Menu
2019-11-11T16:23:05-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Taxa de 1% ou mais

Fundos DI mais caros perdem da inflação, mas concentram 60% dos cotistas

Fundos com taxa de administração de 1,0% ao ano ou mais rendem menos que poupança e inflação, mas concentram quase 2 milhões de cotistas

11 de novembro de 2019
16:04 - atualizado às 16:23
Alicate de pressão pressiona moedas em analogia à inflação
Com juros baixos, renda fixa conservadora pode facilmente perder da inflação. Imagem: Shutterstock

Com a Selic em 5,0% ao ano, o retorno das aplicações de renda fixa conservadora ficaram ainda mais sensíveis aos custos. Fundos DI com taxa de administração alta, por exemplo, já têm a capacidade de perder da inflação e da caderneta de poupança, como eu mostrei nesta matéria recente.

Hoje em dia, é possível encontrar, nas plataformas de investimento on-line, fundos ultraconservadores, cuja rentabilidade acompanha de perto a taxa DI, com custo zero ou muito baixo.

Na mesma matéria, eu mostrei que, atualmente, um fundo conservador não deveria ter taxa de administração superior a 0,2% ao ano para se manter interessante, mesmo que apenas para a reserva de emergência.

Acontece que a realidade do investidor brasileiro é bem diferente. Um levantamento da gestora de investimentos digital Magnetis, com dados da base da Anbima, mostrou que a maior parte dos cotistas de fundos DI no Brasil ainda investe em fundos bem caros.

Perda fixa

O levantamento não diferencia pessoas físicas de pessoas jurídicas (por exemplo, um fundo que investe em outro fundo) nem dá conta do fato de que um mesmo cotista pode investir em mais de um fundo (um único cotista pode aparecer repetido).

Mesmo assim, os números espantam: quase 1,8 milhão de cotistas (cerca de 60% daqueles que investem em fundos DI) está em fundos com taxa de administração de 1,0% ao ano ou mais; destes, pouco mais de um terço (640 mil ou 22% do total) investe em fundos com taxa de 2,0% ao ano ou mais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Só para você ter uma ideia, um fundo DI com taxa de administração de 2,0% ao ano rende menos da metade do CDI, considerando que também sofre cobrança de imposto de renda. Mesmo um fundo que cobre 1,0% ao ano de taxa rende somente cerca de 60% do CDI depois de descontado o IR.

Seja como for, esses fundos mais caros perdem da poupança e do IPCA estimado para os próximos 12 meses. E investimento que perde do IPCA não serve, porque faz seu dinheiro perder poder de compra.

Mas então onde investir?

Está certo que alguns fundos DI do levantamento se destinam à aplicação automática de valores em conta nos bancos, mas hoje em dia já existem contas que remuneram a 100% do CDI antes de impostos, sem a cobrança de qualquer taxa, como a NuConta ou a conta digital do PagBank.

Os fundos de renda fixa conservadora hoje em dia só tem servido mesmo para reserva de emergência e objetivos de curto prazo, dada a baixa rentabilidade. As melhores alternativas do mercado são os fundos Tesouro Selic isentos de taxas, que não são necessariamente fundos DI, mas investem o patrimônio dos cotistas em títulos públicos Tesouro Selic.

As instituições financeiras que dispõem desses fundos atualmente são o BTG Pactual Digital (BTG Pactual Digital Selic S FI RF), as corretoras Pi (Pi Selic RF Simples FI) e Rico (Trend DI Simples) e a plataforma Órama (Órama DI FIRF Simples LP).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Calças curtas

Por que o bilionário Elon Musk tem “pouco” dinheiro

A maior parte do patrimônio do bilionário sul-africano está colocada nos mesmos cavalos. Entenda

E o ano nem acabou!

Fundos imobiliários e ações já têm captação recorde em 2019

Volumes captados por fundos imobiliários e ofertas de ações até novembro deste ano já são os maiores das suas séries históricas, segundo dados da Anbima

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements