Menu
2019-05-28T23:25:26-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

Governo aprova MP do Coaf e Sergio Moro perdeu, mas ganhou

Prevaleceu o cálculo político e governo viu que misturar política com redes sociais e a voz das ruas pode ser algo perigoso para seus próprios planos

29 de maio de 2019
5:21 - atualizado às 23:25
Jair Bolsonaro (esquerda) e Sergio Moro

Não existe velha política e nova política, o que existe é a política. Tal constatação ficou evidente, ontem, enquanto os senadores debatiam a medida provisória 870, que fez a reestruturação administrativa do governo Jair Bolsonaro e mexeu no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que quase ninguém sabe o que é, mas que estava com o ministro Sergio Moro.

Quando tratei do assunto, após a votação na Câmara, ponderei que a retirada do Coaf do Ministério da Justiça, era uma derrota auto imposta pelo Congresso, que tinha comprado briga com o ministro mais popular da Esplanada.

Disse, ainda, que um ataque a um símbolo do combate à corrupção poderia gerar reação das redes e das ruas, como visto no dia 26. Mas ponderei, também, que assistiríamos a um embate entre o cálculo político e a possível repercussão junto à opinião pública. O palco seria o Senado.

Se o governo embarcasse na onda de manter o Coaf com Moro correria o risco de ver a MP caducar e, da noite para o dia, teríamos de volta 29 ministérios. Moro, especificamente, além de perder o Coaf também ficaria sem o Ministério da Segurança Pública, que foi aglutinado ao Ministério da Justiça.

No fim, o cálculo político prevaleceu. A MP foi aprovada da forma como veio da Câmara, mesmo que sob protesto de 30 dos 78 senadores presentes, e vai para sanção presidencial.

Moro perde o Coaf, mas mantém a Segurança Pública e o governo não vê desmoronar sua estrutura administrativa. É um caso de “perdeu, mas ganhou”, coisas da política.

Mas além do resultado, o processo aqui também importa. Na semana passada, o próprio Bolsonaro já havia optado pelo pragmatismo político ao dizer que a MP tinha conservado 95% do texto original e que a decisão da Câmara, de tirar o Coaf de Moro e colocar a estrutura de volta dentro do Ministério da Economia, era mais do que um direito, era uma posição legítima do Parlamento.

Pois bem, a MP chegou ao Senado no limite do prazo e acompanhada de uma carta assinada por Bolsonaro, Moro e pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo a manutenção do texto vindo da Câmara, com o Coaf longe do ministro da Justiça.

Cartas sempre causam furor no ambiente político, já que “verba volant, scripta manent” e, assim, foi aberto o espaço para assistirmos a cenas explicitas de política.

Não faltaram senadores falando das manifestações de domingo para justificar suas duras críticas à postura do presidente Bolsonaro, que inflama as redes contra a tal velha política, mas depois pede para os parlamentares fazerem o exato oposto do que as ruas clamam.

Humildade também foi um termo bastante utilizado para caracterizar a postura de Bolsonaro. Mas termos menos lisonjeiros também apareceram, sugerindo que o presidente atua por conveniência, já que tem o filho entre os agraciados por um relatório de inteligência do Coaf.

Também vimos a oposição e gente aguerrida contra Bolsonaro defendendo o pedido de manter o Coaf sob o Ministério da Economia.

Assistimos a interessantes exercícios de retórica, ponderando que embora Moro tivesse pedido apoio para manter o Coaf sob sua jurisdição, isso foi quando havia tempo para que a MP passasse sem aperto pelas duas casas.

O que toda essa movimentação nos mostra é que uma máxima de Getulio Vargas nunca sai de moda: se ninguém é tão amigo que não possa virar inimigo, também não existem inimigos que não possam ser convertidos em amigos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

alerta

Lockdown maior do que esperado pode gerar 1º semestre um pouco pior, diz presidente do BC

Com a vacina, o segundo semestre deverá registar uma taxa de crescimento econômico melhor, disse Roberto Campos Neto

Esquenta dos Mercados

Destaques do dia incluem saída de conselheiros da Petrobras, votação de PEC emergencial e dados do PIB

Como se não bastasse, a divulgação de dados da economia norte-americana deve influenciar na cautela da bolsa de hoje

temos um desafiante

Via Varejo supera projeções no 4º tri e mostra que quer a coroa do e-commerce

Reestruturação promovida pela administração e mudança de hábito dos consumidores faz vendas pela internet crescerem três dígitos

nova crise?

Após interferência, quatro conselheiros da Petrobras pedem para não ter mandatos renovados

Para Paulo Guedes, decisão de trocar o comando da estatal foi “satisfação política” que Bolsonaro deu aos caminhoneiros

Seu mentor de investimentos

Os segredos de um bom especulador: como ganhar dinheiro sem ter medo do lucro

Se para cada hora que gastar “treidando” você dedicar outras três estudando poderá até ser um ótimo especulador. Mas tem de seguir algumas regrinhas básicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies