Menu
2019-05-23T09:00:37-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A Política como ela é

Coaf de volta à Economia é derrota auto imposta pelo Congresso, não é derrota do Bolsonaro

Resultado apertado em votação na Câmara dos Deputados inflama redes sociais e deve engrossar manifestações do dia 26. Moro agradece votos favoráveis

22 de maio de 2019
22:30 - atualizado às 9:00
O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro fala em Davos
O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, fala em Davos. - Imagem: Alan Santos/PR/Fotos Públicas

Terminava de jantar e vem o William Bonner com uma notícia de última hora. “Derrota do governo”, anuncia o âncora do “Jornal Nacional”, sobre o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) voltar para o Ministério da Economia. Já sabia do resultado da votação da emenda à medida provisória 870, por isso jantava. Mas ao ouvir ao Bonner expressando tanta certeza, pensei: “Derrota do governo mesmo?”

Faz semanas estou tentando entender essa movimentação específica em torno de um órgão eminentemente técnico, que reúne um pequeno número de servidores analisando milhões de comunicações sobre movimentações financeiras suspeitas e usuais, que por lei são obrigadas a serem informadas.

Tinha a ideia de que o Congresso tentava impor uma derrota não ao governo diretamente, apesar da tradicional lógica da política dizer isso, mas sim ao ministro Sergio Moro, que é figura mais admirada que o próprio Jair Bolsonaro. Moro é o “selo de ética” desse governo.

Minha tese de que a briga era com Moro ficou reforçada durante a etapa de debates envolvendo a emenda. Alguns deputados de centro e oposição falaram da personificação do Coaf na figura do ministro.

Outras parlamentares tinham o mesmo tom, mas utilizam um verniz mais técnico, alegando que até nos EUA, tão admirado pelo governo atual, estrutura semelhante, fica sob o comando da Economia e não da Justiça.

Quando abordei o tema no começo do mês, pouco depois de a comissão especial propor a volta do Coaf para a estrutura da Economia, falei que o Congresso tinha mostrado os dentes para Moro, mas que as redes sociais tinham rugido de volta. De fato, o assunto esteve entre os mais comentados daquele dia nas redes sociais.

Repito aqui o disse na ocasião: Aos olhos da política, é sim um desgaste para o governo, que não conseguiu defender um de seus principais ministros. Mas sob o olhar da opinião pública, a culpa é do Congresso.

Tenho essa avaliação reforçada. A impressão é de que parte dessa pressão popular sobre os congressistas é o que explica o placar apertado de 228 a 210. Isso também esteve na fala de alguns deputados, que disseram que não paravam de receber mensagens via “Whatsapp”, “Facebook” e “Twitter” para manter o órgão com Moro, como desenhou a MP 870.

A julgar pela primeira reação das redes, com o assunto Coaf novamente entre os mais comentados após a votação, a culpa não deve ficar com Bolsonaro e sua ainda claudicante articulação política. A culpa vai cair na conta do Congresso, da classe política, dos deputados e do famigerado Centrão.

Essa postura do Congresso, de ataque a um símbolo do combate à corrupção, pode vir a reforçar as manifestações previstas para o dia 26. Movimento que tem gerado rachas entre apoiadores do governo, em função de algumas mensagens favoráveis ao fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Aguardemos, agora, os próximos movimentos, não só da MP 870, que vai ao Senado, mas também do que virá dessas manifestações do dia 26 e qual leitura prevalecerá sobre o movimento. Muitas vezes, mais importante que o fato, são as versões do fato.

O que é visível, agora, é que a pressão das redes vai se concentrar nos senadores, para que mantenham o Coaf com o ex-juiz da Lava Jato. Aqui, novamente, veremos um embate entre o cálculo político, pois há um prazo para que a MP seja votada, caso contrário termos de volta 29 ministérios, e a possível repercussão junto à opinião pública ou parte dela.

No Senado, a forte pressão popular, com um empurrãozinho do governo, já mostrou efeito, pois Renan Calheiros (MDB-AL) entrou no plenário em 2 de fevereiro como se eleito estivesse para comandar a Casa, mas saiu antes mesmo do fim da sessão que elegeu Davi Alcolumbre.

Para o leitor que quiser entender o funcionamento do Coaf, fica aqui o link da matéria que fiz quando a sigla entrou em destaque depois do caso envolvendo Flávio Bolsonaro e o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

nos bastidores

Em meio a crise, Hamilton Morão ganha apoio de militares

Vice foi o único dos generais quatro estrelas que despacham no palácio a se dissociar, em público, do discurso do presidente pelo fim da quarentena

Contra covid-19

UE aprova pacote francês de 1,2 bilhão de euros para empresas do país

UE aprovou nesta segunda-feira, 30, o pacote francês de 1,2 bilhões de euros para sustentar pequenas e médias empresas do país, em meio à pandemia

olho nas cifras

Contas do governo têm déficit de R$ 25,8 bilhões em fevereiro

Resultado é pior que as expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um déficit de R$ 20,53 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast

crise

Brasil é diferente, diz Bolsonaro ao evitar comentar isolamento nos EUA

Presidente dos EUA estendeu o isolamento social até o dia 30 de abril; Bolsonaro voltou a falar em liberar o comércio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements