🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-14T17:44:36-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
NOVATO NA TURMA

B3 terá dois novos ETFs de criptomoedas com exposição aos DeFis — e o primeiro deles começa a ser negociado hoje

Com os novos fundos de índice, o investidor pode se expor ao novo mercado financeiro sem a necessidade de encarar telas complicadas

8 de fevereiro de 2022
11:54 - atualizado às 17:44
Novo ETF de DeDi na B3
Confira o que fazem os ETFs novatos na bolsa brasileira com exposição às DeFis. Imagem: Shutterstock

Enquanto os Estados Unidos ainda aguardam o primeiro fundo de índice (ETF, em inglês) com exposição ao preço à vista do bitcoin (BTC), a bolsa brasileira já está anos à frente no quesito inovação. Aliás, a B3 terá dois novos ETFs listados neste mês, ambos com exposição às finanças descentralizadas, as DeFis

Como o próprio nome sugere, as DeFis são uma nova forma de acesso a produtos do sistema financeiro, como empréstimos e investimentos, sem a necessidade de uma instituição intermediária. Você pode entender um pouco mais sobre elas na nossa matéria especial sobre o tema.

O primeiro ETF de DeFi começa a ser negociado nesta terça-feira (08) e é oferecido pela QR Capital, que já possui outros dois ETFs com exposição ao bitcoin e ao ethereum (ETH).

Conheça o QDFI11, o ETF de DeFi

Com o ticker QDFI11, esse será o primeiro fundo com exposição total a protocolos de finanças descentralizadas.

O ETF terá como índice de referência o Bloomberg Galaxy DeFi Index, que acompanha o desempenho das principais plataformas de finanças descentralizadas do mundo, e cobra uma taxa de administração de 0,9% ao ano

Atualmente, o Bloomberg Galaxy DeFi Index tem exposição a nove protocolos de finanças descentralizadas, sendo eles:

  • Uniswap (UNI)
  • Aaave Decentralized Lending Pools (AAVE)
  • MakerDao (MKR)
  • Compound (COMP)
  • Yearn.finance (YFI)
  • SushiSwap (SUSHI)
  • 0X (ZRX)
  • Synthetix (SNX)
  • Curve (CRV).

Logo após a abertura, o QDFI11 era negociado em alta de 1,55% na B3, cotado a R$ 9,85, em linha com a alta internacional do mercado cripto nesta terça-feira.

Já a Hashdex…

Quem também desponta na produção de fundos de índice focados em criptomoedas é a Hashdex, que irá lançar o DEFI11, também com exposição às DeFis. 

A gestora é responsável pelo HASH11, o primeiro ETF da bolsa brasileira e que segue o NCI, índice criado pela própria Hashdex e pela Nasdaq, além do BITH11 e do ETHE11, que dão exposição a bitcoin e ether, respectivamente. 

O novo ETF tem previsão de ser lançado no dia 11 de fevereiro e terá taxa de administração total de 1,3% ao ano.

Esse novo fundo de índice foi desenvolvido em parceria com o CF Benchmarks, um provedor de índices, e replica o desempenho do CF DeFi Modified Composite Index, composto por 12 ativos, divididos em três categorias. São elas: 

Protocolos DeFi que oferecem soluções práticas para serviços financeiros:

  • Uniswap (UNI)
  • Aaave Decentralized Lending Pools (AAVE)
  • Compound (COMP)
  • Maker (MKR)
  • Yearn.finance (YFI)
  • Curve (CRV).
  • Synthetix (SNX)
  • Amp (AMP)

Protocolos de Suporte, que auxiliam protocolos DeFi com serviços de armazenamento e consulta de dados, verificação de identidade e soluções de escalabilidade:

  • Polygon (MATIC)
  • Chainlink (LINK)
  • The Graph (GRT)

Plataformas de Registro, blockchain nas quais as transações são validadas e registradas:

  • Rede ethereum (ETH), que inclui outras criptomoedas como Solana (SOL), Polkadot (DOT), etc.

Por que DeFis?

Os protocolos de DeFi chegaram a atingir mais de US$ 100 bilhões em valor total armazenado (TVL, em inglês), mas perderam parte desse montante durante a queda do mercado de criptomoedas nos últimos meses.

Alguns analistas acreditam que esses protocolos possam substituir o sistema financeiro atual, com taxas menores e sistemas totalmente autônomos, sem a necessidade de uma empresa ou entidade por trás do projeto.

Contudo, existem dois pontos que os especialistas destacam para o crescimento limitado das finanças descentralizadas. 

Em primeiro lugar, como o próprio nome já diz, as DeFis são uma nova forma de acesso a produtos do sistema financeiro, como empréstimos, troca de moedas etc. Toda essa novidade tende a elevar a cautela dos investidores — um dos principais protocolos do gênero, o Uniswap, tem menos de três anos de existência

Em segundo lugar, o acesso a esses protocolos de DeFi é pouco intuitivo e de difícil uso para quem não está acostumado com aquele ecossistema.

Ou seja, comprar um ETF pode ser uma boa oportunidade de exposição às DeFis sem a necessidade de entrar de cabeça em um desses protocolos. 

Mas vale lembrar que o mercado de criptomoedas é altamente volátil, mesmo que elas estejam no formato de um ETF. Os especialistas recomendam cautela antes de investir em qualquer produto de ativos digitais.

"Este mercado é novo e pequeno e, sobretudo, dentro do mercado de cripto, representa menos de 5% do total. Mas quando pensamos em países emergentes, como o Brasil, temos a possibilidade de democratizar o acesso de serviços financeiros, uma tendência mundial em crescimento, como aconteceu com as fintechs", comenta Alexandre Ludolf, diretor de investimentos da QR Asset.

Um ano difícil para os ETFs da B3

Desde o início do ano, com a pressão sobre as criptomoedas, os fundos de índice também sofreram, mesmo com o bom momento da bolsa brasileira. No acumulado até esta terça-feira (08), os ETFs registravam perdas na casa dos dois dígitos:

TickerGestoraVariação (%)
HASH11Hashdex-15,70%
ETHE11Hashdex-22,08%
BITH11Hashdex-12,54%
QBTC11QR Capital-12,44%
QETH11QR Capital-22,09%
Fonte: Google Finance
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ELEIÇÕES 2022

Ô abre alas que Braga Netto vem aí! General da reserva é exonerado e tem caminho livre para ser vice de Bolsonaro

Bolsonaro havia confirmado no domingo (27) o nome de Braga Netto como seu vice na chapa que disputará a reeleição deste ano, causando um pouco de desconforto entre aliados que esperavam a escolha de Tereza Cristina (PP), ex-ministra da Agricultura

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies