Menu
2019-05-28T23:25:26-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

Governo aprova MP do Coaf e Sergio Moro perdeu, mas ganhou

Prevaleceu o cálculo político e governo viu que misturar política com redes sociais e a voz das ruas pode ser algo perigoso para seus próprios planos

29 de maio de 2019
5:21 - atualizado às 23:25
Jair Bolsonaro (esquerda) e Sergio Moro

Não existe velha política e nova política, o que existe é a política. Tal constatação ficou evidente, ontem, enquanto os senadores debatiam a medida provisória 870, que fez a reestruturação administrativa do governo Jair Bolsonaro e mexeu no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que quase ninguém sabe o que é, mas que estava com o ministro Sergio Moro.

Quando tratei do assunto, após a votação na Câmara, ponderei que a retirada do Coaf do Ministério da Justiça, era uma derrota auto imposta pelo Congresso, que tinha comprado briga com o ministro mais popular da Esplanada.

Disse, ainda, que um ataque a um símbolo do combate à corrupção poderia gerar reação das redes e das ruas, como visto no dia 26. Mas ponderei, também, que assistiríamos a um embate entre o cálculo político e a possível repercussão junto à opinião pública. O palco seria o Senado.

Se o governo embarcasse na onda de manter o Coaf com Moro correria o risco de ver a MP caducar e, da noite para o dia, teríamos de volta 29 ministérios. Moro, especificamente, além de perder o Coaf também ficaria sem o Ministério da Segurança Pública, que foi aglutinado ao Ministério da Justiça.

No fim, o cálculo político prevaleceu. A MP foi aprovada da forma como veio da Câmara, mesmo que sob protesto de 30 dos 78 senadores presentes, e vai para sanção presidencial.

Moro perde o Coaf, mas mantém a Segurança Pública e o governo não vê desmoronar sua estrutura administrativa. É um caso de “perdeu, mas ganhou”, coisas da política.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Mas além do resultado, o processo aqui também importa. Na semana passada, o próprio Bolsonaro já havia optado pelo pragmatismo político ao dizer que a MP tinha conservado 95% do texto original e que a decisão da Câmara, de tirar o Coaf de Moro e colocar a estrutura de volta dentro do Ministério da Economia, era mais do que um direito, era uma posição legítima do Parlamento.

Pois bem, a MP chegou ao Senado no limite do prazo e acompanhada de uma carta assinada por Bolsonaro, Moro e pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo a manutenção do texto vindo da Câmara, com o Coaf longe do ministro da Justiça.

Cartas sempre causam furor no ambiente político, já que “verba volant, scripta manent” e, assim, foi aberto o espaço para assistirmos a cenas explicitas de política.

Não faltaram senadores falando das manifestações de domingo para justificar suas duras críticas à postura do presidente Bolsonaro, que inflama as redes contra a tal velha política, mas depois pede para os parlamentares fazerem o exato oposto do que as ruas clamam.

Humildade também foi um termo bastante utilizado para caracterizar a postura de Bolsonaro. Mas termos menos lisonjeiros também apareceram, sugerindo que o presidente atua por conveniência, já que tem o filho entre os agraciados por um relatório de inteligência do Coaf.

Também vimos a oposição e gente aguerrida contra Bolsonaro defendendo o pedido de manter o Coaf sob o Ministério da Economia.

Assistimos a interessantes exercícios de retórica, ponderando que embora Moro tivesse pedido apoio para manter o Coaf sob sua jurisdição, isso foi quando havia tempo para que a MP passasse sem aperto pelas duas casas.

O que toda essa movimentação nos mostra é que uma máxima de Getulio Vargas nunca sai de moda: se ninguém é tão amigo que não possa virar inimigo, também não existem inimigos que não possam ser convertidos em amigos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Com juro menor, transferência de dívida de imóvel dispara

Ao fazer a portabilidade do financiamento, o consumidor pode conseguir reduzir o valor das parcelas e melhorar as condições do empréstimo

Um futuro melhor

Pesquisa global mostra brasileiros otimistas

Em 15 dos 28 países houve maioria de pessimistas. Esse grupo inclui todos os mercados mais desenvolvidos

CONTAGEM REGRESSIVA

Foi dada a largada para sua aposentadoria aos 40 anos (ou o quanto antes)…

Hoje pode começar a contagem regressiva para a sua aposentadoria precoce. Estou falando em ir do zero à liberdade financeira o mais rápido possível. Sim, você pode se aposentar aos 40 ou o quanto antes. Como? Eu gravei um vídeo para explicar todos os detalhes do projeto. Estou falando em ter dinheiro suficiente para fazer […]

exile on wall street

Ganhos exponenciais num futuro não tão distante

Estamos vivenciando hoje o grande salto tecnológico, capaz de criar negócios inimagináveis, ou de transformar brutalmente as companhias da velha economia em verdadeiras fortalezas

dinheiro no caixa

Governo recupera R$ 5,2 bilhões em dívidas quitadas de empresas com o Simples

Simples Nacional é um regime tributário especial que reúne o pagamento de seis tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado por estados e pelo Distrito Federal, e do Imposto Sobre Serviços (ISS), arrecadado pelos municípios

Renda variável

UBS vê céu azul para bolsa brasileira, com alta de até 15% sobre emergentes

Desempenho da bolsa deve ser impulsionado pela recuperação da economia e dos lucros das empresas, além do ciclo de reformas e da migração de recursos para o mercado de ações, segundo os analistas do banco suíço

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

expectava para o evento

Em Davos, vou relatar que tiramos o Brasil da margem do abismo fiscal, diz Guedes

Sobre a decisão de Bolsonaro de não comparecer a Davos, o ministro reconheceu que, sempre que o presidente entrega pessoalmente a sua mensagem, “a imagem do país é fortalecida”

Dados da Oxfam

Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas

Segundo cálculos da Oxfam, o valor monetário global do trabalho de cuidado não remunerado prestado por mulheres a partir dos 15 anos é de US$ 10,8 trilhões por ano, três vezes maior que o estimado para o setor de tecnologia do mundo

Mercados hoje

Ibovespa acompanha bolsas da Europa e opera em queda; dólar sobe a R$ 4,18

Os mercados financeiros globais têm um início de semana pouco movimentado, uma vez que as bolsas dos Estados Unidos estarão fechadas nesta segunda-feira (20), em comemoração ao Dia de Martin Luther King. Nesse cenário de pouca liquidez, o Ibovespa abriu em baixa, acompanhando as praças europeias. A filosofia da aposentadoria precoce: já pensou poder se […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements