Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-11-11T19:21:17-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Onde Bolsonaro encontra Dilma

11 de novembro de 2019
19:21
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Albert Einstein já dizia que é loucura repetir a mesma coisa esperando obter resultados diferentes. Pois o governo aposta em uma fórmula que já se mostrou equivocada no passado recente para tentar resolver um problema crônico do país: o desemprego.

A desoneração da folha de pagamento, medida que foi adotada no governo Dilma, é um dos pilares do "Programa Verde Amarelo", principal conjunto de iniciativas da gestão de Jair Bolsonaro para ampliar a oferta de postos de trabalho.

Enquanto Dilma escolheu setores que geram mais empregos como beneficiários, o programa de Bolsonaro vai atacar o desemprego na faixa etária mais carente: jovens de 18 a 29 anos.

Pelo que circulou em Brasília, a medida originalmente previa a redução de encargos na contratação de trabalhadores acima de 55 anos. Mas os mais experientes acabaram de fora da edição final da medida que será encaminhada pelo governo.

A julgar pelo passado recente, estou bastante cético com a eficácia da medida. Mas vale lembrar que, na gestão Dilma, a desoneração da folha veio em um momento em que a economia já estava bastante desordenada em meio à profusão de incentivos fiscais.

Seja qual for o resultado, qualquer iniciativa que traga algum alento aos 12,5 milhões de brasileiros que estão em busca de trabalho é bem vinda.

Para mostrar a importância do tema, o anúncio das medidas contou com a presença do próprio Jair Bolsonaro. O Eduardo Campos foi ao Palácio do Planalto e traz os principais detalhes do novo plano de geração de empregos para você.

Tá caro e cheio de gente

Uma das missões de vida que nós assumimos no Seu Dinheiro é fazer você investir melhor. Então imagine como ficamos aqui na redação quando a Julia Wiltgen veio com essa notícia: quase 2 milhões de cotistas investem em fundos DI que hoje têm uma rentabilidade abaixo da inflação. O levantamento foi feito pela gestora de investimentos digital Magnetis. Na prática, isso significa que tem muita gente em fundo caro e perdendo dinheiro. Se você por acaso está entre eles, saiba o que fazer nesta matéria que a Julia escreveu.

Preso ou solto?

Tanto faz. Na sexta-feira os investidores entraram em um verdadeiro espiral de preocupações com a soltura do ex-presidente Lula. Mas, passado o olho do furacão, a realidade parece mostrar um cenário muito mais tranquilo para os mercados. Um dos que acreditam nesse impacto bem menor do que o desenhado é o cientista político e sócio da Arko Advice, Lucas de Aragão. O Edu Campos bateu um papo com ele para descobrir detalhes e justificativas para essa visão política, e todos eles você confere nesta matéria.

Um dia após o outro

No fim de semana e até a manhã de hoje, quando dei uma olhada nos principais jornais para me atualizar das novidades da política, economia e (por que não?) do futebol, percebi que a segunda-feira seria difícil. E não só pela derrota do meu São Paulo. Da incerteza com o cenário político no Brasil à renúncia de Evo Morales na Bolívia, teve de tudo. Com tanta coisa acontecendo não deu outra: a bolsa abriu em forte queda logo na abertura. Mas ao longo do dia os ânimos foram se acalmando. Confira na nossa cobertura de mercados o que fez o Ibovespa se recuperar e fechar na máxima do dia.

Gosto ruim

Sabe aquela sensação horrível de colocar uma bolacha (biscoito?) na boca e ela estar murcha, como se tivesse passado vários dias fora do pacote? Foi mais ou menos essa sensação que os acionistas da M. Dias Branco tiveram ao abrir o balanço da fabricante de alimentos, dona de marcas como Adria e Piraquê. Os resultados mais uma vez decepcionaram, a começar pela queda de mais de 40% no lucro, e se refletiram nas cotações das ações, que acumulam uma queda de 17% neste ano. O Victor Aguiar traz as principais reações aos números e o que esperar para o futuro da empresa.

Crescimento não é tudo

Para terminar, lanço uma pergunta: você investiria em um banco com a perspectiva de crescer a taxas de mais de 30% ao ano e que pode alcançar a marca de 12 milhões de clientes em 2022? Pois o Goldman Sachs recomenda que você fique longe dessas ações. Nas contas dos analistas, os papéis estão caros e não refletem as dificuldades que o banco terá em transformar todo esse crescimento em resultados para os acionistas. Confira nesta matéria da Bruna Furlani que banco é esse e o que está por trás da recomendação de venda.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

futuro começou

Redes 5G começam a chegar ao Brasil, mas conexão ficará aquém do potencial

Popularização do acesso à nova tecnologia ainda vai levar de dois a três anos. Para isso se tornar realidade, é necessário acontecer o leilão de frequências da Anatel

Resultados da pandemia

Pandemia do coronavírus fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades, diz IBGE

Entre os setores, os serviços tiveram a maior proporção de empresas encerradas em definitivo

Mercado de juro futuro

Estrangeiro diminui posição ‘comprada’ em taxa de juro futuro

Posições líquidas são reduzidas pelo segundo dia seguido, segundo a B3

Exile on Wall Street

Café da Manhã dos Campeões: vá de carona nas Big Techs

Enquanto investidores, podemos ser deixados para trás ou podemos pegar uma belíssima carona exponencial, investindo nas Big Techs.

agora vai?

Appy diz acreditar que há ambiente político para aprovação de reforma tributária

Para o economista, o mais importante seria conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamento, considerada por ele “completamente injustificável”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu