Menu
2019-05-09T19:30:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

Congresso mostra os dentes ao tirar Coaf de Sergio Moro, mas redes sociais rugem de volta

Congresso tenta impor derrota ao governo, mas atinge mesmo o popular ministro da Justiça e atiça a ira dos apoiadores do ex-juiz da Lava Jato. Bolsonaro espera que mudança seja revertida

9 de maio de 2019
16:13 - atualizado às 19:30
Sérgio Moro
Sérgio Moro - Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Ao longo da semana acompanhei encafifado as manobras para retirada do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) das mãos do ministro da Justiça, Sergio Moro. Estava tentando entender a questão utilizando da lógica do mundo normal, me esquecendo da lógica política de certas movimentações.

Dentro do que chamo de lógica normal, me perguntava qual seria o motivo de tanta celeuma com um órgão eminentemente técnico, de baixo orçamento, onde um punhado de servidores analisa milhões e milhões de dados.

Se perguntarmos aos parlamentares, creio que grande parte não faz ideia de como funciona o Coaf. Assim, tanto faz essa estrutura estar no Ministério da Justiça ou de volta ao Ministério da Fazenda, agora Economia, onde esteve desde 1998, ou mesmo ficar separado em qualquer outro lugar.

Mas na lógica da política meus questionamentos pouco importam. O que os parlamentares querem com isso é mostra força, impor um desgaste ao governo Jair Bolsonaro, que precisa negociar e barganhar votos para aprovar suas Medidas Provisórias, projetos de lei e reformas.

Sergio Moro pode ser visto como um “selo de ética” do governo, figura respeitada e admirada pela população, sendo mais popular, por grande margem, que o próprio presidente. Atacar e impor uma derrota a uma figura desses é uma grande demonstração de força.

Cutucando as redes com vara curta

No entanto, essa estratégia de desgastar o Bolsonaro via Moro pode se virar contra o próprio Congresso, já que a reação das redes sociais, muito acompanhadas pelo governo, é de claro apoio ao ex-juiz da Lava Jato e de repúdio aos congressistas que votaram pela mudança na comissão que analisa a matéria.

Assim como os parlamentares, creio que grande parte da opinião pública não entende como funciona o Coaf, mas isso pouco importa. O que importa aqui é que Sergio Moro está sob ataque e precisa ser defendido. Não por acaso, o tema é o mais comentado no “Twitter”, superando 90 mil menções.

Aos olhos da política, é sim um desgaste para o governo, que não conseguiu defender um de seus principais ministros. Mas sob o olhar da opinião pública, a culpa é do Congresso.

Pode ser que essa pressão sobre os parlamentares diminuía e que prevaleça a visão política, mas também poderemos ver uma mudança de postura do Congresso quando a medida for aos plenários da Câmara e Senado. Há uma medição de forças acontecendo, resta saber para que lado a corda arrebentará.

Em live no "Facebook", na noite de quinta-feira, Bolsonaro fez um breve comentário sobre o assunto, esclarecendo que a decisão foi tomada pela comissão e dizendo esperar que os plenários da Câmara e do Senado "mantenham o Coaf lá na mão do Sergio Moro", pois é um órgão importante para combater a corrupção e lavagem de dinheiro.

Para o leitor que quiser entender o funcionamento do Coaf, fica aqui o link da matéria que fiz quanto a sigla entrou em destaque depois do caso envolvendo Flávio Bolsonaro e o ex-assessor Fabrício Queiroz. Aliás, uma das razões para parte dos parlamentares se oporem à mudança e falarem que teríamos um "órgão policialesco".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Banco estatal

Bolsonaro afirma que Caixa era ‘verdadeira arca de Noé, cada diretoria tinha um partido’

Comentário do presidente foi feito durante o lançamento da nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa do banco

Climão em Brasília

Pelo Twitter sobre guerra com o Congresso, Bolsonaro afirma que democracia nunca esteve tão forte

Postagem foi lacônica e aparece na sequência de uma série de desentendimentos entre o governo e o Congresso

Aos trabalhos

STF inicia julgamento sobre lei que dá base ao programa de ferrovias

Pauta é importante para a prorrogação antecipada da concessão da Malha Paulista

Lugar de gente feliz?

Ações do GPA despencam 7% após balanço mostrar fraqueza no setor de multivarejo

A divisão de multivarejo do GPA — encabeçada pelas redes Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem — reportou queda na receita e piora nas margens, gerando uma onda de pessimismo em relação às ações da empresa

Mais crédito

Caixa vai disponibilizar R$ 10 bilhões para crédito imobiliário com taxa fixa

Linha entra em vigor a partir desta sexta-feira, 21, com taxas a partir de 8%

Caiu mal

Hambúrguer indigesto? Ações do Burger King despencam 7% após empresa entregar resultados medianos

Resultados operacionais da rede de fast food preocupam os investidores; analistas do BTG, no entanto, enxergam resultado dentro do esperado

Benditas reformas

Não haveria juros baixos e inflação se não fossem as reformas, diz BC

“Precisamos continuar programa de reformas”, disse Roberto Campos Neto, que também afirmou que o crédito imobiliário é chave para o crescimento do Brasil

Baixe aqui

Programa para preencher a declaração de IR 2020 já está disponível para download; saiba como baixar

Programa Gerador da Declaração já está disponível no site da Receita. Também é possível declarar o imposto de renda por app ou on-line, via certificado digital.

discordância em minas gerais

Partido Novo critica governador de MG por reajuste a bombeiros e PMs

Aumento salarial de várias categorias deverá ter impacto de mais de R$ 20 bilhões para os cofres do governo mineiro

em relatório

Impacto do coronavírus em receita de aéreas na Ásia pode ser de US$ 28 bilhões, diz associação

Para empresas fora da região, a entidade estima um impacto nas receitas de aproximadamente US$ 1,5 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements