Menu
2019-05-29T06:49:55-03:00
Estadão Conteúdo
ato simbólico

Vinte e nove senadores registram voto a favor de Coaf com Moro

Entre os parlamentares que insistiram em registrar seu posicionamento apesar de a votação do destino do Coaf ter sido simbólica, estão seis senadores do Podemos, seis do PSD e três do PSDB

29 de maio de 2019
6:49
Plenário do Senado
Presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), conversa com parlamentares. - Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

Após o Senado aprovar a reforma administrativa tirando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça e Segurança Pública e devolvendo o órgão para o Ministério da Economia, 29 senadores fizeram questão de registrar o voto favorável à manutenção do órgão com o ministro Sergio Moro.

Os nomes foram citados em plenário pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A votação ocorreu após apelo do governo para que o Senado aprovasse o mesmo texto que passou pela Câmara e evitasse que a medida provisória perdesse a validade - o que poderia ocorrer no próximo dia 3.

Entre os parlamentares que insistiram em registrar seu posicionamento apesar de a votação do destino do Coaf ter sido simbólica, estão seis senadores do Podemos, seis do PSD e três do PSDB (confira a lista completa abaixo).

Após a sessão, o presidente do Senado comemorou a votação e fez questão de lembrar que, se o item sobre o Coaf fosse para votação nominal, 30 votos entre os 78 senadores presentes não seriam necessários para reverter o cenário. "Quanto é 30 de 78? Como tem maioria? Eram 48 contra 30", disse. Questionado sobre o líder do PSB, Jorge Kajuru (GO), que protestou contra o Senado "carimbar" o texto da Câmara, Alcolumbre comentou que o parlamentar goiano "precisa entender que o presidente da República fez um apelo para o Senado".

Senadores que registraram posicionamento a favor de manter o Coaf no Ministério da Justiça:

Rodrigo Cunha (PSDB-AL)
Plínio Valério (PSDB-AM)
Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Jorge Kajuru (PSB-GO)
Leila Barros (PSB-DF)

Fabiano Contarato (Rede-ES)
Randolfe Rodrigues (Rede-ES)
Flávio Arns (Rede-PR)

Omar Aziz (PSD-AM)
Angelo Coronel (PSD-BA)
Arolde de Oliveira (PSD-RJ)
Otto Alencar (PSD-BA)
Carlos Viana (PSD-MG)
Sérgio Petecão (PSD-AC)

Eduardo Girão (Pode-CE)
Alvaro Dias (Pode-PR)
Lasier Martins (Pode-RS)
Styverson Valentim (Pode-RN)
Rose de Freitas (Pode-ES)
Oriovisto Guimarães (Pode-PR)

Dário Berger (MDB-SC)
Simone Tebet (MDB-MS)
Luiz do Carmo (MDB-GO)

Marcos do Val (Cidadania-ES)
Alessandro Vieira (Cidadania-ES)

Jorginho Mello (PL-SC)
Espiridião Amin (PP-SC)
Telmário Mota (PROS-RR)
Reguffe (sem partido-DF)

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies