Alesp

Reforma da Previdência de servidor paulista é aprovada em meio a tumulto na Alesp

3 de março de 2020 - 13:18

Servidores que protestavam contra o projeto do governador João Doria (PSDB) entraram em confronto com a Tropa de Choque da Polícia Militar, que estava dentro do prédio

na alesp

Reforma da Previdência em São Paulo é aprovada em primeiro turno

19 de fevereiro de 2020 - 7:13

PEC estabelece idade mínima para aposentadoria, de 62 anos para mulheres e 65 para homens, acaba com o recebimento de adicionais por tempo de serviço e proíbe a acumulação de vantagens temporárias

Expansão

Com reforma, previdência privada aberta volta a crescer

10 de fevereiro de 2020 - 8:47

No ano passado, os novos depósitos em planos de previdência privada aberta somaram R$ 126,4 bilhões, expansão de 16,9% frente a 2018. A captação líquida, que considera os resgates realizados no período, foi de R$ 55,5 bilhões, consolidando uma expansão de 40,4%

PENSATA DE DOMINGO

Nunca é tarde para entrar na bolsa. Será?

26 de janeiro de 2020 - 5:41

Hoje quero falar sobre a visão que eu e o Rodolfo compartilhamos para o ano de 2020. E, claro, o que você deve fazer com seus investimentos para chegar à aposentadoria precoce.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar