Menu
2019-12-19T16:54:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Prioridades

‘O que importa é que curva toda de juros esteja baixa’, diz presidente do BC

De acordo com o presidente do Banco Central, os juros baixos são uma confluência de vários fatores, entre os quais a questão fiscal.

19 de dezembro de 2019
8:36 - atualizado às 16:54
Roberto Campos Neto BC
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CFT da Câmara dos Deputados - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou em entrevista à GloboNews, que a queda nos juros longos foi maior que na parte curta da curva durante o ciclo atual e que isso abre espaço para um "ciclo virtuoso".

"O que importa é que a curva toda de juros esteja baixa", afirmou, ressaltando que o País "não roda na Selic". "Se tenho juros longos muito altos, é preciso de subsídios. Quanto mais subsídio eu dou, mais fica a impressão no País que o fiscal vai piorar. É um ciclo vicioso. E o que a gente precisa é quebrar este ciclo vicioso."

De acordo com Campos Neto, os juros baixos são uma confluência de vários fatores, entre os quais a questão fiscal.

Segundo ele, a reforma da Previdência abriu espaço para uma queda consistente nos juros. "Com o choque fiscal, a curva longa cai e as pessoas começam a realizar projetos", afirmou.

Selic

O presidente do Banco Central afirmou, ainda, que os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) entendem que é necessário analisar o "processo com cautela" para definir os próximos passos da política monetária.

No comunicado que acompanhou a decisão sobre baixar os juros a 4,5% e na ata da reunião do Copom, a palavra cautela já havia sido mencionada.

Campos Neto disse também que o crédito já está tendo impacto na economia e, que, por isso, o Copom precisa analisar.

Cheque especial

Campos Neto, afirmou, ainda, que o cheque especial é um produto que se caracteriza por ser "a exceção da exceção" e que, por isso, houve tarifação dele. De acordo com Campos Neto, há uma "disfunção do produto", provada inclusive na literatura internacional.

Ele negou, no entanto, que a tarifação e posterior limitação dos juros do cheque especial abriria precedente para outras modalidades de crédito.

Câmbio

Para Campos Neto, "a dinâmica do câmbio no Brasil mudou em relação ao passado" e que a pressão cambial agora é diferente na inflação.

"Quando o câmbio piorava, as expectativas com o Brasil pioravam. Desta vez foi diferente", relatou. "O câmbio se desvalorizou com a percepção de melhora do País, com a Bolsa batendo recorde e redução do prêmio de risco."

Na avaliação de Campos Neto, a pressão atual no câmbio é causada pelo movimento de pré-pagamento de dívidas das empresas no exterior.

Ele disse ainda que o descolamento do real em relação às moedas de outros países emergentes já acabou. "O importante no câmbio é olhar não apenas o real contra o dólar, mas o movimento global de moedas. Olhamos se existe algum deslocamento do real em relação a países que têm economias semelhantes", explicou.

"O real teve uma depreciação parecida com a de outros países emergentes, depois descolou, e agora voltou a ter uma variação parecida com essa cesta de moedas", completou.

Tributação

Após o ministro da Economia, Paulo Guedes, aventar a criação de imposto sobre operações digitais para compensar a desoneração da folha de pagamentos, o presidente Banco Central considerou que a criação do tributo terá impacto sobre o setor financeiro.

"Todo imposto sobre intermediação financeira tem impacto. Mais é preciso entender qual é o imposto e qual será o tipo de impacto. Mas o BC não comenta esse tema, que é do Ministério da Economia", respondeu.

Carne

Roberto Campos Neto afirmou que o impacto da carne na inflação foi sentido em novembro e em dezembro, mas que este processo foi adiantado para o ano de 2019. "O impacto da carne acelerou e adiantou em relação ao que esperávamos", afirmou.

O presidente do BC também defendeu a permanência na autarquia do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Para Campos Neto, no BC, o Coaf "fica mais técnico".

Ele argumentou que o órgão é um banco de dados, passivo, e que não tem poder de investigação. "Em relação ao Coaf, o BC é o órgão mais apartado da política", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo


Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PENSATA DE DOMINGO

Nunca é tarde para entrar na bolsa. Será?

Hoje quero falar sobre a visão que eu e o Rodolfo compartilhamos para o ano de 2020. E, claro, o que você deve fazer com seus investimentos para chegar à aposentadoria precoce.

CORONAVÍRUS

Xi Jinping alerta para a ‘grave situação’ criada pela disseminação ‘acelerada’ do novo coronavírus

Até agora, as autoridades disseram que a doença já infectou mais de 1.300 pessoas e matou 41. Mas a Comissão Nacional de Saúde anunciou que 237 pacientes estão em condições graves

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

MAIS LIDAS DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: O sonho da aposentadoria rápida

Caro leitor, O que te assusta mais: o coronavírus ou a fila do INSS? Não tenho dúvidas de que a nova doença foi o assunto da semana no mundo todo, mas o desejo de se aposentar rápido – e sem depender do governo – foi o que bombou aqui no Seu Dinheiro.  O projeto Aposente-se aos […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements