Menu
2019-04-04T14:50:16-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tudo sob controle

Líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann minimiza crise com Rodrigo Maia

Deputada afirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está dedicado a “sanar os ruídos”

22 de março de 2019
19:41 - atualizado às 14:50
joice
A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) - Imagem: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Em meio a uma crise entre o Palácio do Planalto e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), minimizou os últimos acontecimentos e disse que Maia vai continuar sendo "um grande aliado da reforma Previdência".

"Temos de sanar um ruído ou outro, mas tem bombeiros aqui para tentar apagar o fogo", disse. Ela afirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também está dedicado a "sanar os ruídos". "Ele é um pacificador, assim como o Maia", disse.

Hasselmann esteve reunida com Maia na residência oficial da presidência da Câmara. "Maia tem um papel no legislativo. A construção de pontes cabe a todos nós. Estamos trabalhando para a composição de uma base aliada. Mas nosso trabalho ainda não esta concluído", disse. "Creio que Maia não desistirá da reforma da Previdência", disse.

Uma das principais reclamações do parlamento sobre a falta de interlocução do governo é que ministros não têm recebido os deputados. A líder afirmou que está conversando com o Executivo sobre essa questão. "Ainda estamos nos primeiros meses de governo e vamos arrumando com o tempo", disse.

Em relação ao projeto dos militares, a líder disse que "é natural que haja o toque do Legislativo nas duas propostas de reforma da Previdência". Ela admitiu, no entanto, que o projeto não foi muito bem aceito entre alguns líderes do Congresso.

A deputada afirmou ainda que não vai cometer o erro de dispensar nenhum voto, inclusive da oposição. "Já disse que eu quero sim votos até do PT, porque é importante para os Estados. É uma questão de necessidade, a corda está no pescoço. Governo vai conversar o máximo possível para apaziguar ânimos com Maia", afirmou.

Apesar de questionada, Hasselmann não quis comentar sobre a atuação do filho do presidente Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) nas redes sociais e a suspeita de que ele estaria por trás dos ataques a Maia na internet. "Pessoas que estão fora do governo e que não têm nada a ver com o governo é que estão atacando nas redes", disse. "Já disse que há questões pontuais no partido que causaram ruídos", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Relembre a história

Crime e castigo: Bernie Madoff, responsável pela maior pirâmide financeira da história, morre na cadeia

Condenado a 150 anos de prisão, financista que fraudou US$ 20 bilhões e enganou milhares de investidores morreu em desgraça aos 82 anos. Conheça sua história e relembre seus crimes.

Atividade em queda

Indicador da FGV mostra contração da economia em março com agravamento da pandemia

A queda nas expectativas dos consumidores foi um dos destaques negativos entre os componentes do indicador

Benefício com garantia

Paulo Guedes reeditará BEm somente após a aprovação do Orçamento ou da PEC “fura-teto”

“O ministro disse ‘ou um, ou outro, o que sair primeiro a gente faz o BEm'”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da Abrasel

PPI

Decreto de Bolsonaro inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de um projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços

Exile on Wall Street

Bitcoins, IPOs, reestruturações e M&As: coisas para comprar ainda nesta semana

De onde você menos espera é que não vem nada mesmo. É notável a regularidade da incompetência. Ela não surpreende. Está sempre por aí.  Lembro com frequência da famosa frase, já meio clichê, você tem razão, do Kennedy: não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies