🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
ETFs

Investidor tem até o dia 29 para fazer reserva de fundo do Tesouro Direto

Fundo começa ser negociado na B3 no dia 21 de maio e, segundo o Tesouro, até 70% das cotas serão destinadas para os investidores de varejo, podendo ser comprados pelas corretoras

Estadão Conteúdo
15 de abril de 2019
8:37 - atualizado às 17:29
ETF
ETF - Imagem: Shutterstock

De patinho feio dos investimentos no Brasil, os ETFs (Exchange Traded Funds, no termo em inglês) ganham agora uma forcinha do governo, empurrão esperado já há algum tempo pelo mercado. O Tesouro Nacional abriu neste mês a oferta pública de seu primeiro fundo de renda fixa. O ETF do Tesouro Direto vai replicar uma cesta de índices com títulos públicos referenciados em inflação (títulos NTN-Bs, pós-fixados indexados ao IPCA), com a expectativa de levantar até R$ 2 bilhões por parte dos investidores.

Os interessados terão até o próximo dia 29, última segunda-feira de abril, para fazer a reserva de suas cotas. O fundo começa ser negociado na B3 no dia 21 de maio e, segundo o Tesouro, até 70% das cotas serão destinadas para os investidores de varejo, podendo ser comprados pelas corretoras. O investimento mínimo é de R$ 100 e a liquidez é diária, com saques disponíveis na conta um dia depois de solicitado.

O ETF nada mais é do que um fundo de investimento que espelha o desempenho de índices. Eles são negociados pelas bolsas de valores, como se fossem papéis de uma empresa. O maior ETF em comercialização no Brasil é o Bova11, da gestora BlackRock. Ele é primeiro ETF brasileiro e, negociado pela B3, replica a cesta do Ibovespa, com um patrimônio líquido de R$ 6,486 bilhões.

O banco Itaú-Unibanco foi a instituição escolhida para a gestão do ETF do Tesouro Direto. Atualmente, existem no Brasil 16 fundos ETFs, sendo que apenas um era de renda fixa. Foi lançado em setembro do ano passado pelo grupo sul-coreano Mirae. Nesse período, o fundo captou dos investidores R$ 130 milhões e acumula um retorno de 11,6% ao ano - ou 400% do CDI. A aplicação mínima também é de R$ 100.

Segundo o diretor da Mirae Asset, Pablo Spyer, o fundo alcança esse resultado "turbinado" por calcular o desempenho de uma carteira teórica, formada por contratos de juros futuros de três anos. "Esse é um mercado interessantíssimo para o investidor hoje. E enquanto os juros estiverem com viés de queda, os ganhos são maiores."

Sem IOF

O ETF também tem vantagens tributárias. Ele não tem a incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), como no CDB e nas demais aplicações tradicionais de renda fixa. "Os ETFs também não têm 'come-cotas', que abocanha a menor alíquota de Imposto de Renda de cada tipo de fundo", diz Spyer. Na entrada, o IR sobre ETF é de 15%, em cobrança única.

Carteira da Anbima

O fundo do Tesouro recebeu o nome de "It Now ID ETF IMA-B Fundo de Índice", mas que vem sendo chamado de "ID ETF". A carteira vai refletir o IMA-B, índice da Anbima, associação de empresas do setor, que acompanha títulos públicos referenciados em inflação, como as NTN-Bs (título pós-fixado indexado ao IPCA). O IMA-B tem hoje 14 títulos, com vencimentos de curto prazo (maio de 2019), médio prazo (maio de 2021) e vencimento longo (maio de 2055). Com isso, apesar do nome de renda fixa, ele poderá ter maior instabilidade dos que os demais investimentos do tipo, oscilando para cima ou para baixo a depender da agitação do mercado.

A taxa de administração do fundo será de 0,25% ao ano, menor que a dos fundos de investimento tradicionais de varejo, com taxas na casa de 1% ou acima. A carteira foi desenvolvida em parceria com o Banco Mundial e um dos objetivos é estimular o mercado de capitais no Brasil. O primeiro passo dos interessados em aplicar em ETF é abrir conta em uma corretora, como se faz com ações.

Para a planejadora financeira e professora de economia da ESPM Paula Sauer, o novo ETF é uma boa opção para resgatar clientes da caderneta de poupança. "Com o fato de estar atrelado à inflação, o investidor busca, além da rentabilidade, a manutenção do poder de compra", diz.

O ponto de atenção é que o ETF não paralisa a operação em períodos de dificuldade do mercado. Isso pode fazer com que o investidor tenha perdas com a oscilação. "As pessoas não são educadas financeiramente para saber que o preço de um produto de renda fixa varia ao longo do tempo, podendo inclusive gerar rendimentos negativos", afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

dívida corporativa

BTG Pactual lança o DEBB11, primeiro ETF de crédito privado do Brasil

28 de junho de 2022 - 12:17

ETF Debêntures replica o Índice Teva Debêntures DI, que consiste numa carteira teórica de títulos de dívida emitidos por empresas

O AGRO É POP

BB DTVM lança o AGRI11, primeiro ETF que segue o novo índice do agronegócio na B3

24 de maio de 2022 - 15:56

Na estreia, os papéis AGRI11 operam em alta; o ETF é o segundo fundo voltado ao agronegócio que a gestora do Banco do Brasil lança neste ano

TER OU NÃO TER, EIS A QUESTÃO….

Bom ponto de entrada? XP Asset cria ETF com aporte inicial de R$ 10 em big techs; confira detalhes do fundo

19 de maio de 2022 - 13:47

Ações de empresas como Alphabet, Amazon, Apple, Netflix e Meta têm passado por uma correção nos últimos meses, em meio a um cenário de inflação e juros altos que joga contra essas gigantes

NOVIDADES NA BOLSA

Vitreo lança primeiro ETF de criptomoedas com atualização mensal da carteira na B3; saiba onde investe o CRPT11

12 de maio de 2022 - 16:37

O novo ETF da B3 terá o código CRPT11, com exposição a 20 ativos diferentes, incluindo moedas do metaverso, finanças descentralizadas (DeFis), NFT e, é claro, bitcoin (BTC)

CUIDADO COM SEUS DADOS

Alerta vermelho: risco de ataques hacker é real e Mercado Livre (MELI34) está na lista de vítimas; ação de segurança cibernética pode subir 100% com casos assim; entenda

11 de abril de 2022 - 16:47

Crimes digitais contra empresas não param de crescer e um hacker pode atacar seus dados a qualquer momento; assim, empresas de proteção cibernética estão num ritmo agressivo de crescimento – e você pode lucrar com isso na Bolsa

IR 2022

Como declarar ETF no imposto de renda, sejam eles de ações ou renda fixa

6 de abril de 2022 - 7:00

Os fundos de índice, conhecidos como ETFs, têm cotas negociadas em bolsa, e podem ser de renda fixa ou renda variável. Veja como informá-los na declaração em cada caso

guardando a pontinha

Investir em maconha vale a pena? Os fundos de cannabis despencaram, mas seus gestores seguem firmes na proposta; entenda por quê

5 de março de 2022 - 11:22

Especialistas acreditam que avanços na regulamentação e na legalização da maconha devem prosseguir nos próximos anos, beneficiando esses fundos

A pontinha do iceberg

Os fundos de cannabis acumulam perdas de quase 50% em 12 meses, mas seus entusiastas seguem firmes na tese de investimento; entenda por quê

2 de março de 2022 - 6:54

Ainda que possa haver acomodação, os avanços na regulamentação e na legalização devem prosseguir nos próximos anos, beneficiando esses ETFs

ETFs de Treasuries

Lucrando com a alta dos juros nos EUA: primeiros ETFs de renda fixa internacional estreiam na B3 e permitem investir nos Treasuries

14 de fevereiro de 2022 - 17:42

B3 e BlackRock lançam seis BDRs de ETFs estrangeiros lastreados em títulos do Tesouro americano, cujos retornos vêm subindo com a iminência do aperto monetário nos EUA

NOVATO NA TURMA

B3 terá dois novos ETFs de criptomoedas com exposição aos DeFis — e o primeiro deles começa a ser negociado hoje

8 de fevereiro de 2022 - 11:54

Com os novos fundos de índice, o investidor pode se expor ao novo mercado financeiro sem a necessidade de encarar telas complicadas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies