Menu
2019-12-19T16:54:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Prioridades

‘O que importa é que curva toda de juros esteja baixa’, diz presidente do BC

De acordo com o presidente do Banco Central, os juros baixos são uma confluência de vários fatores, entre os quais a questão fiscal.

19 de dezembro de 2019
8:36 - atualizado às 16:54
Roberto Campos Neto BC
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CFT da Câmara dos Deputados - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou em entrevista à GloboNews, que a queda nos juros longos foi maior que na parte curta da curva durante o ciclo atual e que isso abre espaço para um "ciclo virtuoso".

"O que importa é que a curva toda de juros esteja baixa", afirmou, ressaltando que o País "não roda na Selic". "Se tenho juros longos muito altos, é preciso de subsídios. Quanto mais subsídio eu dou, mais fica a impressão no País que o fiscal vai piorar. É um ciclo vicioso. E o que a gente precisa é quebrar este ciclo vicioso."

De acordo com Campos Neto, os juros baixos são uma confluência de vários fatores, entre os quais a questão fiscal.

Segundo ele, a reforma da Previdência abriu espaço para uma queda consistente nos juros. "Com o choque fiscal, a curva longa cai e as pessoas começam a realizar projetos", afirmou.

Selic

O presidente do Banco Central afirmou, ainda, que os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) entendem que é necessário analisar o "processo com cautela" para definir os próximos passos da política monetária.

No comunicado que acompanhou a decisão sobre baixar os juros a 4,5% e na ata da reunião do Copom, a palavra cautela já havia sido mencionada.

Campos Neto disse também que o crédito já está tendo impacto na economia e, que, por isso, o Copom precisa analisar.

Cheque especial

Campos Neto, afirmou, ainda, que o cheque especial é um produto que se caracteriza por ser "a exceção da exceção" e que, por isso, houve tarifação dele. De acordo com Campos Neto, há uma "disfunção do produto", provada inclusive na literatura internacional.

Ele negou, no entanto, que a tarifação e posterior limitação dos juros do cheque especial abriria precedente para outras modalidades de crédito.

Câmbio

Para Campos Neto, "a dinâmica do câmbio no Brasil mudou em relação ao passado" e que a pressão cambial agora é diferente na inflação.

"Quando o câmbio piorava, as expectativas com o Brasil pioravam. Desta vez foi diferente", relatou. "O câmbio se desvalorizou com a percepção de melhora do País, com a Bolsa batendo recorde e redução do prêmio de risco."

Na avaliação de Campos Neto, a pressão atual no câmbio é causada pelo movimento de pré-pagamento de dívidas das empresas no exterior.

Ele disse ainda que o descolamento do real em relação às moedas de outros países emergentes já acabou. "O importante no câmbio é olhar não apenas o real contra o dólar, mas o movimento global de moedas. Olhamos se existe algum deslocamento do real em relação a países que têm economias semelhantes", explicou.

"O real teve uma depreciação parecida com a de outros países emergentes, depois descolou, e agora voltou a ter uma variação parecida com essa cesta de moedas", completou.

Tributação

Após o ministro da Economia, Paulo Guedes, aventar a criação de imposto sobre operações digitais para compensar a desoneração da folha de pagamentos, o presidente Banco Central considerou que a criação do tributo terá impacto sobre o setor financeiro.

"Todo imposto sobre intermediação financeira tem impacto. Mais é preciso entender qual é o imposto e qual será o tipo de impacto. Mas o BC não comenta esse tema, que é do Ministério da Economia", respondeu.

Carne

Roberto Campos Neto afirmou que o impacto da carne na inflação foi sentido em novembro e em dezembro, mas que este processo foi adiantado para o ano de 2019. "O impacto da carne acelerou e adiantou em relação ao que esperávamos", afirmou.

O presidente do BC também defendeu a permanência na autarquia do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Para Campos Neto, no BC, o Coaf "fica mais técnico".

Ele argumentou que o órgão é um banco de dados, passivo, e que não tem poder de investigação. "Em relação ao Coaf, o BC é o órgão mais apartado da política", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo


Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Popularidade recorde

Eurasia aponta que chances de impeachment de Bolsonaro caem para 10%

Melhora na popularidade do presidente Jair Bolsonaro reduz as chances, que já eram remotas, de um impeachment, segundo avaliação da consultoria de risco político.

Contaminação

Setor vê jogada comercial da China em notícia sobre frango com Covid-19

Embora a China não deva anunciar embargo à carne do Brasil, a divulgação já prejudicou o produto nacional. Segundo fontes, podem haver motivos políticos e comerciais envolvidos.

MEDO DE PERDER DINHEIRO FAZ BEM

As vantagens de ser um investidor covarde

Você tem que ter medo. O excesso de confiança é muito perigoso. O Bobby Axelrod fala isso em um episódio do Billions: ‘eu sinto o gosto do medo na garganta, eu não quero ficar pobre

de olho nos números

Cemig registra lucro líquido de R$ 1 bilhão no 2º tri, queda de 50,6% em um ano

A receita líquida caiu para R$ 5,93 bilhões, de R$ 7,0 bilhões no mesmo trimestre do ano anterior.

balanço do coronavírus

Covid-19: Brasil registra 106.523 mortes e 3,27 milhões de casos

Nas últimas 24 horas, foram notificados 1.060 novos óbitos pela doença

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements